simplesmente delícia

12 de abril de 2013

  • Eu às vezes brinco que tenho um pé no Oriente Médio mas se eu for me basear por essa receita, eu tenho os dois pés e as duas mãos naquela região. Eu já havia feito algumas variações desse prato clássico de arroz com lentilhas  mas essa certamente foi a que chegou mais perto daquela que é o meu parâmetro. E não, não foi no Oriente Médio aonde provei o que para mim foi o melhor Mejadra porque ainda nunca tive o prazer de visitar a região. Mas talvez tenha sido na segunda melhor opção: Londres, que tem uma enorme comunidade imigrante.
  • Foi há exatos 14 anos , quando eu estava lá para ser madrinha do casamento de uma amiga querida , que depois de partir para sua merecida lua de mel, me deixou a vagar sozinha por aquela cidade incrível. Não me lembro qual era o restaurante, nem tampouco aonde era, nem como cheguei lá mas o prato de mejadra servido com uma enorme porção de um incrível iogurte não me sai da memoria. E tem sido atrás desse Mejadra que eu ando correndo…
  • Existem provavelmente tantas receitas de Mejadra (ou Mujaddara ou Moujadara) diferentes quanto de receitas de curry na Índia. Cada região ou etnia aporta uma variação então não se espante se você já viu esse prato com carne ou com trigo para quibe ao invés de arroz por exemplo. Como boa obcecada com cozinha que sou, tenho todos esses condimentos em casa mas se você não tem, ou não encontra, não desista. Eu te dou logo duas opções: compre todos os condimentos e parta a descoberta de novos horizontes, experimentando-os em molhos, carnes etc. Ou omita um ou outro condimento (já estou ouvindo daqui aqueles que não suportam cominho gritando: eu não como cominho por nada!): o que vale nessa receita é o valor agregado de todos os condimentos. Nada de sobressai de fato portanto, se você realmente não comer cominho, faça o mejadra sem ele. O mejadra, e eu, vamos sobreviver a essa pequena traição.
  • Receita do livro Jerusalem de Yotam Ottolenghi e Sami Tamimi
  • ingredientes

  • 250 gramas de lentilhas (verdes ou marrons)
  • 4 cebolas medias
  • 3 colheres de sopa de farinha de trigo
  • Aproximadamente 250 ml de óleo de girassol
  • 2 colheres de chá de cominho (grãos)
  • 1 ½ colher de sopa de coentro (grãos)
  • 200 gramas de arroz basmati
  • 2 colheres de sopa de azeite de oliva
  • ½ colher de chá de açafrão da terra (cúrcuma)
  • 1 ½ colher de chá de pimenta da Jamaica
  • 1 ½ colher de chá de canela
  • 1 colher de chá de açúcar
  • 350 ml de agua
  • Sal e pimenta do reino
  • modo de preparo

  • 1.       Lave as lentilhas e ponha-as numa panela media. Cubra com bastante agua e leve ao fogo médio por uns 15 minutos ou até elas estarem cozidas mas ainda firmes (elas ainda vão cozinhar 15 minutos com o arroz). Quando cozidas, tire do fogo e escorra. Reserve.
  • 2.       Com uma faca afiada, corte as cebolas em fatias bem finas. Ponha-as numa escorredor e polvilhe com a farinha e uma boa pitada de sal; mexa bem para as fatias estarem bem envoltas de farinha. Esquente o óleo numa panela media em fogo médio/alto. Teste a temperatura do óleo pondo um pedacinho de cebola: a cebola tem que fritar imediatamente. Quando o óleo estiver bem quente, ponha 1/3 das cebolas com cuidado pois o óleo vai respingar. Deixe fritar até elas estarem bem douradas, retire com uma escumadeira e ponha numa vasilha coberta com papel absorvente. Frite o resto da cebola, em duas vezes. Deixe as cebolas secarem no papel absorvente enquanto prepara o arroz.
  • 3.       Esquente uma frigideira grande, no fogo médio. Adicione as sementes de cominho e de coentro e toste-as por um ou dois minutos. Elas tem que começar a ficar bem perfumadas. Adicione em seguida o arroz basmati, o azeite, o açafrão da terra, a pimenta da Jamaica, a canela o açucar1/2 colher de chá de sal e pimenta do reino. Misture para envolver o arroz nas especiarias. Junte então as lentilhas cozidas e a agua e Deixe ferver. Tampe a frigideira e cozinhe em fogo bem baixo por 15 minutos.
  • 4.       Retire do fogo, levante a tampa e cubra a panela com um pano de cozinha limpo; tampe de novo (com o pano vedando bem a panela) e reserve por pelo menos 10 minutos.
  • 5.       Adicione então metade das cebolas, misture bem. Arrume num prato de servir e ponha a outra metade das cebolas por cima. Sirva com coalhada ou salada de pepinos.

Outras Boas Idéias: Sopa de Lentilhas e Risoto de Funghi

9 de abril de 2013

  • No post anterior eram as alcaparras então agora vamos às anchovas e as beterrabas, outra injustiçada! Mas aqui entre nós, é provável que existam mais amantes de beterraba do que de anchovas. Eu adoro ambas, e beterraba e anchovas fazem uma dupla dinâmica com o perfume picante da anchova complementando a textura da beterraba. Aqui nesse prato, o perfume das anchovas não é marcante mas elas vão dar uma profundidade a salada.
  • Essa salada é para mim, uma refeição, mas os filhos tendem a fazer olhares vagos - cuidadosamente cultivados por sinal- de desespero quando isso acontece- e infelizmente não fazem parte do fã-clube ‘Viva a Beterraba’ do qual sou Presidente Honoraria. Na certa se ajoelharam e agradeceram seus anjos da guarda por não estarem em casa quando servi esse prato. Mas não se deixem influenciar por eles. É uma deliciosa salada: leve e ao mesmo tempo completa. Então se você for como eu, vai gostar dela por si só, ou sirva-a como acompanhamento a uma carne branca, um frango grelhado, um filé de porco assado.
  • Serve 4 a 6 pessoas
  • Levemente inspirada numa receita do New York Times
  • ingredientes

  • 300 gramas de trigo em grãos (1 1/2copos)
  • 2 beterrabas medias (ou 350 gramas aproximadamente)
  • 1 colher de azeite
  • ¼ copo de vinagre de vinho tinto
  • 1/3 copo de azeite de oliva
  • 1/3 copo de óleo de girassol (ou canola)
  • 4 filets de anchova
  • ½ limão (suco)
  • ½ copo de salsa picada
  • ¼ copo de cebolinha picada
  • modo de preparo

  • 1.       Na véspera, ponha o trigo numa vasilha com bastante agua e deixe-o de molho pelo menos 12 horas.
  • 2.       No dia seguinte, prepare as beterrabas (que alias podem ser assadas de véspera também). Ponha-as num pequena travessa, entorne o azeite por cima. mexa-as bem para ficarem bem envoltas pelo azeite e cubra a travessa com papel alumínio. Leve ao forno por 30 minutos pelo menos ou até uma faca entrar facilmente na beterraba. Isso pode levar de 30 até 60 minutos dependendo do tamanho, do forno, do frescor etc. Retire do forno e deixe esfriar.
  • 3.       Tire a pele da beterraba e pique em pedaços pequenos.  Ponha os pedaços numa panela media e acrescente 4 copos de agua. Leve ao fogo baixo e deixe fervilhar por uns 3 minutos. Retire do fogo, escorra as beterrabas guardando o liquido cor-de-rosa.  Ponha esse liquido numa panela, junte o trigo escorrido e leve ao fogo médio por uns 45-50 minutos ou até os grãos estarem cozidos. Você provavelmente vai ter que acrescentar mais agua à medida que o trigo for secando. Quando o trigo estiver cozido, escorra e passe agua fria para cessar o cozimento. Reserve.
  • 4.       Junte a metade da beterraba picada ao trigo cozido. A outra metade da beterraba ponha na vasilha do liquidificador. No liquidificador junte também o vinagre, o azeite de oliva, o óleo, as anchovas (escorridas do óleo) e o suco de limão. Triture bem até formar um creme. Prove e acerte o tempero com sal e bastante pimenta do reino.
  • 5.       Quando o trigo estiver à temperatura ambiente, regue-o com o molho. Adicione a salsinha e a cebolinha picada, e sirva imediatamente, ou leve a geladeira em recipiente fechado para deixar a salada mais fresca. Essa salda guarda 3 a 4 dias na geladeira se propriamente condicionada.
Outra Boa Idéia: Salada de Beterraba e Grão de Bico e Salada de Laranjas e Beterrabas

5 de abril de 2013

  • Não vou nem tentar ficar enrolando aqui para justificar tanto tempo de ausência. Foi a vida que me fez perder o tempo e a inspiração para sentar e bater papo aqui no do blog. Pronto, assim fica mais fácil e podemos falar desse molho de alcaparra. Eu sinceramente não entendo porque as alcaparras têm tantos inimigos. Eu acho que são como as anchovas: as pessoas gostam de dizer que não gostam ate mesmo antes de provar. Mas eu adoro e uso bastante na cozinha. Lembre-se de passa-las na agua fria antes de usar para retira o excesso de salmoura. E sirva esse molho com frango grelhado, legumes cozidos ou até mesmo minha indefectível salada de tomates: fica perfeito.
  • ingredientes

  • 1 limão grande (suco e raspas)
  • 1 colher de sopa de vinagre de vinho branco
  • 1 colher bem cheia de alcaparras, escorridas
  • 1 colher de chá de mostarda tipo ‘Dijon’
  • 1/3 copo de salsinha picada
  • 1/3 copo de azeite de oliva
  • 1 pedaço de queijo coalho de 500 gramas
  • 2 ou 3 colheres de sopa de azeite
  • modo de preparo

  • 1.       No copo do liquidificador, ponha o suco e as raspas do limão, o vinagre, as alcaparras escorridas e lavadas (para tirar a salmoura), a mostarda, a salsinha e o azeite. Triture bem até formar um creme; prove e ajuste o sal e a pimenta (Tabasco fica uma delicia aqui). Reserve.
  • 2.       Corte o queijo coalho em fatias de aproximadamente 1 cm se ele estiver em pedaço grande. Ponha numa vasilha e regue com as duas colheres de sopa de azeite. Mexa bem para o queijo estar bem envolvido. Enquanto isso, esquente seu grill; quanto este estiver bem quente, disponha as fatias de queijo lado a lado, sem se tocarem, e grelhe por 2 a 3 minutos de cada lado. Retire do grill quando o queijo estiver bem tostado . Se precisar, mantenha o queijo grelhado em um prato coberto com papel alumínio enquanto acaba de grelhar todo ele. Sirva imediatamente com o molho de alcaparras.

Outras Boas Ideias: Salada de abobrinhas e queijo coalho grelhados e Tapenada de Azeitonas e Figos Secos

11 de março de 2013

  • Eu tenho dois grandes amores: chocolate e caramelo. Ok, também tem os filhos, a família, os amigos, etc. mas estou assumindo que isso é a regra para todo mundo (apesar dos meus filhos adolescentes ocasionalmente me fazerem repensar esse dogma). E pensando bem, talvez o caramelo esteja no topo da lista afinal chocolate virou uma coisa tão ‘lugar comum’ que é preciso ser algo verdadeiramente interessante para meu cerebelo entrar em estado de alerta.
  • Já o caramelo é um caso serio. Caramelo e sal na mesma frase então, e eu fui à lua e voltei em meio segundo. O curioso é que o caramelo já vem imbuído de algo tão profundamente pecaminoso, de uma certa luxuria e um toque de excesso que faria de um Baco já formoso, um Deus ainda mais orgulhoso.
  • Ele nada mais é do que uma simples calda de açúcar queimado e creme de leite, ao mesmo tempo melada, cremosa e perfumada, que tem essa facilidade de combinar com tantas coisas deletáveis (sorvetes, frutas, chocolate, bolos, biscoitos, etc.), se dispõe a uma infinidade de variáveis (o sal e apenas uma delas mas você já experimentou suco de laranja no caramelo?) e tem essa eximia capacidade de me fazer sorrir apenas com uma olhada.
  • A maioria das pessoas acharia isso ridículo mas quando se está apaixonado, nada é tão abstrato ou bobo que não possa ser considerado bonitinho.
  • A receita original é do blog http://www.cilieginasullatorta.it
  • ingredientes

  • 150 gramas de chocolate amargo, com no mínimo 55%cacau (eu usei o Garoto Cacau 55%)
  • 100 gramas de chocolate ao leite
  • 90 gramas açúcar (1/2 copo bem raso)
  • 200 ml de creme de leite fresco
  • 30 gramas de manteiga salgada, a temperatura ambiente
  • 1 colher de chá de flor de sal
  • ½ copo, aproximadamente de cacau em pó
  • modo de preparo

  • 1.       Pique todo o chocolate em pedaços bem pequenos. Ponha tudo numa vasilha media e reserve.
  • 2.       Ponha o açúcar numa panela. Derreta em fogo médio/baixo, vigiando constantemente para não queimar. Assim o açucar estiver todo derretido,  o caramelo ficar cor de âmbar e começar a sair fumaça (sinal de que está queimando), tire do fogo e junte o creme de leite. Misture e leve de volta ao fogo, mexendo sem parar para derreter o caramelo que endureceu no contato com o creme. Cuidado para não deixar o creme ferver. Se começar a esquentar demais, tire a panela do fogo, misturando sem parar, deixe amornar, e volte para o fogo. Quando o caramelo tiver derretido no creme, tire do fogo, junte o sal, misture e entorne imediatamente no chocolate picado.
  • 3.       Espere 5 minutos e mexa com cuidado para homogeneizar o creme. Pique então a manteiga e incorpore ao creme de chocolate. Misture e deixe o creme chegar à temperatura ambiente . Cubra então com um filme plástico e leve a geladeira por no mínimo 6 horas.
  • 4.       Retire o creme da geladeira. Ponha o cacau em um prato fundo. Com colheres pequenas e mãos bem limpas, faça bolinhas de chocolate e role-as no cacau. Ponha-as à medida que ficarem prontas numa vasilha com tampa, sem empilhar, e leve a geladeira . Elas precisam gelar umas 6 horas pelo menos. Retire-as da geladeira uns 15 minutos antes de servir, mas mantenha-as na geladeira bem tampadas (especialmente se você morar em um lugar quente).
Outra Boa Ideia: Trufas de Chocolate ao Leite e Maracujá

7 de março de 2013

  • Na pressa de postar logo essa receita eu esqueci de especificar uma parte do preparo do peixe. Editei a receita em 08/03/2013. Mil desculpas por qualquer contratempo.

  • Em outra encarnação eu devo ter sofrido alguma grave penúria de comida porque eu adoro comida preservada. Quer dizer, eu adoro picles (preservação no vinagre), confit (comida preservada no óleo), comidas defumadas e salgadas, etc.; Além de gostar do sabor, adoro a versatilidade que elas têm. Um salmão como este, preservado no azeite, pode ser servido no aperitivo, pode fazer parte de uma salada, de um sanduiche delicioso com cream-cheese, misturado numa massa quente, pode ser servido puro com coalhada (meu almoço hoje) etc.
  • Esse processo também fica delicioso com atum fresco. A versão caseira e infinitamente melhor do ‘atum em lata’. Mas para o atum, não salgue o peixe antes e despeje o azeite ainda quente nele. Prossiga como para o salmão.
  • ingredientes

  • 700 gramas de filé de salmão, sem pele
  • Aproximadamente 1 kg de sal grosso
  • 500 ml de um bom azeite de oliva extra virgem
  • Cascas de 1 limão
  • ½ colher de sopa de grãos de pimenta do reino
  • 6 a 8 ramos de tomilho fresco
  • 3 folhas de louro
  • modo de preparo

  • 1.       Ponha sal grosso no fundo de uma vasilha e pouse o file de salmão em cima. Cubra com mais sal grosso, vede a vasilha com filme plástico e leve a geladeira por 6 horas. Depois disso, descarte o sal. Lave o salmão em agua corrente e seque-o bem com papel absorvente (lave e seque duas vezes para eliminar bem o sal). Reserve o peixe.
  • 2.       Ponha o azeite e todos os outros ingredientes menos o salmão numa panela. Leve ao fogo baixo até começar a formar bolhas. Não deixe ferver de jeito nenhum! Assim que começar a formar bolhinhas, tire do fogo e deixe esfriar. Se você tiver um termômetro de cozinha, o azeite tem que esquentar até 70 graus.
  • 3.       Enquanto isso, corte o salmão em fatias de 1 cm de espessura. Ponha numa vasilha de vidro ou porcelana. Eu usei uma vasilha quadrada de 22 centímetros. Quando o azeite estiver à temperatura ambiente, derrame-o por cima do salmão, com os condimentos. Cuide para que todos os pedaços do peixe estejam submersos no azeite. Cubra bem com filme plástico e leve a geladeira por no mínimo 12 horas. O ideal é fazer de véspera. Retire da geladeira 30 minutos antes de servir.

Outra Boa Idéia: Gravlax (Salmão Curado)

« Página anterior - Próxima página »