simplesmente delícia

25 de outubro de 2008

Bem, queria primeiro me desculpar pelo sumiço. Tinha prometido postar durante a minha viagem, mas não consegui. Não vou nem tentar explicar porque minha frustração foi punição suficiente.

Começamos em Londres e logo no primeiro dia fomos tomar café da manha num lugar delicioso. O Ottolenghi é um desses lugares que me deixam sem ar. Não sabia pra onde olhar. Os restaurantes (são 4 na cidade) são todos brancos para a comida aparecer com toda sua força. São saladas e doces expostos como uma explosão de cores e perfumes, em cima de bancadas brancas, prontos para serem embalados e levados pra casa.

O forte do Ottolenghi é o “take away”, mas em todos os restaurantes há alguns lugares para sentar se a fome for grande demais! O maior restaurante, o da Upper Street serve um café da manha delicioso com pães feitos em casa (um dos pontos fortes da casa), geléias idem, perfeitos “cinnamon toasts” com creme fresco e frutas vermelhas, salmão defumado com um levíssimo creme azedo, enfim, tudo perfeito. Os doces são um caso a parte.Tive que fazer um enorme esforço para voltar lá (inserir aqui risos irônicos) e levar  alguns para experimentar e poder fotografar na calma do meu quarto, para vocês claro. Não podia fazer de outra forma, certo (mais risos irônicos aqui)?? Comprei também o livro que vou começar a explorar assim que humanamente possível.

No dia 13 tive o privilegio de participar da inauguração da exposição do artista brasileiro Cildo Meireles na TATE Modern. È a primeira retrospectiva de um artista brasileiro nessa importantíssima instituição e foi realmente uma noite linda. Que orgulho ver o catálogo do nosso Cildo ao lado do incrível Francis Bacon, cuja exposição brilha na TATE Britain.

E falando em arte, foi após ir passear na Wallace Collection que fomos almoçar no La Fromagerie (2-6 Moxon Street) uma casa super charmosa, cheia de bossa especializada em queijos, fornecedora inclusive dos melhores restaurantes da cidade. No fundo da loja tem um pequeno bistrô que serve um almoço caprichado. A sopa de alcachofras estava uma jóia.

Terminamos a semana em Londres com um jantar no Michael Moore, um pequeno e delicioso restaurante em Marylebone, onde comi um carneiro com creme de batatas e baunilha que estava, como diria meu pai, supimpa.

E como um passe de mágica, o Eurostar nos deixou bem no meio de Paris. 

Em Paris, as coisas ficaram ainda mais sérias. A lista de coisas a fazer, comer, beber, comprar era vergonhosa. Mas vou poupar vocês dos detalhes de como, por exemplo, atravessei a cidade para comprar a manteiga Bordier, que muitos consideram A MELHOR (na França, manteiga é um assunto seriíssimo!!). Essa manteiga é a escolhida para ser servida nas mesas de chefes como Joel Robuchon, Alain Passard e Alain Ducasse. Ela é tão especial (comprei no Da Rosa, mas ela é encontrada também no Marché St Germain e outras épiceries finas) que pode se comida com uma colher, mas acompanha claro, divinamente uma baguette tradition fresquinha). Outra manteiga preferida dos chefes é a La Viette (o Pierre Hermé é fã) que é servida no restaurante do Pierre Gagnaire, o GAYA (44 Rue du Bac), onde fomos jantar após visitar a exposição da Coleção Berardo que está pertinho no Musee du Luxembourg.  Alias, o amuse-bouche era um incrível romance entre a couve-flor e o atum, levíssimo, uma nuvem de creme. Um jantar impecável, com serviço jovem e atencioso, e peixes e coquilles Saint-Jacques regados a um delicioso Sancerre. Que noite.

Atravessando o jardim do Luxembourg numa linda tarde de outono parisiense, indo comprar o pirulito de chocolate com caramelo de manteiga salgada do chocolatier Jean-Paul Hévin (3, rue Vavin), lembrei de vocês e resolvi fazer mais um esforço (risos irônicos aqui de novo) e parar no Pierre Hermé da Rue Bonaparte (nº 72) para provar sua ultima inspiração: sobremesas com wasabi (o tempero em pasta, verde,bem apimentado, muito usada na culinária japonesa). Escolhi os macarons, e não me arrependi. Foi sentada num banco do jardim, vendo as crianças brincando ao sair da escola que mais uma vez vi a genialidade do chefe. O wasabi é um perfume, doce, distante, mas surpreendentemente presente. No meio do macaron, um pequeno pedaço de gelée de pamplemousse. Nada a dizer, senão, comme d’habitude parfait .

Também não podia deixar de passar na G. Detou (58 Rue Tiquetonne) e na IZRAEL (30, Rue François Miron), que são um mundo de especiarias, condimentos incríveis, azeites, vinagres, frutas secas (pistaches maravilhosos), chocolates em todas as concentrações imagináveis etc.. Dessa vez descobri que nas boas essências puras de baunilha, pode haver concentração da fava: comprei a de 400 Gm de baunilha por litro, a outra opção era 200 Gr/litro. O preço é bem salgado, mas por outro lado, o produto é super concentrado e só requer uma pequena quantidade. No dia anterior  a nossa volta, fomos almoçar no Racines (8, Passage des Panoramas), restaurante pequeno e informal do Pierre Jancou. Ali ele serve uma cozinha com produtos de primeiríssima qualidade (legumes e verduras vêm do potager do Alain Passard, chefe do exclusivo L’Arpege). Sua cave é conhecida por seus vinhos “orgânicos” (basicamente, sem SO2). Tomamos um delicioso Vitriol. Na minha entrada de coquilles Saint-Jacques, havia uma finíssima fatia de lardo de Colonnata, um bacon da Toscana, marinado por 6 a 8 meses em especiarias, realmente maravilhoso. Esse bacon também é servido em pequenas tábuas como aperitivo. As fatias são cortadas em uma maquina que as deixa finas como folhas de papel, assim só se tem o perfume do bacon.  Atençao a torta de maçã com creme de amendoas na sobremesa: a massa folhada estava absolument delicieuse. As fotos não fazem jus ao local nem a comida: estava com a lente da maquina errada o que me atrapalhou durante toda a viagem.

Bem, minha saideira foi uma ultima religieuse au café, minha sobremesa preferida. Confesso que troco qualquer coisa por uma dessas: começo tirando o choux de cima, aí como os pedacinhos de creme de manteiga que enfeitam o seu contorno, e por fim o choux grande, cheio de recheio de café… Minha Madeleine…

 

15 comentários

  1. Luciana Betenson disse

    26 out 2008, 6:14 pm

    Oi Flavia!
    Adorei este post, acabei de vir de Londres também e viajei de volta com você. Também estive na Tate Modern e na Wallace Collection, muito legais. Se tiver um tempinho, dê uma olhada no meu post osbre a comida inglesa!
    Um beijo
    Luciana

  2. Andrea disse

    26 out 2008, 7:24 pm

    Oi Flavia!!1
    Noss, nao acredito!
    acabamos não nos falanso e nao nos encontramos (lembra, que nos falamos antes, e estou em Paris fazendo meus estudos em patisserie?!!)
    Que pena..pq vejo o quanto temos varias coisas em comum…as fotos , as percepções, que incrivel! otimo ver seu relato, vejo e revivo pelo que passo aqui!
    um bj
    e nos falamos
    Andrea (SP)

  3. claudia disse

    27 out 2008, 1:16 am

    estou quase entrando na tela aqui :)

  4. Ana disse

    28 out 2008, 8:33 am

    Flávia,

    Desde que minha sogra me mandou um email do Radar 55 falando do seu blog, venho visitá-la sempre, ainda que em silêncio. Gosto muito dos seus posts e receitas. O de hoje está uma verdadeira preciosidade para quem pretende ir a Londres e Paris e comer bem. Vou já já anotar tudinho na minha caderneta de “achados para viagem”.

    Parabéns pelo blog. É tudo deliciosamente lindo por aqui.

    um beijo procê,
    ana

  5. leonor disse

    28 out 2008, 3:22 pm

    Olá Flávia!!

    Segui a sua pista e vim cá ter!…ainda não conhecia o seu blog e está muito bonito!… fotos lindas e receitas deliciosas!!!
    O seu trabalho está relacionado com cozinha, ou é apenas uma paixão?…fico super curiosa!!:)

    P.S.- Apenas aceito comentários que tragam algo ao meu blog e, por regra, todos os comentários com publicidade não são publicados!…por favor, para a próxima, não deixe links!!! Obrigada!

  6. vicente disse

    06 nov 2008, 2:32 pm

    achei q seu site ta otimo, so q nao consigo me “reperer” dentro, pq vc sabe q eu nao sou bom em mexer na internet… mas eu gostei muito . agora vou tentar todo dia enyrar no seu site.

    bjusss

    vicente

  7. Carine disse

    29 nov 2008, 6:10 pm

    Jah anotei todos os endereços e da proxima vez que o Vincent fôr pra Londres, vou junto!!! Bom, engordei 5 quilos só de ler a historia das manteigas… Quando você vir para Genève, eu te faço provar a verdadeira “crème double de Gruyère”, um pecado capital!!!!

  8. celmy disse

    16 dez 2008, 1:29 pm

    Dicas maravilhosas! Anotadas para a próxima vez.
    Não há nada sobre Roma, não? Estou de partida…
    Bjs,
    C.

  9. livia disse

    24 abr 2009, 8:57 pm

    querida
    por favor,se possível adoraria saber o que é creme double,porque ja procurei em muitos lugares e não acho.
    muito obrigada
    um beijão
    Livia

  10. cintia araújo disse

    22 jun 2010, 10:01 am

    Olá Flavia.Como você aprecio a culinária e tenho ela como paixão.Navegando encontrei seu blog e achei maravilhoso.Fui á Paris e Londres em março e fiquei maravilhada com tudo,principalmente os macarons;só não pude fazer nenhum curso.Sou farmacêutica,mas hoje no interior do Paraná me conhecem como a doceira Cintia.Fiz um curso de macarons em uma escola de Curitiba,onde a culinarista está sempre no circuito Curitiba-Paris, e simplismente meus macarons não dão certo.Não sei se é a receita,pois já fiz mais de vinte vezes e até achei a temperatura ideal do meu forno, pois não racham mais, mas a casca fica extremamente fina e um pouco murcha.Se você puder entrar em contato comigo no email e me orientar sobre alguma receita que realmente de certo eu ficarei extremamente agradecida.Estou obcecada pelos macarons e não desistirei tão fácil de conseguir fazê-los perfeitos.Muito obrigado
    Cintia

  11. Thais disse

    11 nov 2010, 12:05 pm

    Oi Flávia!
    Fui à Paris em outubro e segui algumas de suas dicas! Adorei o Racines! Como é que um purê de batatas e uma saladinha verde podem ser tão gostosos? Aliás, se você souber como fazer o purê de batatas “à francesa”, poderia fazer um post, hein!?
    Amei também os caramelos amanteigados do Jean Paul Hévin! Entrou para a minha lista de doces favoritos!
    Ah, estou para perguntar há algum tempo - você sabe se encontramos lardo em alguma deli aqui do Rio?
    Beijos e obrigada pelas dicas! Minha família também agradece!
    Thais

  12. joice disse

    24 jan 2011, 10:45 am

    Olá bom dia!!
    Estou na luta tentando fazer o tal macarons.
    Gostaria da sua receita e alguns truques e dicas.
    Seria possível?
    Estou desesperada já tentei de tudo…. rsrsrs

    Aguardo com urgência sua resposta.

    Beijos que Deus abençoe seus talentos!!!

  13. Valquiria disse

    13 mar 2012, 7:59 pm

    Flavia, como disse no post das favas, estive pela primeira em Londres na semana passada e graças a vc pude conhecer o Ottolenghi e algumas maravilhas! Delicia, delicia, delicia. obrigada!

  14. Rosa Maria Oliveira Silva disse

    17 jul 2012, 3:21 pm

    Olá,
    Que luxo,seu blog!
    Adorei e vim te pedir ajuda.
    Você teria a receita de “macarrons”?
    E dicas a respeito deste doce tão delicado.
    Se tiver e puder me fazer esta gentileza, e mandar a receita para o meu email,ficaria muito grata.

    Um forte abraço,

    Rosa Maria

  15. Mariana disse

    23 mar 2015, 5:09 pm

    Aonde faço curso de Macaron em Curitiba?

Trackback URI | RSS de Comentários

comente!

Mensagem