simplesmente delícia

14 de outubro de 2018

Devo logo confessar que a primeira idéia para essa torta era uma torre de suspiro. Uma torre de suspiro e chocolate. E como suspiro e chocolate muitas vezes são sinônimos de coma diabético, isto é, uma sobremesa doce demais, saí à procura de uma torta que fosse tão linda quanto perfumada e decadente. E acho que cheguei bem perto do meu ideal.

O suspiro dessa torta exige um termômetro ou ao menos um bom conhecimento de todos os pontos de calda. Mas faz diferença nessa receita. Esse suspiro é o mais estável (fica perfeito uns 3 dias na geladeira), não é muito doce e sua textura é praticamente a de uma nuvem! É o contraponto perfeito para o creme de chocolate e a base de biscoito.

Base:

200 gramas de biscoito (ver nota)

1 colher de sopa de cacau em pó

100 gramas de manteiga sem sal , derretida

1 pequena pitada de sal

Creme:

200 gramas de chocolate meio-amargo (ver nota)

2 copos de leite (usar leite integral, e não o desnatado)

4 gemas de ovos, grandes

6 colheres de sopa de açúcar

3 colheres de sopa de Maisena (peneirada)

¼ colher de chá de sal

2 ½ colheres de sopa de manteiga sem sal, a temperatura ambiente

Suspiro:

¾ copo de água (200 ml)

300 gramas de açúcar

6 claras de ovo (ou 240 gramas) à temperatura ambiente

¾ colher de chá de cremor tártaro (ou 1 colher de chá de suco de limão)

Modo de preparo:

1- Pre-Aqueça o forno a 180 graus. No processador, triture todos os biscoitos junto com o cacau, até formar uma areia fina. Ponha numa tigela e entorne a manteiga derretida por cima. Mexa bem com um espátula, ou com os dedos, até toda a farinha de biscoito estar bem úmida de manteiga. Ponha tudo numa forma de torta de 26 cm com o fundo removível, e apertando bem com os dedos, espalhe a farinha por toda a forma e suas laterais. Aperte bem! Ponha a forma numa assadeira e leve ao forno por 15 minutos. Retire e deixe esfriar. Você pode fazer a base de biscoito na véspera.

2- Ponha o chocolate partido em uma pequena vasilha. Pouse a vasilha em cima de uma panela com dois dedos de água. Sempre muito cuidado para não respingar água no chocolate. Leve a panela ao fogo e deixe o chocolate derreter no vapor quente. Quando o chocolate estiver todo derretido, retire a vasilha e reserve. Esquente o leite numa panela média. Ponha as gemas, o açúcar, a Maisena, e o sal numa vasilha e mexa bem.

3- Entorne ¼ de copo do leite quente nas gemas de ovo, mexendo sempre com um fouet para não ‘cozinhar’ as gemas. Junte mais leite aos poucos, mexendo vigorosamente. Volte tudo à panela e , em fogo médio, leve o creme a fervura. Deixe ferver por 1 a 2 minutos, mexendo sem parar, até engrossar. Retire a panela do fogo e junte o chocolate derretido, misturando bem. Deixe esfriar uns 5 minutos e junte a manteiga. Você já pode por o creme na base da torta. Se quiser fazer de véspera, ponha o creme numa vasilha e cubra com filme plástico rente ao creme (para evitar a formação de uma película). No dia seguinte, é só misturar bem o creme com um fouet antes de montar a torta.

4- Para montar a torta, é só espalhar o creme de chocolate na base de torta assada e fria, e levar à geladeira por 1 hora mais ou menos antes de por o suspiro. Isso não é crucial mas o creme mais firme  ajuda na hora de esparramar o suspiro.

5- Para o suspiro: numa pequena panela, ponha a água e o açúcar.  Leve ao fogo e cozinhe a calda até ela atingir 115 graus no termômetro de cozinha (é o ponto de bala, ou assoprado).  Enquanto isso, ponha as claras e o cremor tártaro (ou o suco de limão)  na vasilha da batedeira. Bata às claras em velocidade média até picos moles se formarem (para testar, pare a batedeira e levante o batedor: o pico de claras tem que recair sobre ele mesmo devagar). Se as claras estiverem prontas antes da calda, desligue a batedeira ou ponha ela na velocidade mais lenta). Quando a calda atingir a temperatura correta, derrame-a bem devagar nas claras, o mais próximo possível da borda da vasilha. Em seguida aumente a velocidade da batedeira e continue batendo até a consistência desejada. Queremos as claras firmes porém brilhosas e moles o suficiente para serem espalhadas na torta. Depois que montar as claras na torta , é só usar um maçarico para queimá-las ou levar sob o grill do forno rapidamente. Antes de servir, retire a forma lateral deixando a torta em cima do fundo removível. Sirva imediatamente ou  Deixe a torta na geladeira até o momento de servir. (Ver nota)

Notas:

- eu gosto do biscoito Bauducco CEREALE de cacau, aveia & mel.

- a qualidade do chocolate meio-amargo nessa receita é fundamental. Eu gosto d barra da Hersheys com 60% de cacau. Mas se você não encontrar, use o melhor chocolate meio amargo que estiver ao têm alcance.

- a torta fica boa na geladeira uns 2 ou 3 dias mas eu recomendo montar ela no dia de servir. A base de biscoito e o creme de chocolate podem ser feitos de véspera, e reservados separadamente.

26 de junho de 2018

Os bolos de cenoura são resquícios de uma (outra) época de histeria de comidas ‘saudáveis‘ quando se achava que o óleo era necessariamente mais saudável do que a manteiga e a cenoura iria servir de  adoçante natural. Bem, bolos de cenoura não são melhores ou mais saudáveis do que bolo de, digamos, chocolate. Mas essa receita de bolo de cenoura com coco está para as demais receitas  de bolos de cenoura o que o Concerto N 20 para piano de Mozart está para a música de elevador.
.
Existem muitas receitas de bolos de cenoura circulando por aí, mas minha maior questão é com todas aquelas que decidem por a cenoura no liquidificador, perdendo assim toda a linda textura que elas poderiam agregar à massa do bolo. Procure usar cenouras orgânicas nessa receita (e sempre que puder, claro): as cenouras estão entre os dez produtos com mais agrotóxicos segundo a lista de 2017 da ANVISA.
.
Para a calda, eu não sou fã da (omnipresente aqui no Brasil) calda de chocolate, preferindo uma calda mais neutra ou levemente cítrica, para complementar e aguçar o perfume delicado do bolo.
.
Receita inspirada na Dorie Greenspan, no seu livro Baking, From My Home to Yours.
.
Ingredientes
2 copos de farinha de trigo (280 gramas)
2 colheres de chá de fermento em pó
2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de canela em pó (opcional)
3  copos de cenoura ralada fina; eu usei o processador para isso (privilegie cenouras orgânicas)
2 copos de coco ralado (adoçado ou não, tanto faz)
2 copos de açúcar (400 gramas)
1 copo de óleo de girassol ou canola (250ml)
4 ovos grandes
.
Modo de preparo
1- Unte duas formas de 24 cm com manteiga e polvilhe-as com farinha. Reserve. Pre-aqueça o forno a 180 graus.
2- Numa vasilha, misture a farinha, o fermento, o bicarbonato, o sal e a canela. Reserve. Em outra vasilha, ponha a cenoura ralada e o coco.
3- Na vasilha da batedeira, bata o açúcar com o óleo em velocidade média, com a pá, até estar bem homogêneo. Adicione os ovos um por um e continue batendo até o creme estar liso. Reduza a velocidade e junte a mistura de farinha. Bata devagar somente até não haver mais traços de farinha.
4- Pare a batedeira e junte as cenouras e o coco misturando com cuidado com uma espátula. Dívida a massa entre as duas formas e leve ao forno quente por 30/40 mns.
5- Cada forno assa diferentemente por isso comece a verificar aos 25 mns. Os bolos tem que estar levemente dourados e uma faca deve sair seca do centro de cada bolo. Retire-os do forno e deixe esfriar em cima de uma grelha por uns 20mns antes de desenformar.
6- Ponha um bolo no prato que for servir, passe uma boa camada de doce de leite em cima, e cuidadosamente cubra com o outro bolo.
7- Opcional: Faça uma calda simples com açúcar de confeiteiro, adicionando água e/ou suco de limão aos poucos até obter uma consistência pastosa. Derrame aos poucos, empurrando a calda com uma espátula até as bordas para que ela escorra um pouco nas laterais.

23 de novembro de 2017

Eu adoro cozinhar e eu adoro comer. São duas das coisas que conheço sobre mim, com absoluta certeza. Lógico que existem outras coisas, algumas certas (nao gosto de caju nem de doce de ovos, adoro comédias românticas e tenho certeza que o Colin Firth é o unico Sr Darcy possivel) outras um tanto quanto incertas (ainda não sei se gosto mesmo de cenouras; mesmo o lado do meu cérebro mais racional não tem certeza que o Universo precisa de verão; e definitivamente não tenho certeza que poderia me decidir entre o Gabriel Macht e o Ryan Gosling).
Mas dito isso, me considero uma pessoa com relativo bom auto controle. Consigo olhar para uma panela de brigadeiro -quente – e não sair raspando-a como se amanhã fosse nosso último dia na Terra, por exemplo. Fato do qual me orgulho consideravelmente. Mas esse bolo gerou qualquer coisa de inusitado dentro de mim. E não foi nem uma pequeno deslize, como comer um  bombom  de nozes no final da tarde pensando que aquilo pode ser tua cota de proteína do dia. Não. Foi algo como ligar para tua pizzaria local e encomendar 3 pizzas grandes – calabresa, quatro queijos e portuguesa- e fazer o entregador acreditar que tem mais 6 pessoas escondidas dentro do teu apartamento.
E não estou nem brincando. Fora uma fatia que pus na marmita da minha filha, comi o bolo todo. A calda é deliciosa mas se você não tiver sementes de abobrinha e/ou nibs de cacau, pode omiti-los. Você vai perder um pouco da textura crocante mas continua sendo um bolo delicioso.
.
.
Como sempre, eu uso o copo medidor dito ‘americano ‘ que tem 250 ml.
.
Essa receita é uma adaptação daqui.
Ingredientes
1 pedaço de abóbora japonesa de aproximadamente 500 gramas (ou o equivalente para fazer 1 copo, 250 gramas, de purê)
Um pouco de azeite para untar a abóbora
1 1/2 copos de farinha de trigo
1 ½ colher de chá de fermento em pó
½ colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de canela em pó
½ colher de chá de noz moscada moída
1 colher de chá de sal
½ colher de chá de pimenta do reino, moída na hora
3 ovos grandes a temperatura ambiente
1 1/3 copos de açúcar
1 copo de azeite de oliva extravirgem (250 ml)
150 gramas de chocolate meio-amargo (de preferência com 60% de cacau)
..
1 ¼ copos de açúcar de confeiteiro
3 ou 4 colheres de sopa de água fervente
3 colheres de sopa de azeite de oliva extravirgem
2 colheres de sopa de sementes de abóbora (sem casca)
2 colheres de sopa de nibs de cacau
Modo de preparo
1- Pré-aqueça o forno a 200 graus. Corte a abóbora japonesa em pedaços, unte-os com um pouco de azeite, ponha numa assadeira forrada com um silpat ou papel manteiga, ou papel alumínio, e leve ao forno quente por 45 Mn ou até uma faca entrar facilmente na abóbora. Retire d forno e deixe esfriar.
2- Numa vasilha, peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato, a canela, a noz moscada e o sal e a pimenta.. Reserve. Unte bem uma forma retangular de 26 X 12 cm com manteiga e reserve-a.  Eu gosto de sempre forrar a forma com um pedaço de papel manteiga e unta-lo de manteiga também.
3- Pre-Aqueça o forno a 160 graus. Quando a abóbora estiver fria, retire a casca e ponha na vasilha do processador. Triture até formar um purê liso. Retire todo o purê da vasilha e meça 1 copo (250 gr) do purê. Ponha esse copo de purê de volta na vasilha do processador e junte os ovos e o açúcar. Triture até formar um creme liso. Junte o copo de azeite e processe mais um pouco. Pare o processador e junte a mistura de farinha. Processe rapidamente só até misturar os ingredientes. Você pode fazer isso a mão também mas é muito importante não ‘trabalhar’ muito a farinha depois que ela é adicionada ao resto dos ingredientes. Junte o chocolate bem picado, e entorne na forma preparada. Leve ao forno por 70/90 minutos ou até uma faca sair limpa do centro do bolo.
4- Retire do forno e deixe esfriar em cima de uma grelha por 20 minutos antes de desenformar. Depois de desenformado, deixe o bolo esfriar totalmente em cima da grelha antes de prosseguir com a calda.
5- Toste as sementes de abóbora numa frigideira até dourá-las. Reserve.
6- Numa vasilha, misture o açúcar de confeiteiro e a água fervente aos poucos, até obter uma calda grossa. Se preciso, acrescente mais água, mas bem aos poucos. Junte então o azeite e misture bem. Entorne em cima do bolo empurrando com uma pequena espátula, para os lados, para a calda derramar um pouco nas laterais. Imediatamente salpique as sementes de abóbora e os nibs de cacau, se for usá-los.

7 de novembro de 2017

A ricotta não costuma gerar muitas emoções fortes. Normalmente ela é odiada, tolerada ou apenas ‘gostada’. E é verdade que é um queijo meio insípido, meio enfadonho e talvez até desprovido de uma personalidade mais marcante, mas talvez até por isso mesmo ele seja um bom veículo para experiências interessantes  na cozinha.

Eu descobri a ricotta assada numa receita interessante que durante bastante tempo fiz repetidamente- eu sou assim, uma criatura de hábitos e amores longos. Mais recentemente, simplifiquei-a e agora preparo minha ricotta de forma mais simples, e sirvo com legumes grelhados e salada verde, saindo do forno e até mesmo fria (depois de assada). Uvas vermelhas sem caroços, assadas com um fio de azeite, sal e pimenta por uns 8 a 10 minutos,  ficam especialmente boas com a ricotta.

Ingredientes

1 ricotta fresca inteira, sem o líquido (se houver) [eu gosto da marca Fazenda Vermelha]

Raspas de limão

Um fio de mel

1 colher de sopa de azeite de oliva extravirgem

Sal e pimenta do reino

Modo de preparo

1. Pré aqueça o forno a 180 graus.

2. Seque um pouco a ricotta com papel absorvente se ela estiver muito molhada. Unte levemente  uma pequena travessa que vá ao forno com um pouco de azeite (à parte da colher de azeite da lista de ingredientes) e ponha a ricotta. Raspe um pouco da casca de um limão pequeno, tomando sempre cuidado para não ralar a parte branca da fruta (que é amarga). Regue com um pouco de mel e o azeite. Tempere com sal e pimenta do reino.

3. Leve ao forno por aproximadamente 30 minutos ou até a ricotta estar levemente dourada e um pouco estufada. Sirva quente ou morna, com uma salada verde caprichada, legumes assados e grelhados, etc.

9 de outubro de 2017

Sabe quando o Universo conspira a teu favor e tudo dá certo? Aquela hora que você está atrasada para uma reunião e acha uma vaga em frente ao local? Ou aquele dia em que você tem tanta coisa para fazer, com tanto potencial para dar tudo errado e milagrosamente alguém lá em cima ouve teu suspiro e tudo se resolve ? Então. Foi o que aconteceu com essa receita.
Não começou da melhor maneira possivel, lógico. Eu tinha preparado um monte de batata doce assada uma singela quinta feira à noite mas, meus adoráveis filhos não apareceram para jantar. A  adolescência faz dessas coisas. Eles não esquecem o celular (afinal este está amarrado ao corpo deles) mas avisar a mãe que ‘temos outros planos para jantar’  é uma coisa muito complicada. Enfim.
Sexta feira acordei com um monte de batata doce assada e à procura de inspiração. Foi quando me deparei com essa receita e me apaixonei à primeira lida. O que me chamou à atenção foi o mango chutney. Eu nunca o tinha usado em molho de salada , e nada melhor do que uma experiência nova para inaugurar o pote que eu tinha comprado havia algumas semanas, absolutamente sem motivo. Mas de novo, vou acreditar no poder do Universo e achar que na realidade só comprei o Mango Chutney porque já havia um plano em ação para que esse prato se concretizasse.
Eu tinha também em casa as  cranberries secas e sementes de abóbora (que queria usar no lugar das amêndoas da receita original). Agora me digam se não é um sinal? Mas o mais importante é que o prato final é tudo que eu gosto na vida: ligeiramente picante, crocante, colorido, perfumado e delicioso.
Não se desespere com a enorme lista de condimentos para temperar as batatas. Eu adoro esse mix especificamente mas você pode temperá-las apenas com azeite, sal e pimenta. Ou siga essa receita mais simples e nao menos gostosa. Ou outra mistura de especiarias que você tiver em casa. Lembre de servir esse prato à temperatura ambiente; nunca gelado.
Ingredientes
5 batatas doce médias
3 ou 4 colheres de sopa de azeite de oliva (ou o suficiente para criar uma fina camada de óleo em todos os pedaços de batata)
1 boa pitada de sal
1 colher de sopa de açúcar mascavo
1 colher de chá de coentro em pó
1 colher de chá de curry
1 colher de chá de cominho em pó
½ colher de chá de gengibre em pó
½ colher de chá de pimenta caiena (ou outra pimenta de sua preferência)
6 colheres de sopa de vinagre balsâmico (eu prefiro o balsâmico branco)
4 colheres de sopa de mango chutney
2 colheres de soa de mostarda tipo Dijon
2 colheres de sopa de mel
4 colheres de sopa de azeite de oliva
½ cebolas  roxa grande fatiada bem fina
2 colheres de sopa de um bom vinagre de vinho tinto
2/3  copo de passas brancas ou cranberries secas
½ copo de sementes de abóbora sem casca (ou amêndoas fatiadas)
1 copo de cibulete bem picada (ou use ½ copo de cebolinha bem picada)
Modo de Preparo
1. Pre-aqueça  o forno a 180 graus. Lave e seque bem as batatas. Não precisa descasca-las. Corte-as em pedaços de 6cm aproximadamente, e em seguida parta os pedaços em palitos. Cuide para que os pedaços tenham mais ou menos o mesmo tamanho, para que assem por igual no forno. Ponha todos os pedaços numa vasilha grande e junte o azeite, sal, açúcar, coentro, curry, cominho, gengibre e pimenta caiena. Misture bem.
2. Forre um tabuleiro grande com um pedaço de papel manteiga e arrume as batatas lado a lado, sem que se sobreponham. Leve ao forno quente por 20 minutos, retire o tabuleiro e vire as batata de lado, e asse por mais uns 20 minutos, ou até estarem cozidas por dentro e  douradas por fora. Retire do forno e reserve.
3. Enquanto isso, numa vasilha misture bem o vinagre balsâmico, o mango chutney, a mostarda, o mel, o azeite, sal e pimenta. Reserve.
4. Fatie a cebola roxa finamente, em rodelas, e ponha numa pequena tigela. Regue com 1 colher de sopa de um bom vinagre de vinho tinto e uma pitada de sal. Deixe a cebola amolecer 10 minutos. Toste as sementes de abóbora  (ou as amêndoas)  numa frigideira, de preferência antiaderente. Cuidado para não queimá-las! Quando elas estiverem tostadas e perfumadas, retire do fogo e ponha-as em um prato. Pique as cibuletes (ou as cebolinhas se estiver usando-as).
5. Ponha as batatas doce mornas numa vasilha grande e junte metade do molho. Adicione metade da cebola, metade passas (ou cranberries), metade das sementes de abóbora  (ou amêndoas ), e metade da cibulete. Misture com carinho. Arrume num prato de servir, e distribua por cima o restante da cebola, das passas, das sementes de abóbora  e da cibulete. Sirva a temperatura ambiente, com mais molho a parte, se precisar.

Próxima página »