simplesmente delícia

12 de março de 2012

  • —-Sorteio Encerrado—-
  • Acabei de sortear e os números são: 37, 89, 203! Vou já encaminhar os emails avisando e pedindo os endereços.
  • Desde já, muito, muito obrigada pela participação de todos, e pelo privilegio de ter podido ouvir um pouco dessas historias lindas que você escreveram aqui.  Até a próxima!

  • Ultimamente tenho tido como missão ensinar a minha filha adolescente alguma base na cozinha. O filho adolescente sempre gostou de cozinha, adora preparar o seu jantar e sobreviveria tranquilamente sozinho. Já a filha seria a melhor amiga do entregador de algum ‘delivery’. E não rola pizza.  Mas como me parece que santo-de-casa-não-faz-milagre, estou tendo que chamar (repare que não mencionei nenhuma forma de trabalho voluntario da parte dela aqui) para dar aulas básicas de como picar uma abobrinha, como fazer uma sopa (para mim, todo mundo deveria saber fazer pelo menos uma sopa!), como preparar um molho para massa, etc. Depois da aula pratica (aonde ela pica, mistura, etc. ao mesmo tempo em que tecla ferozmente no seu Blackberry), faço um interrogatório básico, para ver se de fato entrou alguma coisa no cérebro dessa minha adolescente.  E vou delegar uma refeição para ela preparar, uma vez por semana- só não comuniquei isso a ela ainda…
  • Ontem ganhei mais um pacote de lindas favas de baunilha que meu pai traz do Pará. São favas encontradas e preparadas na Bacia Amazônica, o mesmo tipo de fava que se encontra no México, foi levada para a Europa e em seguida para Madagascar dando origem a baunilha ‘Bourbon’. E como coisas boas são feitas para serem divididas, vou sortear, aleatoriamente, três comentários e mandar seis favas para cada leitor sorteado. Para isso, se você mora no Brasil, basta você deixar um comentário (se houver mais do que um comentário do mesmo leitor, serão excluídos) contando de algum prato especial, ou experiência, que você tem ou teve com seus filhos ou seus pais, na cozinha.  O sorteio (via www.random.org/) vai acontecer na terça-feira dia 20 de março.
  • xx
  • xx

  • Regras:
  • -Morar no Brasil
  • -Deixar apenas um (1) comentário (os outros serão excluídos) por email
  • -Deixar um email correto (quando postar o comentario)!
  • Três formas de usar as favas: Ao fundo um pote de açúcar que triturei com as favas secas. À direita, um vidro de essência de baunilha preparada com vodca. E na frente, as favas dentro do Rum: cortam-se as pontas das favas e deixam-as absorverem o álcool devagar (2 a 3 semanas pelo menos). Em seguida basta espremer a fava e todas as sementes saem como uma pasta. Depois é só secar a fava vazia e jogar ela no açúcar. É um excelente método que tenho usado nos últimos anos com muitos bons resultados.

 

234 comentários

  1. Renata Romão disse

    12 mar 2012, 12:58 pm

    Quero ganhar as favas!!!

  2. ivana disse

    12 mar 2012, 1:00 pm

    Oi Flavia

    Adoro suas receitas, ja fiz algumas, minha filha (Anahi) pediu desesperadamente para eu fazer um comentario para participar do sorteio dessas favas de baunilha, somos de campinas e ja procuramos a orquidea da baunilha (para tentarmos ter aqui - nao sei se eh uma ilusao pelo nosso clima!!)
    Vi sua “luta” para ensinar sua filha a cozinhar… a minha tem feito cupcakes e esta ganhando um dinheirinho com isso!! Uma encomenda que ela teve de bolo de limao, pegamos a recieta do seu site!!

    Ate
    Ivana

  3. Dani Carneiro disse

    12 mar 2012, 1:04 pm

    Flavia, já que pediu para contar…
    Minha infância foi cercada de ‘pratos de polaco’:
    Minha avó, polonesa, mãe da minha mãe, fazia uma sopa de ossobuco com beterrabas e repolho e sempre contava que minha bisavó fazia na época da 2ª Guerra, mas eu gostava porque era uma ’sopa cor de rosa’, acabei fazendo faculdade de História e comprovei que na época, a Europa só conseguia produzir repolhos e beterrabas com abundância. (haha!)
    Outro prato ‘de polaco’ que minha avó fazia era o Pierogi (lê-se pirógui), pelas mãos da minha avó tinha um sabor impecável, minha mãe ainda faz quando todas as filhas vão visitá-la, já eu, ainda não tenha a Sra. Habilidade para reproduzir a receita… Só sei que, o sabor do pierogi da minha avó é um, da minha mãe é outro, e, futuramente, o meu terá outro ‘tom’ com certeza, mas a SENSAÇÃO do prato passado de geração a geração lá em casa é o que sempre vai ser motivo para gerar mais histórias para contar! Um beijo, Dani!

  4. anahi disse

    12 mar 2012, 1:08 pm

    oi flavia,

    Adoro as suas receitas… Ja fiz um bolo de limão que vc postou que foi o único que ficou bom :). Eu não achei no seu blog a receita daquele seu bolo todo cor de rosa, vi a postagem no seu Facebook e gostaria muito de experimentar :):)
    Gostaria muito de estar participando do sorteio, já ate tentei procurar para vender a orquídea mais nunca achei :(

    Beijos
    Anahi

  5. Carine Rodrigues disse

    12 mar 2012, 1:14 pm

    Minha paixão pela culinária começou desde pequena com minha avó que cozinhava maravilhosamente bem, tenho ótimas lembranças e receitas dela também. Hoje, gosto de ler tudo que vejo pela frente sobre o assunto e seu Blog é um dos meus preferidos. Gosto de pesquisar sobre ingredientes e testar receitas, depois sempre acabo “inventando” a minha. Eu quero as favas!! :-) Bjs

  6. SONIA disse

    12 mar 2012, 1:18 pm

    Adorei a idéia bjss
    quero ganhar tb favas

  7. Emanuelle Seefeld disse

    12 mar 2012, 1:21 pm

    Olá Flávia, a pouco tempo descobri o seu site, e por sinal “que site maravilhoso é esse que junta viagens com comida?”. Faço nutrição e sou apaixonada pela comida, culturas diferenetes, viagens….
    Adoraria ganhar essas favas, pois onde moro não tem para vender.
    Adoro as receitas alemãs antigas de família, dentre elas está o repolho roxo, strudel de queijo, cuca e o Contreau que a minha bisavó sabe fazer. Tais receitas que o cheiro e o gosto me remetem a infância.

    beijoss
    Manu

  8. Marina Maria disse

    12 mar 2012, 1:28 pm

    Lembro-me de quanto meu pai ficou desempregado e, pela primeira vez, começou a ficar comigo e com meu irmão em casa, à tarde. Minha mãe me ensinou como fazer café e eu fazia para ele todos os dias, por volta de 16h, logo depois que passava “Changeman” no SBT. Um dia decidi fazer uma surpresa e cismei que faria uma torta de limão. Achei uma receita nos livros da minha mãe. A cobertura era feita com claras em neve e eu não tinha ideia do que era aquilo - só entendi a parte de “bata as claras”. Bati bem e pus por cima da torta. Resultado: a coisa saiu do forno cheirando à ovo frito. E meu pai, todo lindo, comeu e disse que estava uma delícia! hehehe

    Um beijo!

  9. laila ubbi baldochi disse

    12 mar 2012, 1:40 pm

    quero ganhar favas!!

  10. anna disse

    12 mar 2012, 1:40 pm

    meu pai não sabia cozinhar nada mas era ótimo na hora de comer. só chegava na cozinha se estivéssemos fazendo alguma comidinha gostosa e cheirosa. desconfio q ele só achava o caminho se guiando pelo cheiro. ele tinha o habito de falar que qualquer comida ficava boa se tivesse creme de leite ou leite condensado. sempre fiquei furiosa com esse comentário. q absurdo falar isso, né?. hj em dia esses ingredientes praticamente não entram na minha cozinha muito por conta das receitas deliciosas que copio aqui no simplesmente delicia :D

  11. Fernanda Gomes disse

    12 mar 2012, 1:43 pm

    Olá Flávia, sempre acompanho seu blog, mas nunca comentei.
    Porém com esse sorteio não pude deixar passar. Quero muito as baunilhas!
    Minha lembrança de infância com a minha mãe são panquecas canadenses: antes das filhas meus pais moraram no Canadá, dentre muitas lembranças que trouxeram, veio a receita de panqueca.
    A refeição do dia favorita da minha mãe é o café da manhã e em cafés especiais, principalmente nos aniversários, sempre tinha a panqueca (até hoje), com uma importante observação que ela sempre dizia: essa panqueca tem ser gordinha, alta! Comíamos com mel e de vez em quando maple syrup que algum amigo trazia de fora.
    Espero ganhar! Aprendi a apreciar e a fazer com ela.
    beijos

    Fernanda

  12. ellen disse

    12 mar 2012, 1:47 pm

    Eu cozinho desde adolescente, lá em casa eu era a responsável em fazer até supermercado do mês. Hoje minha filha parece seguir meus passos, ela tem 11 anos e sempre pede para me ajudar na cozinha, adora assistir os programas de culinária na tv fechada, acho que aqui em casa ganharemos mais uma chef gourmet.

  13. Carolina disse

    12 mar 2012, 1:48 pm

    Oi Flávia! Quero ganhar as favasssss! rsrs :)

    Não tenho uma história pra contar, mas será que vale dizer que cresci com mãe dona de restaurante e que meu gosto pela cozinha vem no sangue?? rsrsrs

    Bjs

  14. Leticia Zero disse

    12 mar 2012, 1:50 pm

    Flavia, venho de uma família parte italiana, parte libanesa, então já viu, reunião de família gira sempre em torno da comida, e sempre tanta que alimentaria um batalhão de famílias a mais. Memorias de familia estão sempre associadas aos sabores. O cozido que minha avó fazia vez em quando, os tecos de carne crua que meu avô dava para a gente comer nos dias de churrasco, o babaganush da minha mãe que eu nem tento preparar porque nunca vai chegar aos pés do dela… Aliás minha maior vergonha foi quando passei um tempo na casa de uma amiga em oxford e, ao descobrir um mercadinho libanês, comprei os ingredientes para preparar um kibe assado em agradecimento pela hospedagem e o carinho de todos. Só que eu nunca tinha feito euzinha própria um kibe. Engraçado, eu sempre cozinhei muito, mas as receitas de familia não tinha vontade de preprar, preferia que ficassem com a familia, parece. Mas liguei para minha mãe e pedi as instruções para preparar um kibe mais rápidas do mundo, antes que os créditos do cartão de ligações internacionais acabasse. E fui lá pra cozinha. Ficou horrível, completamente feio, desengonçado, torto, seco, fino. Foi engraçado, mas também um tanto triste por não ter conseguido honrar a familia, ainda mais estando nesse exílio voluntário quando os laços familiares, e consequentemente as comidas, os sabores e as memórias afins, são ainda mais importantes.
    Eu ia contar também da época em que dei aulas de culinaria para uns amigos - marido e filha adolescente de uma amiga, a menina perdeu o interesse rapidamente e quem acabou ficando como meu braço direito foi o menino de 6 anos, sempre super curioso para saber o que eram aquelas ervas e temperos coloridos, topando provar tudo, de um teco de cúrcuma moída a uma bolinha de pimenta rosa. Era eu dentro da familia de outra pessoa, contribuindo para aqueles outros laços familiares em torno da comida. Foi uma época curta, mas deliciosa!

  15. leticia disse

    12 mar 2012, 1:55 pm

    nossa! q delícia!!! :)

    minha mãe sempre cozinhou suuuper bem! lá em casa somos 3 meninas e eu fui a única que saí super ligada em cozinha! :) Adoro experimentar receitas novas e meu sonho é um dia conseguir ter um tempero tão bom qt o da minha mãe!
    as memórias gastronômicas de infância q eu mais gosto são dos lanchinhos diferentes que minha mãe fazia pra gt comer assistindo sessão da tarde! :) todo dia era uma coisa diferente e gostosa! muito carinho, né? hoje eu sei o quanto isso dá trabalho! :P

  16. Monica Soares Barbosa disse

    12 mar 2012, 2:00 pm

    Quero muito ganhar as favas, é tao dificil de achar por um preço razoável aqui no Rio de Janeiro.

  17. Tiago disse

    12 mar 2012, 2:02 pm

    só de olhar as imagens já senti a essência no ar

  18. Clarissa Maia disse

    12 mar 2012, 2:11 pm

    Oi Flavia! Adorei a ideia do sorteio! Sou assídua no seu site e já testei vária receitas de bolos, cookies, brownies, etc. Amei todas que fiz. Uma das suas receitas que faz muito sucesso é a do Millionaire’s Shortbread. A primeira vez que fiz, o biscoito e a o chocolate desandaram… mas a minha mãe, muito experiente e a minha maior incentivadora na cozinha, não me deixou desistir, me mandou fazer outra e me deu alguns toques para dar certo. Por fim, 3 receitas quase não foram suficientes para um almoço de família! Todo mundo amou e queria repetir várias vezes!

  19. Claudia Guimarães Simoni disse

    12 mar 2012, 2:20 pm

    Ei Flávia,
    Que bondade dividir suas favas com seus fiéis seguidores. Sua filha ainda vai te surpreender, espere.
    Fui criada junto com minha avó materna que nascida em uma grande fazenda no começo do século passado, aprendera muito cedo a arte de fazer vários pratos deliciosos e alguns até digamos, fora do comum (lingua, rabada, dobradinha). Fazia também doces em calda maravilhos - o de laranja então nunca mais consegui comer nada igual. Me lembro que ela ficava ali dias, se debatendo ao lavar as cascas, na árdua tarefa de acabar com o amardo das mesmas, as quais seriam futuramente, devoradas por nós todos, com imenso prazer. As massas eram feitas por ela que passava as manhãs de domingo preparando ora sua famosa lasanha ora seu inesquecivel talharim. Eu - por alguns anos a única neta e APAIXONADA por aquela avó tão cheia de personalidade, não fui esperta o bastante para apreender muita coisa com ela (a diferença de idade era muito grande). Aqui em casa coloquei a minha filha ainda pequena, numa escolinha (1 x por semana) onde se ensinava a costurar, cozinhar, e fazer estas coisinhas que hj em dia ninguém tem tempo nem vontade de aprender. Sei que daí ela tomou amor pela cozinha e pequenininha já fazia doces deliciosos. Durante seu intercâmbio na Austrália, deixou saudades nas duas famílias onde dividiu seu ano de 2005, pois acabou sendo a responsável pelas refeições de fim de semana.
    beijos,
    Cláudia

  20. Nathalia Pires disse

    12 mar 2012, 2:28 pm

    eee! sou visitante há um tempão e adoraria ganhar as favas ;]
    um beijo, Flavia!

  21. Amara Silveira disse

    12 mar 2012, 2:30 pm

    Flavia,
    Adoro teu site, não sou aquela cozinheira que tem mão para a coisa, mas adoro cozinhar e aprendo na marra,tenho uma mocinha de dois anos e meio que já me ajuda a fazer bolo, ela adora, nem sempre da certo, mas só a comanhia dela já vale a pena, depois do bolo pronto ele pede para provar para ver se está bom (massa crua) ela adora!! Espero que ela tome gosto, dizem que é de pequenino que se torce o pepino!!
    Bj

  22. Tânia disse

    12 mar 2012, 2:44 pm

    Oi Flávia! Que sorteio mais gostoso e perfumado!Claro que vou participar.
    Minha filha não quer saber de cozinha, passa longe. As vezes quando viajo e ela obrigatoriamente fica sozinha em casa, se arrisca numa omelete. Senão fica nos congelados e delivery’s.
    Algumas amigas já me contaram que a necessidade faz desabrochar alguns dons, como aconteceu com as filhas delas que eram desorganizadas e aprenderam a se virar com primor quando foram morar sozinhas.
    Acho que é bem por aí. Se um dia tiver vontade de comer algo e não tiver quem faça, vai fazer. Pelo menos é o que eu espero.
    Beijinhos

  23. Márcia Machado disse

    12 mar 2012, 2:47 pm

    Gostaria de ganhar as favas para mostrar pro Rafa e pra Gi que baunilha não é só essencia não. Eles com certeza vão amar a ideia.

  24. Danieli Bárbara disse

    12 mar 2012, 2:51 pm

    Oi, Flávia!
    Engraçado você delegar algumas pequena funções para a sua filha na cozinha, foi assim que a minha mãe nos ensinou a cozinhar (eu e minha irmã). No começo (aos 6/7 anos) só podiamos amassar os temperos no pilão e aos poucos de acordo com a idade e habilidade, íamos adquirindo o “direito” de fazer novas coisas: amassar o pão de queijo (somos mineiras), picar os alimentos, refogar o alho para o feijão, etc… E sem perceber quando adolescentes já sabíamos fazer de tudo um pouco na cozinha!
    bjs
    P.s.: Torcendo pelas favas!!!

  25. marina disse

    12 mar 2012, 3:06 pm

    que delícia, quero muito, 2012 é o ano do açúcar de baunilha<3

  26. Elenise disse

    12 mar 2012, 3:19 pm

    Oi Flavia….qdo penso em receitas sempre lembro da minha mãe que nunca seguiu nenhuma mas tem um tempero e uma comidinha caseira maravilhosa…ela faz a comida com tanto amor que tdo acaba ficando maravilhoso….
    Adoraria ganhar as favas para utiliza-las nas receitas que irei elaborar….afinal de contas acabei de me inscrever em um curso de culinaria….não vejo a hora de começar!!!

  27. Madalena Galvani Back disse

    12 mar 2012, 3:25 pm

    Nunca tive a oportunidade de ver essas favas.
    Ficaria encantada em ganhar.

  28. Mariana Moura disse

    12 mar 2012, 4:03 pm

    Nem sei quando aprendi a cozinhar mas minhas memórias gastronômicas mais antigas estão ligadas à minha avó paterna. Uma avó meio Dona Benta que até de Mococa era para poder compor bem o personagem.
    Minha vó fazia as balas de côco mais pedacinho de céu que existem, existiram e existirão - com o gosto de infância que tinha, não tem mais igual…
    Aquele cherinho, aquele estica e puxa e aquela iminência de açucarar e perder tudo. Não sei o que é açucarar por q minha vó nunca errou pra eu poder ver como era. Prendia a massa no “pendurador de pano de prato” e puxava e colocava e puxava até o ponto. Pra finalizar guardava em um potinho de cerâmica pintado por ela com uma imagem de uma cidade coberta de neve - ou era coberta de bala de côco???
    A bala de côco ficava, nesse pote, envolta num sistema infalível de alarme de cerâmica. Abri-la antes de almoço era impossível já que seus ouvidos captavam tudo. Antes do almoço mesmo, só o ovo mole na canequinha lascada. Pra abrir o apetite!
    Pena que não aprendi… pena mesmo… vivo só a experimentar e achar tudo ruim!!!
    (Hummmmmm… favas!!!)

  29. emy disse

    12 mar 2012, 4:05 pm

    não posso deixar de me candidatar a ganhar as favas! o blog é uma delícia, flávia! parabéns!

  30. Sra. N - Daniela disse

    12 mar 2012, 4:38 pm

    Não tenho filhos (ainda), apesar de ter 35 anos, estou casada a menos de 2. Mas venho de uma familia portuguesa, onde tudo gira em torno na cozinha.

    com meu pai aprendi a fazer a bôla (que é um pão rústico, em forma de pizza coberto com carne de porco que ficou curtindo no vinho com alho por dias); Aletria tb é algo que ele ainda faz 1 vez por mês e me ensinou. Minha avó aprendi os segredos do doce de abóbora em pedaços, e minha mãe me ensinou o beabá todo, devo muito a ela que sempre cozinhou bem (ainda cozinha) e teve paciência em ensinar. Hj acaba me consultando antes de qq receita nova…rs

    Histórias de cozinha não me faltam, mas agora estou escrevendo as minhas próprias, pois como sempre gostei de cozinhar, agora amigos sempre pedem jantar la em casa para provar meu tempero.

    De seu blog ja separei algumas para testar.

    Não conhecia esse truque das baunilhas sem a ponta, no rum. Fiquei curiosa, sempre vejo Jaime na cozinha falando de uma “pasta de baunilha”, com certeza nunca vi isso por aqui. Que sorte seu pai conseguir as favas fácil.

    Ja pesquisei para tentar plantar no interior, mas nunca consegui nada certo na internet.

    Bjs falei demais

  31. Marilaine disse

    12 mar 2012, 4:53 pm

    Flávia, com o perdão do trocadilho, o seu site é simplesmente uma delícia. Eu me amarro nas suas receitas e sempre tento reproduzi-las.
    Nas minhas aventuras pela cozinha, lembro-me do último dia dos pais, quando minha filha de cinco anos me acordou pela manhã, puxando-me para fora do quarto, pedindo para fazer um café da manhã surpresa para o papai. “Mamãe, podemos fazer panquecas para o papai?”. Eu, naquela preguiça matinal do domingo disse a ela: “Vamos deixar para outro dia” e ela, na sua lógica infantil respondeu, “mas mamãe, outro dia não será o dia dos pais”. Não teve como resistir, tomei coragem e fomos para a cozinha fazer as tais panquecas.

  32. Elias Junior disse

    12 mar 2012, 5:12 pm

    queria muito fazer uma receita do simplesmentedelicia.com, com essa baunilha

  33. cida arruda disse

    12 mar 2012, 5:15 pm

    delicia! quero muito ganhar…

  34. Lorayne disse

    12 mar 2012, 5:38 pm

    Flavia, adoro teu site mas quase nunca comento.
    Sou bem iniciante na cozinha, nos salgados ainda tenho muito a aprender, na parte de doces e bolos até que eu me viro bem. Adoraria ganhar as favas!!! Moro no interior de MG e quase nao se acha isso por aqui, se achar o preço nao dá pra encarar, rsrsrs

  35. Gabriela Belderrain disse

    12 mar 2012, 6:14 pm

    Sempre tive curiosidade de usar favas naturais! :)
    Minha mãe não costuma cozinhar sempre, mas sempre lembro de um truque ou outro que ela ensinou. Ainda estou pegando o jeito pra fazer comida peruana como ela faz, quem sabe um dia eu acerto a sopa de peixe e camarão!

  36. Odete Sales Novaes Seabra disse

    12 mar 2012, 6:24 pm

    Ei Flávia!!!

    O sorteio será em 20/03/12, não é? vc postou 20/02…kkk

    Bom, adoraria ganhar as favas de baunilha, pois minha ajudante jogou fora o meu “matinho feio e com cheiro enjoativo”.

    Amo o seu site.Fico ansiosa pelas novas postagens. Bj e tudo de bom.

  37. Patricia de Oliveira disse

    12 mar 2012, 6:28 pm

    Vi seu twitter com essas favas e fiquei morrendo de inveja, dá quase pra sentir o aroma delas!
    Desde sempre gosto de ajudar meus pais na cozinha, principalmente meu pai que gosta de fazer doces e experimentar coisas novas. Sempre tento reproduzir as receitas dele, mas como ele faz a olho nunca consigo ter um resultado parecido. Já temos o famoso “Bolo do Papai”, “Pão de Mel do Papai”, “Molho para carnes do Papai”… Você e ele são minhas inspirações culinárias. :)

  38. Bela disse

    12 mar 2012, 6:29 pm

    Hoje, poucas coisas me emocionam e me trazem tanto prazer quanto cozinhar. Aos 25 anos, recém casada e recém saída do ninho, é nesse momento que mais me lembro da minha Mãe.
    Sempre fui extremamente ligada ao meu Pai e a cozinha, por sua vez, foi o que me aproximou da minha Mãe. Nós podemos estar bem, podemos estar chateadas, pode ser mais um refeição ou AQUELA refeição especial. Quando estou na cozinha com a minha Mãe o tempo parece nunca ter sido tão gostoso e especial como antes na minha vida.
    Ela nutriu minha paixão por algo que hoje eu levo comigo e pretendo levar como minha profissão. Estar na cozinha, em meio a panelas, formas, fouets, cores e cheiros tão indescritíveis, me dão a satisfação que procurei em outros trabalhos e não havia encontrado tão apaixonadamente assim.
    Minha Mãe me deu não só educação: foi ela a responsável por me mostrar o mundo mais encantador que eu já conheci. Existem pessoas que veem seus mundos em livros, em viagens, em coleções… eu vejo meu mundo na cozinha e nenhum outro me parece tão fascinante quanto esse!

  39. Jaqueline S. da Silva disse

    12 mar 2012, 6:49 pm

    Olá,
    Que oportunidade de conhecer baunilha de verdade, seria fantástico…fico aqui só imaginando o cheirinho, o perfume… se ganhar quero preparar deliciosos sonhos de creme. Obrigada…

  40. Ma Bego disse

    12 mar 2012, 7:07 pm

    Eu quero por demais!!!!

  41. Maiza disse

    12 mar 2012, 7:37 pm

    Minha paixão pela arte de cozinhar iniciou na infãncia,na cozinha da minha nonna, como sou de origem italiana sempre faziamos diversas massas, biscoitos e pães com ela, e essa atração pela gastronomia não terminou mais,estou sempre em busca de nossos temperos, sabores e receitas, e aqui na minha cidade já mais vi baunilha em fava, por isso espero ganhar elas, para prova-las e até arriscar a preparar uma bella receita. Parbéns por esse blog delicioso!!

  42. Fabiane disse

    12 mar 2012, 8:32 pm

    Noossa!
    Que lindo essas favas de baunilha, queria muito encontrar como essas por aqui.

    Sua história com a sua filha me lembrou muito uma vez quando era pequena, nas férias aqui a casa era cheia. Meus primos moravam no interior e nas férias todo mundo se encontrava. Uma vez nossas mães decidiram que iam nos ensinar a cozinhar, e cada dia uma das “primas” tinha que cozinhar um almoço diferente, pra ver quem era melhor. Eu fui no primeiro dia e minha mãe me obrigou a cozinhar feijão, arroz, carne. Mas a concorrência foi desleal, nos outros dias o cardápio foi só com pratos especiais tipo, lasanha. Claro que perdi, qual criança troca lasanha por feijão? Mas tudo bem, por que hoje curso gastronomia, e acho que me tornei das melhores cozinheiras da família. Kkk!
    Um abraço!

  43. Bruno disse

    12 mar 2012, 8:43 pm

    Olá, tenho uma história legal pra te contar.

    Minha mãe sempre foi da cozinha prática, arroz, feijáo, bife e batata frita. As vezes arriscava uma lasanha. Ela é boa doceira, me ensinou alguns bolos que fazem muito sucesso, mas eles estão casados a mais de 20 anos e, não sei bem ao certo o momento que isso aconteceu, meu pai começou a enjoar da comida dela.

    Eu moro sozinho a quase dois anos, sempre adorei cozinhar e fico horas na cozinha experimentando. Aos poucos fui ensinando minha mãe a reformular alguns pratos, mostrei pra elas alguns segredinhos dos temperos, enfim, compartilhei um pouco do que fui aprendendo na cozinha.

    Ela começou a mudar a comida de casa, meu pai, que tinha começado a almoçar fora vários dias da semana, hoje não passa um dia sem comer em casa - até engordou um pouco nos últimos tempos. Minha mãe não perde a oportunidade de dizer pros vizinhos e parentes como eu cozinho bem (e de acordo com ela também sou lindo), e ela recuperou o ânimo pela cozinha que tinha perdido a muito tempo.

    Legal né? Imagina meu orgulho dela! hehe

    Quero as favas, sobretudo por curiosidade em experimentar receitas com elas :)

  44. erick disse

    12 mar 2012, 8:55 pm

    Olá Flávia! =]
    Já postei alguns comentários aqui no site, e la vai mais um hehehe.
    Tenho 20 anos e moro sozinho. Tenho uma mãe extremamente protetora e que é uma cozinheira de mão cheia. E eu…. digamos que não nasci com o mesmo dom.
    Já que vim morar sozinho, resolvi começar a aprender tudo o que minha mãe fazia pra um dia impressiona-la.
    Como nós adoramos cerveja, pensei “vou fazer algo para tomar com uma Erdinger geladinha”.
    Vendo o seu site, eu achei a maravilhosa receita do hummus de manjericão, com o biscoito de azeite, Baba ganoush (esse eu não achei no seu blog) com pão sírio, e uma receita facílima que minha mãe faz (que eu roubei a receita quando fui em casa uma vez) que é suspiro de damasco e cobertura de creme de leite com nozes *-*
    Cara, ela amou! hahaha
    Nunca mais me perguntou se eu tava comendo direito e tal… ela sabe que cozinho bem agr =]
    Aliás, sempre que meus amigos vem em casa, agora eu que faço a pizza, o molho, as sobremesas, e grande parte deles vem do teu blog.
    Conhecer a baunilha de verdade eu já conheço, por que minha mãe já fez receitas com ela… mas eu nunca tive a oportunidade de fazer algo com elas… Se tu me mandar, garanto que vai receber belas fotos com o que eu aprendi a fazer ctg =D

    Bom… acho que é isso(se não tu até cansa de ler ._.)
    Inté, e boa sorte p mim! hahaha

    P.s: esses tempos em Paris, sem postar constantemente me consumiram completamente! Poste mais! hehehehe

  45. Luciana disse

    12 mar 2012, 9:20 pm

    Umas das minhas lembranças mais remotas, é de minha mãe cozinhando. em casa sempre tinha comida caseira, mesmo depois do boom dos alimentos industrializados, ela sempre fazia questão de manter a preparação da comida em casa. o sentimento que eu tenho em relação a isso, e´que ela transmitia ao cozinhar o carinho que ela sentia pela família. cuidar da família com comida, era uma maneira de cuida da alma da gente e isso eu nunca esqueci. realmente ficou na minha alma a sensação de conforto relacionada à culinaria.

  46. Carol Rocha disse

    12 mar 2012, 9:23 pm

    Oi Flavia!!
    Tambem quero ganhar favas de baunilha!! Sou louca por elas e já até fiz um potinho de açúcar com as favas usadas como você ensinou.
    Tenho muitas historias das suas receitsa para contar porque sempre visito o blog pego ideias com você.
    Mas a receita que mais me marcou e que vem sempre na minha cabeça quando o inverno chega é a da sopa de couve flor assada com tahine. Não lembro se voce chegou a postar por aqui mas sou uma grande fã desta sua receita e ela realmente faz muiiito sucesso toda vez que faço aqui em casa!
    Bjos e bjos,
    Carol

  47. Nina disse

    12 mar 2012, 9:28 pm

    O primeiro bolo que fiz com a minha mãe foi um desastre completo. Tinha sete anos e queríamos fazer um bolo de brigadeiro para ao aniversário da minha irmã. Depois de quatro fornadas ruins (um lado mais alto, outro queimado, um cru e outro ressecado), tivemos que recortar os bolos e transformar em um só. Naquela época não foi engraçado, mas hoje rimos quando lembramos desta história. Talvez o trauma tenha me estimulado a fazer bolos e doces…

    beijo

  48. Samira disse

    12 mar 2012, 9:35 pm

    Oi Flávia! É a primeira vez que faço um comentário no teu blog mas, sempre leio seus posts de receitas e viagens. Ah Paris! Que saudades!
    Falando de uma experiência na cozinha, foi com meu pai, eu ainda era uma menina. Minha mãe viajou e ele que raramente cozinhava resolveu fazer um macarrão com tomates meio cozidos e acebolados, bem temperados com azeite. Não me lembro direito como foi feito, mas ficou na minha memória. De vez em quando a gente se lembra e ri. Estava tão bom que nós dois comemos uma travessa inteirinha sozinhos! : ) Também adoraria ganhar as favas de baunilha, ok?
    Bjs

  49. Marina disse

    12 mar 2012, 9:44 pm

    Olá Flavia. Sempre tive vontade de experimentar a baunilha em fava e fazer como mostram na tv, passar a ponta da faca por dentro para retirar as sementinhas. Tomara que eu ganhe.
    Um abraço.

  50. Neto Andrade disse

    12 mar 2012, 9:52 pm

    Fui para Manaus e perdi algo assim D:
    Quero outra chance (:

  51. Roberta Silva disse

    12 mar 2012, 10:04 pm

    Nossa, sempre tive vontade de fazer como os chefs dos programas de tv!
    Espero ganhar o sorteio e seguir umas das suas dicas e depois te contar como foi minha primeira experiência com as favas.
    Bjs
    Roberta

  52. João Pedro Borges disse

    12 mar 2012, 10:31 pm

    Eu amo cozinhar, masse dependesse na minha mãe nunca colocaria os pés na cozinha. Ela não gosta de bagunças e invencionices. Até hoje sempre reclama quando me vê no fogão.

    Eu devo todo o meu interesse e aprendizado a minha avó. Ela que matava minha curiosidade quando era criança e me ensinava a mágica que era transformar vários ingredientes aleatórios em um bolo. Ela que deixava eu quebras os ovos e me divertir jogando coisas na batedeira.

    Depois, na minha adolescia, teve muita paciência me deixando fazer o almoço nos domingos que passava lá. Foi cobaia de muitos pratos que eu inventava quando ainda achava que um prato sofisticado era um que tinha muitos ingredientes (prefiro nem lembrar das misturas e exageros…)

    Hoje ela reclama que eu vou pouco lá e quase não cozinho mais na casa dela. Acho que preciso passar um final de semana lá o quanto antes.

  53. Cristina Gullino disse

    12 mar 2012, 11:16 pm

    Oi Flávia! Apesar de não postar comentários, visito o seu blog diariamente…adoro quando aparecem receitinhas de chocolate!
    Minha paixão pela cozinha começou vendo minha mãe, tias e avó cozinhando…todas mineiras. Meu forte são os doces, adorava ver uma de minhas tias preparando doces, geleias e compotas no fogão a lenha. Uma das minhas paixões é ter um fogão a lenha na minha cozinha…adoro o cheiro de lenha queimada, me faz lembrar daquelas cozinhas maravilhosas de sítios e fazendas.
    Somente ano passado tive o privilégio de ver, cheirar e utilizar uma fava de baunilha e fiquei apaixonada…não consigo mais sobreviver sem elas! Aroma de baunilha artificial nunca mais.
    Bjs

  54. Gabriela disse

    13 mar 2012, 12:02 am

    Oi,quero dizer q adoro suas receitas,principalmente as doces rsrs!!Quando pequena aprendi a cozinhar com minha mãe,ela nos ensinava(a mim e minha irmã)de tudo um pouco principalmente comida mineira!!!Polenta com molho de carne moida estava entre as minhas preferidas!PS:adoraria ganhar essas favas,um abraço Gabriela-SP!

  55. Dricka disse

    13 mar 2012, 12:29 am

    Olá Flavia
    Minha mãe nunca foi muito de cozinha, fazia todas as refeições com amor, mas sempre o básico, não me lembro de ve-la assando um bolo na minha infancia, mesmo porque sendo ela nordestina, o cuscuz era o nosso “bolo”, mas o fato é que apesar de amar o cuscuz nordestino( salgado e com coco em nossa casa) eu sempre me encantei com o aroma do bolo se espalhando pela casa e como meu amor pelas panelas é amor de infancia eu morria de vontade de assar um bolo. Quando eu tinha uns nove anos,a culinarista da moda ainda era a Ofélia e eu amava brincar de imita-la, um dia minha mãe saiu e me deixou com meu irmão que estava assistindo tv e eu muito sorrateiramente escorreguei para a cozinha e fui brincar de Ofélia na cozinha da minha mãe, fiz um bolo assado na boca do fogão porque nosso forno estava quebrado e uma bagunça mestre, que só não me rendeu uma boa sova porque meu pai sempre me incentivou a cozinhar, e dai né minha mãe teve que aceitar que mais dias menos dias teria uma cozinheira muito bagunceira para dividir a cozinha.
    Bjs
    P.s.: ainda sou apaixonada pelo aroma de bolo espalhando pela casa e com essas baunilhas ficaria tentador demais.

  56. elisangela gomes carvalho peres disse

    13 mar 2012, 12:30 am

    Oi flavia, quero contar do meu filhote mais velho,arthur de 4 anos, que ha pouco mais d 1 ano ( estava gravida do filhote yuri hj com 8 meses) vem me acompanhando no pouco tempo q temos juntos justamente na cozinha, sempre me perguntando o q vamos cozinhar… Achei o maximo qdo ele, pela 1 vez, subiu na cadeira so p me ver fazendo um um bolo, mais q isso,foi lindo ve-lo todo lambuzado de massa d bolo d chocolate q estávamos fazendo p pai dele… Uma cena q levarei na memoria e no coracao p p resto da vida…beijo grande.

  57. Mariana Campos disse

    13 mar 2012, 12:48 am

    de três filhas mulheres, fui a única que pegou gostou e “herdou” o talento da mãe-melhor-cozinheira-do-mundo :)

  58. Isis disse

    13 mar 2012, 1:26 am

    Desde que descobri esse blog, busco onde comprar favas por todos os lugares que vou (pra provar que não é exagero, faz duas semanas que sonho que to buscando as ditas cujas em algum supermercado, em algum lugar do mundo. Vai entender! :P).

    Aprendi a cozinhar fazendo omelete, aos seis anos - minha mãe sempre disse que era importante aprender a se virar, e nunca deixou a gente (eu e minha irmã), de fora da cozinha… confesso que durante a adolescência sempre tive preguiça, especialmente quando era obrigada a fazer a janta pq a família ia chegar, cansada, tarde da noite.

    Mas desde que saí de casa, e passei a viver com o maridão, me dei conta que cozinha é realmente uma alquimia, que a comida realmente fica diferente, de acordo com o meu humor e envolvimento com aquilo que preparo… o prazer de cozinhar é quase o mesmo prazer de escrever. Aos poucos, me descubro em cada ação, ouso na medida que quero e consigo, invento moda… delícia! :)

  59. fernanda disse

    13 mar 2012, 2:12 am

    oi flavia!

    um prato especial na relação com minha mãe na verdade é uma sobremesa: charlote de chocolate. sempre que ela quer me agradar, me ver alegre, faz o charlote. e é o melhor do mundo :)

    beijo

  60. Laura disse

    13 mar 2012, 9:12 am

    Nossa, eu quero ganhar essas favas! Adoro!
    parabéns pelo seu blog, é um dos meus favoritos e suas receitas são ótimas! bj
    Laura

  61. Renata Habib disse

    13 mar 2012, 9:15 am

    Olá! Adoooro seu blog, implemento várias receitas em casa e viajo com vc para os lugares maravilhosos postados aqui.
    Comento sempre com uma amiga, que tb curte muito seu blog, “Nossa, ela é muito chique!!!” rsrsrs.
    Tomara que as favas venham pra Salvador!
    Beijos

  62. lili disse

    13 mar 2012, 9:17 am

    Quando casei não sabia nem ferver água. Mas a necessidade faz o sapo pular…

  63. Ingrid Felicidade disse

    13 mar 2012, 9:18 am

    Oi Flávia!
    Adorei a ideia e o sorteio =)
    Minha avó é italiana e ela cuidou de mim até os 7h anos, pois meus pais trabalhavam o dia todo! Quase sempre estávamos no fogão. Lembro que eu tinha aquelas batedeiras de brinquedo, onde eu batia a massa e nós assávamos os bolinhos em formas de empada. Depois disso, fiquei um pouco off na adolescência, deve ser a idade, e logo após comecei a cozinhar com minha mãe. A primeira lembrança que eu tenho de muitoo trabalho, foi quando resolvemos fazer ovos de Pascoa trufados e/ou caixas de trufas para a família. Agora, quase sempre, que há festas fazemos todo o cardápio e sempre tentamos melhorar. Compramos um Larousse para cada ;)

    Beijos

  64. Lucy disse

    13 mar 2012, 9:20 am

    Olá Flávia,seu blog é muito bom! Bem, uma experiência engraçada, foi a primeira vez que cozinhei arroz, minha mãe estava doente, então me deu as coordenadas, mas errei em alguma coisa, o óleo ficou super quente, joguei o arroz seco, parecia pipoca estourando. Uma sujeira só! Também, eu tinha dez anos! Beijos.

    Lucy

  65. Mimi Gurgel disse

    13 mar 2012, 9:21 am

    Olá Flavia,
    Não sabia que a Amazônia nos dava fava de baunilha. Claro, pensando bem agora é óbvio para mim pois a floresta é rica em orquídeas. Obrigada pela informação e pelo seu gesto. Boa sorte e parabéns pelo blog.

  66. Luisa disse

    13 mar 2012, 9:23 am

    Oi Flávia.

    As suas receitas são ótimas. É engraçado essa coisa de “mãe” ensinando a cozinhar. a minha por mais velha que eu seja, fica em torno de mim observando tudo e querendo corrigir. E muitas vezes a errada é ela…. Eu sou muito boa com doces, massas, saladas e invenções de última hora . Mas reconheço que os cozidos, assados e refogados da minha Mãe são imbatíveis. Esses momentos passados a juntas na preparação do alimento são lembranças pra vida toda. Beijos.
    P.S. Quero muito ganhas essas favas de baunilha!!!!!!!!!!!!!!!!

  67. Simone Finzi Corat disse

    13 mar 2012, 9:24 am

    Gostaria de ter tido interesse em cozinha qundo morava com minha mâe, mas outros interesses da adolescêcia não permititram. Seus filhos tem sorte de você estimulá-los!
    Também gostaria de ganhar as favas!!!

  68. ELAINE LUNARDI disse

    13 mar 2012, 9:30 am

    OI,

    GOSTARIA MUITO DE GANHAR AS FAVAS, EU NÃO CONSIGO ENCONTRAR AQUI NA MINHA CIDADE.
    BJ

  69. Vanisa disse

    13 mar 2012, 9:30 am

    Tenho quase 30 anos, mas meu pai ainda corta a carne para mim nos almoços de domingo. Considero um carinho dele, e posso ter 80 anos que não vou pegar a carne sozinha com ele por perto rsrsrs
    adoraria conhecer favas
    bjs

  70. Caroline Scherer disse

    13 mar 2012, 9:34 am

    Olá Flávia!
    adoraria ganhar as favos, sem dúvida hehehheheheh
    bem, minha história, não é bem uma história, mas são lembranças da minha infância…… desde pequena sempre tive que ajudar meus pais na cozinha (cozinhar, lavar louças, etc….) e isto sempre me faz lembrar da comida feita no fogão a lenha, pois meus pais moram pra fora (como dizem aqui no sul…..), eu mal conseguia ver o que havia dentro das panelas, mas eu estava sempre na volta, sentindo cheiros, aromas e tentando ver o que teríamos para almoçar, jantar…..

    e claro, não poderia deixar de mencionar que gosto muito do teu blog, sempre estou de olho……
    bjos, Carol

  71. Nancy Carolina Peris disse

    13 mar 2012, 9:37 am

    Flávia, seu blog é mto legal!
    Amo cozinhar, e adoraria ganhar as favas para poder testar!
    Bjs

  72. Beatriz Jardim disse

    13 mar 2012, 9:44 am

    Minha filha Julia tem 4 anos e desde seus 6 meses, eu deixo que ela pegue nos alimentos. Claro que com restrições relacionadas a cada fase…
    Sempre foi muito curiosa e interessada em tudo que eu faço na cozinha. E eu amo cozinhar!
    Quando estamos em casa, planejamos sempre alguma coisa nova para fazer na cozinha. Ela faz questão de participar em todas as etapas de tudo o que preparo e já é capaz de algumas vezes separar as gemas dos ovos que vamos usar nas receitas.
    As nossas investidas na cozinha já deram tanto o que falar entre as mães dos amiguinhos dela, que foi pensando em difundir essa idéia e de uma interação mais saudável entre as crianças e os alimentos que eu abri o blog http://www.criancagourmet.com onde publico fotos e receitas.
    Gostaríamos muito de ganhar as favas e colocar a mão na massa para fazermos um legítimo sorvete de baunilha, creme brulée, etc…

  73. Ana Paula Lazzarotto disse

    13 mar 2012, 9:45 am

    Olá Flávia

    Acompanho de perto o teu blog e o acho muito show! Gostaria de ganhar as favas…vamos ver se dá! Abraços.

  74. Fabiana disse

    13 mar 2012, 9:45 am

    Oi Flávia, adoro seu blog! Quero ganhar as favas!!!!!
    Sou iniciante na culinária, praticamente sei o trivial (o básico), mas tenho curiosidade na cozinha, desde criança.
    Aprendi fazer um gratinado de bacalhau, hoje o meu predileto!
    Pelo que entendi é para eu postar aqui, então segue a receita.
    Doura a cebola(4) no azeite (bastante), depois acrescenta o baca (1 kg) desfiado e desalgado, deixa dourar, vai colocando batatas (1 kg) cozidas em cubos, ao dente, salsinha picada ou coentro (2 maços), azeitonas em pedaços (da verde ou roxa, já fiz com as duas, 1 vidro grande) e creme de leite (4). Mexe bem, acrescenta mais azeite e depois coloca em uma travessa, povilha queijo ralado e leva ao forno (prefiro sem gratinar, fica ainda mais saudável). É mais ou menos essa quantidade, aos poucos vai provando e aprovando… É uma delícia!!!!!!!
    Abração,
    Até +
    Fabiana Arantes

  75. Maci Nogueira disse

    13 mar 2012, 9:56 am

    Flávia, costumo dizer aos meus filhos que música e cheiro compõem a “máquina do tempo”. Da pizzaria em frente à casa onde morei, vinha o cheiro que me remetia ao fogão caipira da minha avó, de onde também exalava um doce e apetitoso perfume do bolo ainda quente. Eram as especiarias, que eu aprendi a apreciar. Uma delas, a baunilha, se fez sempre presente, porque era ingrediente da maioria dos quitutes. Minha avó fazia um “amarrado” com as favas e pendurava no armário. Baunilha passou a ter, para mim, o mesmo significado que um carinho tem. Sucesso e um grande abraço. Maci

  76. Beta disse

    13 mar 2012, 10:03 am

    Flavia, meu filho tem 3 anos e adora “ajudar” na cozinha, sempre que o tempo permite, procuro envolvê-lo no processo. A primeira coisa que fizemos foi bolo de cenoura. Na escolinha ele também gosta das aulas de culinária, vamos ver se esse gosto dura até a adolescencia !

    Beijos

  77. Magda disse

    13 mar 2012, 10:04 am

    Oi Flávia,
    Descobri seu blog há um ano, mais ou menos. Realmente o título foi muito bem escolhido. Experiências com comidas na família, tenho muitas. Fui criada por uma tia e o meu amor pela cozinha veio com a irmã da minha tia que me ensinou o meu primeiro bolo quando eu tinha 11 anos de idade. Adorava observá-la cozinhar, pois sempre foi muito caprichosa e tudo tinha que estar perfeito (pedaços de legumes simétricos, tudo mt limpinho e gostoso). Depois que me casei, tive três filhos (meninos) e o mais velho gosta muuuiito de cozinhar. Está pensando até em fazer gastronomia! Ó que legal! Já fizemas algumas receitas do seu blog (o bolo perfeito de chocolate, um bolo pra chamar de seu, bolo pudim de chocolate, cookies, etc) Já viu que amamos chocolate né? Adoro quando meu filhote vai pra cozinha, a namorada ajuda, eu ajudo e a família toda reunida faz a farra degustando as receitas. Mt obrigada por partilhar conosco seus conhecimentos e nos proporcionar momentos tão gostosos. Abraços,

  78. Paula Salomão disse

    13 mar 2012, 10:09 am

    Bom dia!!
    olha como as coisas são engraçadas! eu comprei umas favas de baunilha e estou aqui lutando para descobrir a melhor forma de conservá-las quando recebo esse maravilhoso post!!
    Tem como você me mandar um emais mais detalhado sobre as formas de conservação das favas, quanto tempo elas duram, como posso utilizar cada tipo, qual o melhor recipiente para colocar e como devo condicioná-las (tipo, luz, temperatura, humidade) essas coisas? Muita coisa?? eu ficaria eternamente agradecida por essa!

    e ai, quando eu ganhar mais favinhas, vou poder fazer tudo direitinho!!!

    minha história tem a ver comigo mesma…
    minha mãe sempre cozinhou divinamente, por isso nunca tive muito espaço que nao fosse de ajudante de cozinha ou pra dar aquela mãozinha nos doces… quando comecei a namorar há 3 anos, nós nos envolvemos num hábito bem saudável (pra vida e pro namoro), de cozinhar as refeiçoes mais especiais juntos, ao invez de passar esses momentos gastando rios de dinheiro em restaurantes caros e nem sempre tao especiais… assim fui me envolvendo com a cozinha, comprei livros, comecei a conhecer blogs, criei meu proprio, e hoje compartilho, com minha mãe, que sempre foi e sempre será uma inspiração na cozinha, todos os momentos e receitas boas que faço com meu amor.

    parabens pelo blog!!!
    sempre lindo e delicioso!

  79. Renata Prazeres disse

    13 mar 2012, 10:10 am

    Olá… eu ADORO favas… é tão difícil voltar a usar essencias depois que a gente acostuma a usar a fava natural!
    Adorei o post! e adorei conhecer o blog!
    bjs
    Renata

  80. Isadora Salomão disse

    13 mar 2012, 10:11 am

    Não acredito!!! Quando vi no Face as favas ia pedir uma, mas achei muita cara de pau!!! Eu quero, Flavia!!!

  81. Renata disse

    13 mar 2012, 10:16 am

    Minha experiência culinária mais marcante com meus pais não tem a ver com pratos elaborados, mas sim com um hábito muito gostoso: comer com a mão. Quando éramos (eu e minha irmã) crianças, tinha sempre um dia da semana em que meus pais “faziam capitão” pra gente, ou seja, faziam bolinhos de comida com a mão (geralmente misturando arroz, feijão, carne moída e farofa) pra gente comer. Depois de mais grandinhas, nós mesmas fazíamos nossos bolinhos com as mãos também. Essa lembrança de momento em família e descontração é muito cara pra mim. Até hoje gosto de comer com as mãos! Acho legal também a relação com tradições alimentares dos índios e dos árabes, que têm tudo a ver com a cultura sincrética brasileira.

  82. Regina Célia S. Frederico Secol disse

    13 mar 2012, 10:22 am

    Oi Flavia, adorei as dicas do uso da baunilha e gostaria muito de participar do sorteio, uma das experiências mais marcantes da minha vida na cozinha e que mudou minha vida foi que sempre assistia e participava (untando a forma) quando minha mãe ia fazer bolos, adorava principalmente quando era os aniversários, a festa para mim começava um dia antes. Morávamos em Goiás e
    lá o costume era diferente, bolo de aniversário era só pra fotos, depois do parabéns o bolo ia pra cima da geladeira para depois ser comido pela família e amigos muito íntimos,(um horror), mas um certo dia minha mãe ficou doente e era aniversário do filho da vizinha, eu só tinha 12 anos, e ela pediu para minha mãe fazer o bolo, mas no estado que ela estava não daria pra fazer, a vizinha ficou chateada, e ai eu assumi o compromisso de fazer, e fiz sozinha, foi um sucesso e senti total segurança dai pra frente, minha mãe ficou tão feliz em ver que eu sabia mais que untar formas, que me passou a responsabilidade de fazer sempre os bolos de aniversários da família, e ela passou a untar a forma (kkkkkk….), e até hoje a missão é minha e depois de tantos anos, agora faço bolos deliciosos para vender.
    Beijos e adoro seu site. Regina Frederico

  83. Fabiane Costa disse

    13 mar 2012, 10:28 am

    hum que delicia!! minha lembrança mais gostosa de infancia é dos meus avós fazendo um tipo de ometete com muitos tomates, bem molinho… nao lembro o nome, mas era tao gostoso… Nós todos sentavamos à mesa e cada um pegava seu paozinho fresco, e molhava naquela mistura. Uma coisa tao barata, tao facil, e me lembro ate hoje, com muito carinho… ate sinto o gosto daqueles dias

  84. Angela Lemos disse

    13 mar 2012, 10:32 am

    EU PRECISO ganhar, ó meu São Benedito!!!
    Tenho a maior vontade de provar isso, so conheço o extrato.
    Também morro de vontade de provar trufa. Se eu ganhar vai ser a realização de um desejo..

    angela
    angelaescritora@gmail.com
    Itamonte, MG

  85. leila disse

    13 mar 2012, 10:33 am

    favas uhuuuu!!!!

  86. Flavia Tunes disse

    13 mar 2012, 10:33 am

    Engraçado… lá em casa é o contrário. Minha adolescente já faz suas incursões na cozinha e meu adolescente só sabe aproveitar delas!Quanto ao sorteio, coloca meu nome aí!!!!!! Obrigada!
    Flávia Tunes

  87. Ana Caroline de Medeiros Espíndola disse

    13 mar 2012, 10:44 am

    Oi Flávia, adoro seu site e já fiz várias de suas receitas aquí em casa. Ah! Também quero as favaaaas hehe.

  88. Juliana Finoti disse

    13 mar 2012, 10:45 am

    Oi Flávia, adoro seu site e sempre fazemos muitas receitas juntos.
    Meu filho é meu pequeno cozinheiro, e agora tem aulas de culinária na escola, os pais são convidados a ir ensinar lá…fazemos sempre receitas juntos, e amamos cupcakes, vejo suas receitas, receitas no You tube, e decidi que faria cupcakes de coelho da Páscoa, semana passada fui fazer um breve cursinho, e a Profª ensinou um, e outro tinhamos que criar, portanto usei a imaginação, lembrei do youtube, e criei… Quando cheguei em casa ganhei o maior prêmio do mundo, quando mostrei meus coelhos meu filho disse: Mãe, você quem fez? Parabéns estão muito lindos, você vai ensinar na escola para mim e meus amigos? Isto me inspirou de tal maneira e me deixou tão orgulhosa de mim mesma, por que não há nada mais sincero que um criança. No dia seguinte sairam até os famosos Red Velvet Cupcakes… é por isso que quero ganhar as baunilhas quero levar na escola e mostrar as crianças oq é uma baunilha… enorne abraço… Juliana

  89. Claudia Czapski disse

    13 mar 2012, 10:52 am

    Em geral são os pais que cozinham para os filhos, mas aqui em casa é o contrário. Eu sou apaixonada por doces e sempre faço alguma coisa, testo receitas novas, invento, repito, inovo… aí minha mãe sempre aparece na cozinha na hora de experimentar. outro dia estava eu fazendo a maior meleca tentando confeitar uns cupcakes de chocolate com brigadeiro de paçoca e em evz de ela me ajudar, ela veio, pediu se podia experimentar um, comeu e foi embora!! Cara de pau!! hehe

  90. Samanta disse

    13 mar 2012, 10:54 am

    Oi, Flávia!
    Acho que as experiências gastronômicas na infância são as mais marcantes, carregadas de emoções próprias da época. Meu pai era da Valença, uma cidade do interior da Bahia e a mãe dele, D. Antonina, era uma cozinheira de mão cheia. Nos finais de semana íamos visitá-la e quando chegávamos de viagem, a hora que fosse, sempre tinha algo muito gostoso nos esperando. Um dos pratos mais marcantes para mim, apesar de extremamente simples, era um peixe escaldado com legumes e pirão, típico da região cercada de praias. Esse escaldado era feito em poucos minutos, com peixe fresquíssimo pescado no dia, temperos e legumes tirados do seu quintal e até hoje eu não consigo reproduzir os cheiros e sabores daquele prato ou encontrar alguém que o faça tão bem… Como se não bastasse ela ainda tinha sempre à mão uma variedade de doces caseiros como cocadas e compotas de frutas. Para as crianças, uma tia do meu pai que morava perto, D. Carmen, fazia mini biscoitinhos de nata do tamanho de caroços de feijão que eu não esqueço, mas estes eu nem tento fazer!
    Um grande abraço, parabéns pelo site e pela idéia do sorteio (estou torcendo para ganhar estas favas!), adorei ler os comentários!

  91. Lúcia Miranda disse

    13 mar 2012, 11:04 am

    Flávia,
    Acompanho seu blog há muito tempo, mas nunca postei… Mas com esse “incentivo”, não há timidez que resista!

    Não tenho muita história para contar, só que minha mãe, italiana, cozinhava divinamente e meu pai, mineiro, era o encarregado de fazer o bolo, as “quitandas” e a sobremesa do domingo (ele tinhaa trabalhado em padaria quando jovem e eu herdei seu caderno de receitas…). Todos lá em casa gostavam de cozinhar.

    Agradeço se me incluir no sorteio.

    Beijos.

  92. Marluce Leite dos Santos disse

    13 mar 2012, 11:13 am

    Oieeeeee Flávia,que preciosidade né?Minha filha até hj (com 18 anos) ama e pede o tempo todo pra eu fazer sequilhos com ela! Daí eu enrolo uns dias e depois fazemos juntas,passando açúcar cristal por cima…hum delícia! Bjo grande e obrigada pelo sua generosidade!

  93. Deborah M Salaroli disse

    13 mar 2012, 11:14 am

    Flávia
    Encontrar favas de baunilha por aqui é uma epopéia… Impo´ssivel.
    Agora, num sorteio, adoraria ganhar, é claro!
    Meus filhos moram fora, então sempre preparo um almoço especial de domingo com toda família reunida para botar o papo em dia… Depois da refeição, eles encostam o umbigo na pia e resolvem me ajudar na limpeza da louça, e a conversa rola deliciosamente…
    Bjs

  94. Suzana Bastos disse

    13 mar 2012, 11:23 am

    Gostaria de participar do sorteio das favas
    Adoro suas receitas
    Abraços
    Suzana

  95. Denise disse

    13 mar 2012, 11:24 am

    Falar de receita, pais e filhos, é lembrar da torta de frango da minha mãe, se existe recita e memória afetiva esse é o resultado rs
    Desde que me entendo por gente, minha mãe faz torta de frango, já virou história de família!

    beijo

  96. Maria Anunciata disse

    13 mar 2012, 11:39 am

    Oi Flávia,
    Minha filha ê um pouco preguiçosa pra cozinhar. Porém sabe das coisas boas e já aprendeu um pouquinho comigo, pois adoro cozinhar. Acho que errei quando desde pequena não a incentivei a aprender a botar a mão na massa. O que está me fazendo mais feliz é que minha neta com 3 anos já pede para ir pra cozinha comigo pra me ajudar. Entao ela puxa uma cadeira e coloca perto de mim. Já sabe até quebrar um ovo . Tenho certeza que ela vai aproveitar bem meus cadernos de receita.
    Em tempo quero dizer que adoro quando vc fala de suas viajens e as relaciona com as comidas. “viajo” com vc.

  97. Gabriela Greis disse

    13 mar 2012, 11:41 am

    A minha mãe adora de cozinhar, o estilo dela é uma cozinha caseira bem simples mas bem temperada e caprichosa. Ela me ensinou a fazer um macarrão (fusili ou penne ficam melhores) com muita abobrinha em cubinhos refogada com cebola, alho e os temperinhos que tiver à mão. É um prato simples mas fica tão bom! E as vezes eu faço pro meu marido, que é cozinheiro de mão cheia mas nunca tinha dado bola pra abobriinha, mas quando provou adorou!
    Adoraria ganhar essa baunilha, eu não sabia que tinha no México e região amazônica, só ouço falar das favas de Madagascar!
    Abraço,

  98. Paula Campos disse

    13 mar 2012, 11:44 am

    Oi Flávia estou sempre atenta ao seu blog, suas dicas idéias, vc realmente entende muuuuuuuuuito.

    Tenho muitas histórias que gostaria de contar já que adoro cozinhar só não faço mais pela falta de tempo mas essa é inesquecível.

    Jantar na minha casa
    Cardápio: Pão australiano ,Costelinha de porco ao molho barbecue, Petisco de macarrão frito e de sobremesa um bolo de chifon de chocolate.

    Todo mundo comendo bastante, elogiando a comida e minha cunhada fala o seguinte, Adoro e odeio vir a sua casa - como assim - sua comida é muito boa mas sempre que volto me sinto obrigada a cozinhar algo pro marido pra provar que também sei um pouquinho.

    Todo mundo caiu na risada claro e a comilança continuou noite afora!!!!

  99. Ana T. disse

    13 mar 2012, 11:46 am

    Seria um sonho ganhar… eu quero… Sou sua fã!!

    bjs,
    Ana

  100. Andréa Cabral de Oliveira disse

    13 mar 2012, 11:47 am

    Olá,
    Adoro cozinhar.
    Na infância via meu padrasto cozinhando e adorava ver ele cortando os temperos na tábua, hoje só faço dessa forma.
    Ele preparava um frango com espaguete que era de comer rezando.
    Adoraria ganhar essa MARAVILHA.
    Beijo Grande!!!

    Andréa Cabral de Oliveira
    andreacabral2007@gmail.com
    Rio de Janeiro - RJ

  101. Flora disse

    13 mar 2012, 11:53 am

    Tb quero!

    Acho que a maior nostalgia familiar, de uma família que só funciona em volta de uma mesa com bastante comida, é virar panquecas com o meu pai no domingo de manhã. Quanto mais fininhas e transparentes melhor.

    Café da manhã de domingo, com mel, geléia e ovo mexido no pão.
    Que delícia!

    Beijos Flávia!

  102. isadora adler sidi disse

    13 mar 2012, 11:58 am

    Minhas experiências na cozinha ocorrem praticamente todo dia…agora com menos frequência por causa do trabalho.
    Mas o que posso te afirmar que meu amor pela cozinha é genético já que minha mãe também era uma mestre-cuca! Hoje em dia, com as três filhas na cozinha, ela frequenta bem pouco este espaço da casa. E todo o meu prazer em cozinhar, trabalhar massas, fazer bolos e doces poderia ser traduzido neste blog que eu criei para contar minhas aventuras: http://deliciasdaisa.blogspot.com/

  103. Suzana Arruda Cordts disse

    13 mar 2012, 12:02 pm

    Flavia,

    Não é exatamente um comentário e sim um relato. Minha mãe sempre gostou muito das minhas panquecas de carne. Quando eu ainda era solteira e morava com ela sempre fazia as panquecas para alegrá-la… Em 2011 minha mãe estava doente, diagnosticada com câncer de mama e metástase no fígado e a doença se encontrava em um estágio bem avançado onde ela já estava sofrendo para ingerir alimentos sólidos. Lembro que a última vez que fiz as panquecas para ela foi um dia que faltei no meu trabalho para passar o dia com ela. E ela me pediu para fazer as panquecas para ela. Fiquei super feliz e fui para a cozinha prepará-las… Jamais esquecerei a felicidade dela quando coloquei em sua frente um pratinho com duas panquecas de carne. Ela não conseguiu comer todas devido a difícil ingestão de sólidos decorrente do câncer. Mas a expressão de felicidade dela foi impagável… No mês seguinte minha mãe faleceu, mas poder ter realizado um pedido gastrônomico para a minha mãezinha foi demais… Demais mesmo… Essa sim foi uma experiência emocionante para mim. Justamente porque a receita de panqueca é da minha mãe… Foi a minha avó, mãe da minha mãe que passou essa receita para ela e posteriormente ela passou para mim. E assim será com os meus filhotes…

    Beijos,

    Suzana

  104. Eloisa Vidal Rosas disse

    13 mar 2012, 12:22 pm

    Uiii!!! Fiquei até arrepiada com a visão do maço de favas de baunilha! Eu também faço meu extrato… Aprendi a cozinhar com minha vó espanhola, o que já me rendeu dois prêmios - um das facas Tramontina e outro do blog Sal de Bolinha, um kit da Cocinero. Também acho fundamental saber cozinhar, nem que seja para sobreviver. Uma pessoa tem que saber cozinhar seu alimento, não é? Ensinei os rudimentos aos meus três filhos homens, sendo que o mais novo se aventura com frequência na cozinha para a família, com bons resultados. Agora são os (sete!) netos que começam a se interessar… não só as meninas, mas também os meninos são recrutados para a cozinha quando estamos juntos.
    Eu quero, MUITO, ganhar umas favas maravilhosas… se bem que me dou melhor em concurso que em sorteio! Mas já está divertido participar. Um beijo, Flávia, obrigada.

  105. Alberto Mattos disse

    13 mar 2012, 12:38 pm

    Olá Flavia

    Adoro cozinhar! Gosto de reinterpretar os pratos e doces que minha mãe fazia, e observar o uso desses ingredientes que dão alma as receitas: o cravo, a canela, a baunila - as favas nunca tive a sorte de usar! Tenho experimentado fazer o pastel de belém, um doce maravilhoso que minha mãe fazia em ocasiões especiais. Quero muito experimentar a fava de baunila nessa receita…e chegar mais perto da alegria que era degustar esse doce em familia!

    Parabéns pela iniciativa,

    Abs,

    Alberto Mattos

  106. simone disse

    13 mar 2012, 12:56 pm

    Adoraria ser sorteada!!!bjs e parabéns pelo blog

  107. Air disse

    13 mar 2012, 12:57 pm

    Gostaria muito de ganhar as favas, pois gostaria muito de experimentar,

  108. jusssara violante milani disse

    13 mar 2012, 1:19 pm

    Oi Flávia
    Gosto de ver como vc cria suas receitas, c/ tamanha facilidade.Eu aprendi a cozinhar na marra fui morar fora (a idéia eram 3 meses que se tornaram 2 anos)Eu com apenas 21 anos foi estudar inglês.Qdo o $ apertou derrepente me vi numa cozinha industrial,com panelas que dariam uma bela banheira p/ qq criança.Além de tudo a dificuldade da lingua payday e outras coisas que até hoje me fazem rir muito.Bom p/ incurtar fui até cozinheira em navio.Hoje prefiro apreciar o que outros cozinham e me fascina a facilidade e criatividade da nova geração.
    abraços

  109. Suely gomes de araujo disse

    13 mar 2012, 1:27 pm

    Flávia,

    Adoro curtir e fazer as receitas postadas no seu blog.Cozinhar
    é uma paixão alquímica!!!
    Quem sabe eu seja a ganhadora das favas de baunilha não é
    mesmo?
    Abraços,
    Su

  110. Heloise disse

    13 mar 2012, 1:32 pm

    Oi!
    Esta estoria é minha com três amigas, elas todas novinhas recém saídas da casa da mamãe mas por contingencia de uma ótima oportunidade de trabalho acabaram indo morar em um apartamento funcional com direito a serem pequenas donas de casa e responsável em um dia determinado pela cozinha.Esse arranjo só durou a primeira semana, pois a “Va” não tendo a minima noção me colocou ovos para cozinhar na panela de pressão e foi ver novela ,podem imaginar no que deu era ovo estourado, panela preta um cheiro horrível desse dia em diante cada uma ficou com o que mais gostava de fazer na casa e eu com a cozinha, essa estoria são lembranças que ficam gravadas no coração apesar da bagunça e de muitas risadas e gozações que duram ate hoje.

  111. Natty disse

    13 mar 2012, 1:59 pm

    Comecei a me interessar por cozinha mtooo cedo, meu pai sempre teve restaurante e adorava ficar de butuca pela cozinha!! O primeiro prato que eu fiz sob supervisão de mamis foi um modesto miojo!! De lá pra cá, fiz alguns cursinho e sonhoooo com o dia em que vou largar o direito para viver da gastronomia!

    Ah, e EU QUERO MTOOO AS FAVAS!!!!! rsrsrsrsrs… Moro no interior e aqui elas são um luxooo, quase não acho!

    Bjsss

  112. gracy disse

    13 mar 2012, 2:05 pm

    Obaaaaaaaa, eu tb quero…. amo o site!!!
    Bjosss

  113. SILVIA HELENA FERREIRA FAÇANHA disse

    13 mar 2012, 2:14 pm

    Flávia,
    sou Nordestina e apoixonada por comida típica, mas meu filho (Samuel - 12 anos), adora ovo de codorna cozido e para que ele não coma apenas os ovinhos, ensinei, e ele adora, colocar em cima do ovinho a metade do tomate cereja com pontinhos de maioneses. Resultado o prato fica cheio de cogumelos, ele adora e já sabe fazer. OBS: retira-se as sementes do tomate e corta o fundo do ovo para que ele fique em pé.
    SIlvia

  114. Paula Magnus Priya disse

    13 mar 2012, 2:26 pm

    Uau, as experiências de família na cozinha são muitas. Linkarei alguns posts do meu blog para não deixar meu comentário muito longo. Neles conto minhas histórias…
    Com minhas avó materna tenho a lembrança dos doces portugueses, em especial os merengues (receita aqui: http://aformadeforma.blogspot.com/2010/10/suspiros-da-minha-avo.html).
    Como minha avó paterna as receitas são italianas, fazíamos pãeszinhos em formas diversas, sendo as pombinhas com olhos de feijão as minhas preferidas (receita aqui: http://aformadeforma.blogspot.com/2010/10/pombinhas-da-minha-outra-avo.html)
    Com meu pai aprendi a amar a cozinha e me sentia nutrida com este amor. Ele até escreveu um livro de culinária (falo dele aqui: http://aformadeforma.blogspot.com/2011/04/machao-de-avental-honrando-o-legado-da.html).
    Tios e vida no campo andam juntos, se hoje moro em um sítio e lido com os alimentos na origem, isso nasce da relação que vivi na chácara da minha tia (escrevi aqui: http://aformadeforma.blogspot.com/2010/12/chacara.html).
    Hoje cozinho com os netos. A cozinha é o local das lembranças mais amorosas que tenho. Fazer pães de queijo e biscoitinhos com meus amados é a certeza de dar para eles lembranças tão doces quanto as minhas (neste post, eu e o joão fazendo biscoitos: http://aformadeforma.blogspot.com/2010/12/biscoitos-amanteigados-doces-do-joao.html)
    Muitas histórias mais posso escrever, honrar muitas pessoas amadas… deliciosas lembranças… tanto quanto uma fava de baunilha.
    Carinho!

  115. luciana cerveira disse

    13 mar 2012, 2:38 pm

    NUNCA VI ESSAS FAVAS DE PERTO!!!E A MINHA CHANCE..É AGORA
    BJS

  116. Priscilla Malta disse

    13 mar 2012, 2:42 pm

    Minha mãe sempre adorou cozinhar, desde que eu me entendo por gente me lembro da casa cheia, familia, amigos, e minha mãe na cozinha! Hoje ela é Chef em um restaurante da cidade onde moramos.
    Uma vez, estávamos dando uma festinha em casa, o cardápio era feijoada (nada de pézinho, orelhinha e derivados!!!), eu já estava morrendo de fome e perguntei o que faltava, minha mãe disse que era só fazer o arroz e refogar a couve, mais do que depressa me ofereci para ajudar. E foi aos 7 anos, sob a supervisão da minha mãe, que eu cozinhei no fogão de verdade (adoraaaava meu fogãozinho de brinquedo), desde então adoro cozinhar, preferencialmente doces!!! Adoro as receitas do blog!!!

  117. Ligia disse

    13 mar 2012, 2:48 pm

    Ai que delícia!!!!!!!! Nunca tive uma fava de baunilha!!!! Quero muito ganhar!!!!!

    Bjo

  118. Ana Carolina disse

    13 mar 2012, 2:50 pm

    Oi Flávia,
    Adoro o seu blog, as receitas são incríveis e as dicas de viagem também!
    Seria muito bom ganhar as favas, acabei de me mudar para uma cozinha maior e aumenta a vontade de cozinhar…
    Beijos,
    Carol

  119. Clarice disse

    13 mar 2012, 3:01 pm

    Quero muito essas favas, Flávia!

    Beijo.

  120. erika disse

    13 mar 2012, 3:05 pm

    Não é bem um prato especial, mas uma experiÊncia entre pai e filha! QUando necessito de amêndoas descascadas é meu paizinho que as descasca pra mim! PArece um comentário bobo, mas após o falecimento da minha mãe (há 4 anos) ele é quem me faz cia quando cozinho. Moramos eu, ele e minha irmã e ele teve derrame há 17 anos! QUando minha mãe cozinhava ele sentava na cozinha e lia um livro, todos os dias! Hj, com a correria do dia-a-dia, só cozinho aos finais de semana e ele é o meu maior companheiro - apesar de ser em outra casa, ele senta num puff ao lado da geladeira e ficamos conversando a té o final do preparo. E sempre que vou usar amêndoas descascadas não hesito: Paiê, vem descascar amêndoas pra mim?! Obrigada!! Beijos

  121. carla werkhaizer disse

    13 mar 2012, 3:49 pm

    adooooro receber suas receitas, um pedaço bom do dia:) Tomara que eu ganhe as favas preciosas. Parabéns pelo blog!:)

  122. Claudia disse

    13 mar 2012, 3:57 pm

    Sempre quis, mas nunca encontro pra comprar!
    Agora vou ganhar :D

  123. Isabela disse

    13 mar 2012, 4:10 pm

    Oi Flavia,
    Já que, para entrar no páreo da baunilha, tenho que falar sobre cozinha, resolvi contar sobre a minha experiência com a minha mais recente aquisição: uma sorveteira da Cuisinart.
    O negócio é o seguinte: tenho um vício muito sério, que me acompanha desde os tempos do mestrado em Cornell (nem quero falar de quanto tempo isso faz), que é o sorvete Cherry Garcia, do Ben & Jerry’s. Quando voltei para o Brasil, trouxe o livro deles de receita (sim, Ben & Jerry’s tem um livro de receitas), mas nunca tinha usado. Acho que evitei esse tempo todo comprar a sorveteira para não ceder à tentação.
    Duas semanas atrás, fortemente influenciada pela nossa conversa no Facebook e essas benditas receitas de sorvete que você posta (junto com as fotos!!!!) no seu site, cheguei em casa com a sorveteira nova. Minha filha — a esta altura também uma fã incondicional do Cherry Garcia, e ansiosíssissima para usar o tal livro de receitas — não sossegou enquanto não fizemos o sorvete. Marina fez questão de bater os ovos, ralar o chocolate, cortar as cerejas e ligar a sorveteira. Nem preciso dizer que limpar não faz parte do programa. Que desgraça: ficou uma delícia! Não ficou idêntico porque não achei a tal das Bing Cherries que a receita pede, mas mesmo usando cerejas ao marasquino, ficou muito parecido. O suficiente para matar as saudades…
    Próxima parada: sorvete de morango. Já comprei os morangos. Só falta a fava de baunilha. ;))))
    Muitos beijos, querida.

  124. ana amelia dias disse

    13 mar 2012, 4:16 pm

    Primeiramente, quero dizer que amo receber suas novidades, tenho 55 anos, amo culinária e por incrivel pareça, nunca peguei numa fava de baunilha, seria uma excelente oportunidade e ao mesmo tempo inesquecivel, obrigada por ser essa pessoa desapegada ao
    dividir com suas fãs os segredinhos da sua culinaria
    Anamelia

  125. Augusta disse

    13 mar 2012, 4:39 pm

    Oi!!
    Adoro seu site e quando entrei hoje aqui e vi essas favas meus olhos já brilharam! Sempre quis ter essas favas! Estou sempre vendo programas de receitas e volta e meia usam essas maravilhas e me dá água na boca!
    Obrigada pela oportunidade e por esse blog delícia!
    Augusta

  126. Valquiria disse

    13 mar 2012, 5:18 pm

    Flavia, que campanha maravilhosa, mais uma vez você compartilhando com seus fiéis leitores as delícias da sua vida! É claro que estou louca pra ganhar essas maravilhosas e “perfumadas” favas, pois é, já consigo sentir o cheiro delas daqui!
    Teria algumas histórias pra contar relacionadas a comida que vivi com meu filhote. Mas desde que conheci seu blog, há uns dois anos, ele virou referência pra nós dois. A cada novidade na cozinha lá em casa (principalmente doces e bolos) ele lança a pergunta: é do Simplesmente Delícia?! E invariavelmente respondo: sim! E ele já fica ansioso pelo resultado. No último Natal passamos na casa da minha família em Minas, e eu decidi que faria a sobremesa - o já tradicional - mousse assado como bolo, e quando lhe contei ele ficou aflito “vai ter que fazer duas receitas né?” o medo de não poder se deliciar (o suficiente pra ele)com a sobremesa dos sonhos em pleno Natal foi grande! Mas é claro que não fui cruel e fiz duas receitas pra toda a família.

    Nessas delícias ele sempre me ajuda na cozinha, o problema ainda está em conseguir convencê-lo a me ajudar nas comidas, digamos, que envolva em seu preparo vegetais e legumes. Para ele o “bolo de mármore com pedacinhos de chocolate” é o preferido! A nossa última investida foi no “perfeito bolo branco”, que aliás foi mais-que-perfeito. Não se entusiasmou muito quando viu, afinal, não levava caldas ou chocolates. Mas isso mudou completamente depois que o bolo enorme e lindo saiu do forno, difícil foi convencê-lo a esperar esfriar. Outro contato com você se deu indiretamente ainda ontem. Estive em Londres e fui ao maravilhoso Ottolengui em Kensington, trouxe para o rebento alguns maravilhosos cookies de chocolate,e ao comê-los ele dizia quase como num sonho “eu amo chocolate”. Claro que contei pra ele que mais uma vez descobri essa delicia graças ao simplesmente delícia!

    Flavia parabéns e obrigada por nos proporcionar experiências simples e deliciosas!

    Um beijo!

  127. Marta Beck disse

    13 mar 2012, 5:29 pm

    Ola Flavia, muito boa tarde:
    desde pequena coleciono receitas e ao me casar com um thecoeslovaco pude aprender muito com ele. Minha sogra cozinhava muito bem mas jamais quis me ensinar alguma coisa que fizesse. Deixou-me de herança um livro com mais de mil receitas, todas em theco, é claro. E ele também faleceu sem que pudesse traduzir algumas delas, o que é uma lástima. E dentre as coisas que ele fazia para nossos filhos e q

  128. Míria Flávia Fortunato Portugal disse

    13 mar 2012, 5:50 pm

    Oi Flávia,
    Também sou Flávia, mas diferentemente de você, sei cozinhar quase nada.Mas, estou aprendendo e seu blog tem me ajudado com algumas receitas.Adoro baunilha e gostaria de ganhar estas favas.
    Abração!
    Míria Flávia

  129. Max disse

    13 mar 2012, 5:59 pm

    Oi Flávia, minha experiência culinária mais marcante com minha mãe foi fazer um doce de leite quando eu era ainda criança, ficou muito bom, mas quase branco de tanto açucar que eu coloquei.

    abraço

  130. Adriana Silva disse

    13 mar 2012, 6:21 pm

    Boa noite
    em primeiro lugar, querida parabeniza-la pelo blog. Amei tudo!
    Em segundo, gostaria imensamente de ganhar as favas, que pra mim são um tesouro
    Um beijo doce e fico no aguardo

  131. Isadora B. disse

    13 mar 2012, 6:32 pm

    Olá Flávia! Muito legal o objeto de sorteio :D
    Favas de baunilha onde moro são muito caras! Ainda não usei em nenhuma receita. Quem sabe com estas terei a primeira oportunidade. Devem fazer toda a diferença!

    Bjs

  132. Valentina Costa disse

    13 mar 2012, 6:45 pm

    Nossa como seu site é incrível! Tudo tão perfeito e bonito! Sou muito sua fã. fiz diversas receitas daqui que foram o maior sucesso. Amo cozinhar desde criança e sem dúvida seu site é pura inspiração!Parabéns!

  133. Magdalena Gonzalez disse

    13 mar 2012, 7:18 pm

    Flávia, minha relação com a comida remete à minha mãe que era exímia cozinheira, de doces e salgados!! Minha casa sempre foi perfumada pelos maravilhosos odores de TUDO que ela fazia. E eu, pequena, acompanhava de relance a tudo que ela fazia, assim, sem necessariamente me deter na cozinha - passava e via fragmentos de ações, mexidas nas panelas, o bolo que saía do forno e era decorado, as massas que ela fazia, os molhos de tomates feitos horas e horas na panela, porque como filha de italianos, dizia que molho de tomates demora horas para ficar pronto! Assim, por eu estar presente volta e meia, observando de viés, foi que tomei gosto por cozinhar, e posso até dizer que tenho noções para preparar pratos, intuição ao combinar temperos. Enfim, as “aulas” eram dadas sem querer, e eu assimilava, também sem querer. Hoje agradeço muito por isso e a memória que tenho dela está associada às maravihas que preparava, aos odores de tudo que fazia, sempre dizendo que não havia segredo nem tempero especial, mas que tudo era feito com AMOR.

  134. Carol disse

    13 mar 2012, 7:23 pm

    Flávia,
    tive muitas boas experiências na cozinha e à mesa com a minha família, mas a mais emocionante relacionada a comida foi após uma ceia de Natal, quando ganhei de uma tia o caderno de receitas da minha Nonna. Adoro folhear o caderno e ver a letrinha caprichada, o nome das amigas e parentes com quem ela aprendeu as receitas, suas observações, as manchinhas nas receitas favoritas; são receitas que contém histórias de uma vida.

    Um beijo,
    Carol

  135. Lucy M. dos Santos disse

    13 mar 2012, 7:44 pm

    Oi Flávia,
    Adoro fuxicar seu site. Sua salada de manga com tomates e cebola roxa é a minha sensação do momento. Sucesso total por onda passa, é o “prato” para casa dos amigos e família.
    Minha história na cozinha vem de longa data, mas por muito tempo foi inconstante. Com a chegada dos filhos -e lá se vão bons anos - ela se estabeleceu. Algumas vezes foram lembranças engraçadamente tristes. Como na vez que salguei de modo absurdo uma simples lasanha, tudo porque me vi sem cebola e alho e resolvi compensar com tempero pronto de alho!!! Já viu né? Umas duas colheres de sopa bem cheias e transformei a noite numa mina de sal!
    Com o aniversário deles me especializei em bolos, desses simples, caseiros e saborosos. Uma vez ouvi no meio da cantoria do parabéns: “Oba! É o bolo da mãe da Laura!” Foi o meu prêmio! O próximo quem sabe será de devidamente temperado com favas de baunilha!
    Beijos
    Lucy

  136. Camila Vieira disse

    13 mar 2012, 8:31 pm

    Sempre adorei cozinhar e minha maior inspiração foi meu pai. Nas festas de fim de ano ele faz um pernil incrível, com vinho tinto, cenoura, orégano entre outros excelentes ingredientes. Tudo se harmoniza na panela como nessa época que a família está reunida. Hoje estudo Gastronomia e faço outros cursos de apoio nessa área e sinto que esse prato maravilhoso que meu pai sempre faz, tem grande contribuição para a escolha da minha profissão. De fato, uma experiência que mudou o curso da minha vida.

  137. meire disse

    13 mar 2012, 8:43 pm

    Essas favas me trazem boas lembrancas de Okinawa. Foi num parque que vi que elas (qual seria o termo correto?)”brotam” das orquideas. Imagino a Amazonia repleta de orquideas perfumadas…

    abs
    Meire

  138. Dilma Almeida Figueiredo disse

    13 mar 2012, 9:13 pm

    Ola Flavia!

    Já tentamos plantar a baunilha aqui em casa, floresceu mais infelizmente não conseguimos polinizar as flores. Gostaria muito de ganhar este belo presente justamente no dia do meu aniversário 20 de marco.
    um abraco,
    Dilma

  139. andrea japiassu disse

    13 mar 2012, 9:25 pm

    OMG! esas favas são tuuudo de bom e que eu preciso. Tambem tenho dificuldades pra introduzir minha filha no mundo maravilhoso da culinária. alguma dica???? que tal um post sobre isso?

    obrigada,
    Andréa

  140. vaner pinheiro disse

    13 mar 2012, 10:07 pm

    Flávia,

    Cozinhar ,aos 6 anos era uma necessidade.Fazer o arroz era minha responsabilidade.Hoje, cozinho por puro prazer!!!!E seu blog me inspira nesta minha diversão.Obrigada.
    Um grande abraço

  141. roberta queiroga disse

    13 mar 2012, 10:46 pm

    Olá,
    Sempre visito o seu blog e essas visitas têm colocado mais sabor na minha vida. Obrigada.
    Minha familia sempre foi muito pobre, mas as lembranças da minha infancia são as melhores pois sentíamos o empenho de meus pais em nos dar o melhor dentro de suas possibilidades. Dentre todas as lembranças a que mais me emociona é de nós todos ( pai e meus irmãos) ao redor da mesa e meu pai picando em partes iguais um pedaço de uma suculenta linguiça de porco, depois espetando um palito comprido em cada uma nos levava para a beira do fogão a lenha e ali contando historias da sua infancia meu pai nos entretinha enquanto assávamos nossa linguiça no fogo. Quarenta anos depois ainda sinto o conforto e o carindo desse momento. Nunca mais encontrei uma linguiça com aquele sabor. Não tenho mais a presença física do meu pai pois o seu tempo aqui terminou há dois anos, mas essas lembranças me confortam e me fazem areditar ser sagrado o momemto de dividir o alimento com sua familia.
    Com carinho,
    ROBERTA

  142. Fernanda Mengarda disse

    13 mar 2012, 11:35 pm

    Ola, sempre vejo as suas novidades, e sempre me fascino mais pela felicidade que os doces trazem. Com a baunilha, que traz esse sabor agradavel e delicioso(em qqr prato), nao é diferente. Minha paixao por confeitaria nasceu desse sabor. E minha vontade de fazer as pessoas felizes provando dele cresce cada vez que o saboreio, e é impossivel nao ficar feliz sentindo esse sabor.

    Bjinho
    Fernanda

  143. Tatiana disse

    13 mar 2012, 11:37 pm

    Com minha mãe, aprendi desde pequena que um bolo batido em casa é ouro.
    Que as tardes de calor no Rio são mais bucólicas e felizes com uma bela chicara de café e um quitute fresquinho.
    Com minha Vó aprendi o valor de uma horta nos fundos do quintal, do quiabo fresco, da couve miuda “afogada”.
    Com meu pai, aprendi o valor de um bom pastel de buteco e da delícia de tomar café na padaria.
    Hoje, com meus filhos, bato bolo em casa, tenho meu jargão “preciso de um cafezinho!” e sigo, mostrando a eles o quanto fui feliz, vendo meus pais cozinharem e comerem.

  144. Paula disse

    13 mar 2012, 11:51 pm

    Eu tive a breve presença de minha avó, mas como ela teve minha mãe muito tarde e ela também me teve muito tarde, não pude aproveitar a fase cozinheira da Omama (vovó em alemão), mas minha mãe, que infelizmente não gosta de cozinhar, ao ver o seu site, com tantas ilustrações, me falou: Ah, a Omama iria gostar tanto destas modernidades de fotos, facilidade de acesso, variedades de receitas (hoje ela teria 114 anos).
    Gostaria de parabenizar o seu site, pois olho diariamente se você postou alguma bela receita. Curto com os olhos!! bj

  145. Camila disse

    14 mar 2012, 6:48 am

    Olá Flávia,simplismente amo seu site suas dicas,receitas e as historias de viagem então nem se fale…A-D-O-R-O!!!Sou uma amante da culinária assim como vc e tenho uma paixão especial por especiarias e a baunilha é tudo de bom se eu ganhar vai vir em boa hora tenho q fazer um bolinho de aniversário para minha Vó que completará 89 em abril vai ser um luxo só poder usar a baunilha no bolinho dela!!!
    bjos
    Camila

  146. Laís F. disse

    14 mar 2012, 8:04 am

    Ebaaa eu quero! Aqui na minha cidade não tem favas!

    Beijinhos :)

    laisferrari_@hotmail.com

  147. jeanette pires disse

    14 mar 2012, 8:15 am

    Olá Flávia,

    As minhas melhores lembranças são quando na cozinha com o meu filho Steven, tinha a oportunidade de o chamar para me auxiliar com um bolo, claro que não era grande a sua ajuda, mas o prazer de o ver ali a esforçar-se e depois deliciar-se com aqueles momentos de “fui eu que ajudei a mamã a fazer” tem um aroma e sabor suave como o da baunilha.

    Gostei muito do seu blog, parabéns!

    Bj*

  148. Maria Roseli Moreira disse

    14 mar 2012, 8:24 am

    Bom dia querida, vou amar ganhar as favas pois não conheço de perto, srsrrsrs.
    Bom minha adolecente, sempre fugiu da cozinha, tinha medo até de riscar um fosforo, srsrs, mas sempre encorajai ela, apesar de sermos bem diferentes, mas acho que meu jeito rapido de ser, afugentou ela da cozinha, pois sou eletrica, faço tudo rapido, e ela é bem detalhista, dai tirei um tempo, para ela aprender, e de ver ela cortando batatas quase com um medidor do lado, to aumentando, mas as batatas quase que tem que ficar todas do mesmo tamanho, imagina, minha agonia, mas hoje, ela é uma cozinheira de tirar o chapeu!!!
    Tenha paciencia querida, e voce vera sua filha florecer, tambem na cozinha!!
    Grande abraço de sua admiradora!!
    Rose

  149. Daniela Kodaira disse

    14 mar 2012, 8:41 am

    Oi Flávia,
    nunca ganho nada nesses sorteios, mas amo seu blog e favas de baunilha, hehe.
    A primeira coisa que vem na minha cabeça sobre alguma estória é de minha filha Helena, agora com 1 aninho e 8 meses, passando na frente do forno, colocando a mãozinha na porta e dizendo: “Mamãe, não quente, não fez bolo?”… acho que é pra isso que a gente tem filho (e faz outros), pra ter esses momentos mágicos no dia da gente. Beijo grande e obrigada por compartilhar esse presente do seu pai com a gente.

  150. Christian Huygens disse

    14 mar 2012, 10:49 am

    Bacana. Não sabia que se produzia baunilha aqui perto (sou do RN), pq é muito difícil de se achar para vender por aqui. Só encontro pela Companhia das Ervas, mas são os olhos da cara. +_+
    Abraço.

  151. Rosa Ebee disse

    14 mar 2012, 11:31 am

    Com o auxilio luxuoso dessas favas, a minha cozinha ficou “Simplesmente Delicia”

  152. Ana Carol Crocks disse

    14 mar 2012, 12:08 pm

    Eu amaria ganhar essas favas!!! Ainda não tive oportunidade de utilizar baunilha de verdade nas minhas experiências culinárias e, com certeza, as receitinhas que pego aqui ficarão simplesmente deliciosas se eu for a felizarda!!!
    Lembro do meu início na cozinha quando ainda era pequenininha e minha mãe deixava eu e minha irmã brincarmos com as colheres de pau e com as panelas que ficavam embaixo da pia enquanto ela cozinhava pra gente. Era muito divertido!!!!
    Beijos

  153. Rosana disse

    14 mar 2012, 12:21 pm

    Olá!
    Que favas lindas, nunca conheci pessoalmente essa maravilha!
    Obrigado por deixar-me participar desse sorteio e parabéns por este lindo site!!!
    Muita luz a você e sua linda família!!!!

  154. Lorenna disse

    14 mar 2012, 12:45 pm

    Saí de casa com 17 anos de idade para estudar em uma cidade maior. Tenho 21 e ainda estou no meu último ano de faculdade.
    Amo cozinhar, Flávia, e mais ainda, amo o tempero tão especial da minha mãe… Aperta o coração saber que aos domingos tenho que me virar, enquanto todos estão almoçando na casa dos meus pais…
    Em casa temos o costume de fazer as refeições juntos, e não tem prato que personifica mais a minha mãe, do que frango caipira que só ela sabe preparar… Saudade!
    Boa semana,

    Lorenna.

  155. Mariana Igawa disse

    14 mar 2012, 12:57 pm

    Ahhhh tb quero as favas…. são cheirosas e deliciosas!!!

  156. Heloisa Ferreira disse

    14 mar 2012, 1:20 pm

    Flávia, já fui no facebook e parece que descobri como faço para postar o comentário. Nunca tive o prazer de usar uma fava de baunilha, mas imagino que sejá o máximo.Assim meus bolos ficarão bem parecidos com os seus.
    Grande abraço,
    Heloisa. (RJ)
    e-mail: chatruno@yahoo.com.br

  157. lucas sampaio disse

    14 mar 2012, 1:27 pm

    quero ganhar favas!

  158. nara olivog disse

    14 mar 2012, 1:28 pm

    ahhh *-* tambem quero ganhar favas de baunilha

  159. Lorena disse

    14 mar 2012, 1:29 pm

    Apesar de minha mãe sempre ter trabalhado fora, não foram poucas as vezes em que ela me “convocou” para fazer companhia enquanto cozinhava algo diferente….. e nestes momentos, além de aprender um pouco sobre organização, cozinha, receitas, tivemos algumas das melhores conversas de nossa vida.

    Um fato interessante: quando sai de casa, foi ela quem me ensinou a temperar feijão - via telefone!!!

    Quero as favas para poder ter um momento cozinha com minha irmã mais nova, onde poderei vivenciar estes bons momentos novamente.

  160. camila disse

    14 mar 2012, 1:47 pm

    lá em casa sou eu que adoro me aventurar na cozinha, sendo minha mãe mera espectadora dos meus dotes culinários que ela me ensinou quando adolescente. Faço um doce de banana que vai gratinado como uma torta que toda vez que faço tem fila lá em casa e utiliza-se de baunilha para dar aquele toque gourmet na sobremesa.

  161. Leo Ribeiro disse

    14 mar 2012, 2:00 pm

    A minha história com Frango com quiabo

    Bom, o que posso dizer é que vou tentar descrever quase que pedaço de mim.È dificil simplesmente passar uma receita familiar e que é tão comum principalmente para nós mineiros.
    A cidade é Mutum,sua população informada segundo dados do senso 2010 é de 26.661 habitantes(era um pouco menos na época) , fica perto de Aimorés e Lajinha.Por ser uma cidade pequena não havia bairros, mas sim regiões e distritos,na verdade eram quase que bairros, mas numa cidade pequena e na época ninguem se referia assim.Minha avó Marfisa(Sim, o nome dela de registro era Marfisa e não Marcilia como muita gente achava que ela falava o próprio nome errado.).Morava numa casinha simples no ”Morro do Carvão”,construida e pintada de forma quase rústica e com telhado de amianto. Aquilo esquentava muito no mês de Janeiro que era geralmente quando meus pais iam pra lá.
    Terreiro comum como em quase toda casa mineira do interior,com várias plantas e uma pequena horta,algumas galinhas e um chiqueiro.Pra mim aquilo tudo era mato,mas era só alguem falar que tava sentindo alguma coisa que minha vó dava 3 passos e pegava alguma raís ou ramo de alguma coisa pra fazer chá.
    Todo ano quando iamos meu pai sempre pedia minha avó para fazer frango com quiabo.Lembro me que ainda criança ficava observando todo o ritual que envolvia a preparação de tal prato,desde a escolha do frango que geralmente eu ficava com dó(minha avó falava pra não ficar com dó se não o bicho num morre direito).A técnica de matar o frango e depenar que proporcionavam uma carne impossivel de ser mais fresca.Quando minha avó já tinha limpado o frango e tirado as penas eu via ela fazer uma coisa que até mesmo meu pai que sempre comia achava super estranho, mas que era sempre melhor não discutir muito com ela.Ela lavava o frango com sabonte…sim, esse sabonte em barra mesmo,segundo ela era pra tirar o cheiro forte do frango.Picava o frango e colocava numa tigela com alho,sal e pimenta do reino que era sempre colocada num pano de prato e esmagada com um martelo ou algo assim.De vez em quando eu ajudava minhas tias a picar o quiabo ou pelo menos tentava.
    O frango era sempre frito antes de tudo,esse processo não dava pra acompanhar muito bem porque ela não gostava de ”mininu” perto do fogão quando ta fritando.Há…o fogão…ta aí uma coisa que era o xodó da minha avó era o tal fogão.Sempre limpinho e branquissimo.Todo dia depois do almoço pronto ela passava uma espécie de argila branca chamado lá de ”barro branco”.
    Bem ,estando o frango frito e reservado a parte era a hora de refogar o quiabo.Panela de ferro e fogo alto,ela jogava o quiabo e começava a mexer de leve com a colher de pau, segundo meu pai foi me explicar anos depois o negócio era aprender a não deixar o quiabo babando demais .Lembro que ela sempre pegava limão capeta que tinha no terreiro e pingava umas gotas pra ajudar nesse processo.
    Com o quiabo no ponto juntava se o frango previamente frito e mechia…colocava água até metade da panela ou de forma que dava pra cobrir o frango e deixava ferver com algumas folhas de louro e olhando se precisava de mais sal ou não.Nesse momento já começava a fazer o angú que era impossível de não ter todos os dias na casa.Quando já tava tudo pronto era tradicional chamar todo mundo pra comer.Comiamos sempre ali perto do fogão,(acho que era pra ficar fácil de pegar mais)com um arroz e um feijão fresquinhos acompanhando e sempre um cheiro de cachaça no ar que meus tios bebiam, mesmo a contragosto da minha avó.
    Depois disso só restava a sobremesa que podiam ser três coisas, ou era doce de mamão ralado, ou mamão cristalizado que minha tia Judite fazia(meu favorito),ou uma salada de frutas onde predominava o mamão e um ”Q-suco” de morango que minha tia colocava.
    Bom depois disso todos os adultos iam dormir.Geralmente era nessas horas que eu e meus primos faziamos bagunça ou coisas que em horarios normais gerariam uma surra de vara ou algo tão dolorido quanto.
    Saudades!!!

    Leônidas A.S. Ribeiro

  162. Cristina Castro Ferreira disse

    14 mar 2012, 2:20 pm

    Flávia,

    obrigada pelas dicas preciosas!
    Adoro seu blog e suas receitas sempre bem escritas, detalhadas!

    bjs e parabéns!

    Cristina

  163. Ana Claudia Duarte disse

    14 mar 2012, 2:27 pm

    Lá vai minha experiência:
    Fiz a +/- duas semanas uma receita do seu blog que se chama Spaghetti com Molho Cremoso de Camarões e Alho. Q Deus te abençoe por essa receita… Eu fiz para meu Noivo e meus pais, e eles ficaram APAIXONADOS por essa receita, tanto que a minha mãe que cozinha super bem(Amém) e pela 1° vez ela realmente quase enlouqueceu depois que comeu essa preciosidade, e já comprou camarão para que eu faça novamente! Agora que vou me casar no próximo mês, já tenho essa deliciosa receita como “Carta na Manga”.

    Tomara que eu ganhe os favos, sou louca para experimentar.

    Beijos e PARABÉNS pelo Blog e claro pela receita de Spaghetti

  164. Tamie Pereira disse

    14 mar 2012, 2:36 pm

    Uma vez vi essas favas em Recife, numa padaria/empório chamado Diplomata. Infelizmente não levei no dia, e depois elas não chegaram mais. Então fica aqui uma tentativa :)

  165. Elisa Públio disse

    14 mar 2012, 3:51 pm

    Bem, minha experiencia na cozinha começou quando começei a fazer Vigilantes do Peso e não achava justo minha mãe ter que fazer a comida da casa e a minha separadamente, então começei a me aventurar na cozinha. Um tio meu morreu e minha mãe me pediu por telefone para eu fazer um bolo para que ela levasse para o velório para as pessoas que permaneceram lá durante a noite. Pois bem, no telefone ela mandou que eu procurasse uma receita que ela achava ser a mais fácil e pediu que eu seguisse a ordem exata dos ingredientes a serem batidos mas eu segui a ordem dos ingredientes que fui achando e quando eu disse isto para ela quando ela chegou e bolo estava no forno ela disse: Não acredito, vou ter que fazer outro bolo pois este não vai dar certo! Resultado: ela levou meu bolo mesmo e todos adoraram e elogiaram. Foi aí que vi que não preciso seguir muitas regras na cozinha, a imaginação e criatividade contam muito na cozinha e desde então já fiz diversos cursos de culinária e pelo menos 6 vezes por semana vou para a cozinha me aventurar. Um beijo e parabéns pelo viciante blog rss…

  166. Sylvia Guimaraes disse

    14 mar 2012, 6:09 pm

    Que requinte oider utilizar as próprias favas da baunilha! Que a sorte sorria para mim!

  167. Marcelo disse

    14 mar 2012, 6:50 pm

    Q saudades. Saudades de quando era criança e entrava na cozinha, minha avó cozinhando, os aromas e o som da cozinha, por lá ficava a observá-la. Ela me via e contava alguma história, relacionada àquilo que estivesse fazendo, como a dos soldados pimentões cheio, que o sargento malvado fez marchar na frigideira quente, e que se aguentaram em pé até não poderem mais, e então caíram, chiando na frigideira e rolando “de dor” até ficarem prontos… o arroz que ela lavava enquanto fazia o café da manhã, para deixar secar no escorredor até a hora de preparar aquela panelona… nós sabíamos quem havia feito o arroz de virar a panela: se não ficasse um grão, era da vovó… se não caísse nenhum ou caíssem todos ao mesmo tempo, juntos, era da mamãe :-)… e aquele molho de macarrão que nos chamava na rua, de tão cheiroso que era que dava pra sentir de lá. A cozinha da minha avó era como a extensão do colo dela, e por ali eu ficava.
    É desse tempo que vem minha disposição e vontade de cozinhar, o prazer de fazer comida para servir à minha família, o carinho com que enfrento receitas por vezes complexas e cheias de etapas.
    Esses dias lembrei de um prato que ela fazia: pegava uma panela de ferro e nela fritava ligeiramente bifinhos com um toque de açúcar pra ficarem escuros… reservava-os e na panela fritava pimentões em quadrados, depois cebolas, depois tostava batatas pré-cozidas em pedaços irregulares, e então voltava tudo pra panela, mexia delicadamente e colocava um tiquinho de água e assim ia até esquentar tudo e agregar os sabores, pra então servir com aquele arroz soltinho e branquinho, com salada de tomates com alho e orégano e outra de alfaces crocantes. Sabor de banquete. Tentei reproduzir para apresentá-lo à minha própria família, todos gostaram… mas não chegou aos pés do original de que me lembro.
    Desculpem-me pelo texto um tanto desconexo, mas memórias são assim, fragmentos de um tempo que se foi e infelizmente não volta mais.

  168. Sandra Velzi disse

    14 mar 2012, 7:00 pm

    Flavia, adoro o seu blog.
    Tive uma experiência com a fava de baunilha, tentando fazer um sorvete de creme, que loucura, que trabalho.
    Fui até o pão de açucar e comprei a fava, fiz a receita conforme a instrução, não váleu a pena, era mais fácil ter comprado o sorvete, pois não tenho a máquina de sorvete.
    Conclusão,fiquei sem a fava e sem o sorvete.
    Espero ter a sorte de ganhar para que eu possa pesquisar no seu blog, uma receitinha deliciosa!!!!!!
    Bjus
    Sandra Velzi
    Bertioga S.P

  169. Talita Andreoni disse

    14 mar 2012, 8:48 pm

    Oi Flavia!!!

    Eeeeeee….quero muito ganhar essas favinhas…que são tão carinhas aqui em São Paulo!!! E difícies de achar..meu Deus como é dificil!!!

    Parabens pelo Blog super original e facil de ler!!!
    Com certeza inspira muito a gente…

    Bjoca

    Talita

  170. Stephanie Bruna de Oliveira Ribeiro disse

    14 mar 2012, 8:58 pm

    Há cerca de 3 anos atrás eu era uma negação na cozinha… nem o miojo ficava no ponto certo! Vontade eu tinha, o problema era a falta de técnica. Minha mãe, cozinheira de mão cheia, resolveu me ensinar e hoje eu e ela nos divertimos muito na cozinha. Por conhecidência, ela me deu esse mês um mini-maçarico e eu estou louca pra testar em um Creme Brülee, mas quero fazer o original, com favas de baunilha! Então se eu ganhar essa favas, te mando um vídeo comigo e minha mãe fazendo essa receita!

  171. simone wicca disse

    15 mar 2012, 8:26 am

    não tenho muita lembrança de cozinhar junto com minha mãe na infância. isso tem acontecido mais na minha fase adulta. aprendi a fazer sequilhos de nata que ela faz há quase 40 anos. nem preciso dizer que quando eu faço não fica igual, né? e resolvi dar andamento a tradição que ela instaurou: quando faz uma receita de biscoitinhos de pimenta, a receita rende bastante, então fazer esses biscoitos pressupõem o compartilhamento com váááários amigos. e tem o bolo de ameixa de todos os aniversários da minha infância (os meus, dos meus irmãos, pai, tia, avó… era sempre o mesmo bolo, e só fui entender muitos anos depois por que do bolo de ameixa, escrevi sobre isso aqui: http://www.wiccaverna.blogspot.com/2008/10/do-29-no-25-bolo-de-ameixa.html ).

  172. Ronize Falcão disse

    15 mar 2012, 8:58 am

    A cozinha faz parte da minha familia a muitos anos, sou neta (parte de pai) de uma quitutera e de um padeiro, mas a paixao nao começou com eles, e sim com minha mãe, desde de muito pequena vivia atras dela na cozinha, mexendo nas panelas e tentadno aprender. Quando minha avó materna ficou doente, tudo mudou, minha mae precisa ficar com ela no hospital e meu irmao mais velho , na época com 12 ou 13 anos anos é quem cozinhava pra gente, e assim aos poucos eu tbm cozinhava, e a gente revezava pq ainda tinha a caçula e o pai que ia almoçr em casa. FOi um periodo dificil e turbulento. Ainda posso melembrar do manjar branco dela com uma calda de ameixa que só ela sabia fazer, lembros dos cafes com leite em ´po que ela fazia e sem muita paciencia ela colocava cafe numa xicara pra gente e jogava varias colheres de leite em po e só dava uma sacudida no cafe, por ela dizia que o bom daquilo era comer os gruminhos de leite em po com colher qeu ficavam no fundo da xicara (afinal o leite mococa daquela epoca nao desmanchava por nada no mundo ).. Saudades, é assim que me lembro de uando comecei a cozianhar. Quanto à outra avó, nunca consegui aprender os segredos com ela, sabe aquela coisa de ter segredos na cozinha, ate hoje é assim… mas um dia quem sabe eu descubro ;)

    Adoraria participar do sortei!

    Obrigada pela oportunidade.

  173. Daniel Martins disse

    15 mar 2012, 9:47 am

    Adoro cozinhar e isso veio das observações de minha mãe cozinhando. Ficava em cima observando e depois tentava repetir. Hoje trocamos receitas, mostro coisas novas para ela, é bacana.
    Minhas filhas apesar de pequenas já demonstram grande apreço pela cozinha. A mais velha (6 anos) de vez em quando diz que vai ser cozinheira quando crescer… A conferir! hehe… Eu sempre que posso chamos elas para participar de alguma coisa que estou fazendo. É uma forma de estimulá-las. Enfim, espero que nossa próxima receita seja com favas de baunilha…
    Abraço!

  174. Rebeca Viana disse

    15 mar 2012, 10:36 am

    Quero as favas!!!

  175. glaucia maria gripp disse

    15 mar 2012, 11:43 am

    Para mim,o cheiro de baunilha é o que há de mais sofisticado,
    delicado e gostoso de todas as notas cheirosas que já pude sen-
    tir… e me faz voltar à infância quando a farmacêutica de nossa
    cidade (no interior de MG) fazia poções “cheirando” à baunilha
    para facilitar a ingestão desses remédios… nunca vou esquecer
    o cheirinho do interior daquela farmácia.. Um abraço e obrigada
    por querer compartilhar conosco… Glaucia

  176. cecilia silva pansani disse

    15 mar 2012, 11:52 am

    Flávia, sempre faço suas receitas. O bolo de limão é divino…Nunca usei a fava , é cara. Espero ganhar.Beijos Cecilia.

  177. Graça disse

    15 mar 2012, 1:17 pm

    Oi Flávia, sempre acesso seu blog e adoro, essa é a primeira vez que estou fazendo comentário, já fiz algumas receitas que foram sucesso no meu trabalho, como Brownie de Nozes Recheado de Caramelo e Chocolate e a pipoca caramelada, adoraria ganhar as favas de baunilha, pois eu não consigo encontrar em Salvador, Beijos Graça.

  178. Eduardo disse

    15 mar 2012, 1:32 pm

    Oi Flávia!
    Minha mãe cozinha muuuuuito bem, e eu sempre gostei do assunto mas não tinha “oportunidade” de cozinhar.
    Mas então eu casei, e minha esposa não gosta muito da cozinha (embora faça um peixe muito bom, rsrsrs). Aí comecei a fazer uma receitinha aqui, outra ali, e está dando bem certo!
    Aliás, o seu é um dos poucos sites em que confio para pegar receitas!
    Abraço,

  179. Ana Claudia de Araujo disse

    15 mar 2012, 5:07 pm

    Adoro suas receitinhas!
    E quero ganhar as favas…
    Abraço…

  180. Juliana Canevari disse

    15 mar 2012, 5:25 pm

    Olá!

    Minha mãe mora nos States há 8 anos e ainda não pude visitá-la… o consulado não me liberou (ainda - hunf)… mas tristezas a parte, ela sempre me manda forminhas de cupcakes, cookies, confeitos daqueles mara da Wilton… já que eu amo cozinhar… mas até hoje nada de baunilha. Ela cozinha bem, mas não chega a ter aquele conhecimento quando eu peço “mãe, manda alguma coisa de baunilha…” - então leitora (agora vc que é a leitora néam) manda pra mim por favor essas favas, pra que possa explicar e mostrar pra Dona Rosa (pela webcam) o que é realmente uma baunilha!!!

    No mais, não tenho filhos, mas acho que essas aventuras na cozinha mesmo para os “sem jeito” são forever … falo isso porque na maioria das vezes quando lembro de momentos (e briguinhas) com minha mãe foram na cozinha… ou das comidinhas dela…

  181. Cátia Grundmann disse

    15 mar 2012, 7:28 pm

    Quero muito ganhar essas favas…nunca encontrei pra comprar e morro de curiosidade!

    Com 9 anos com meu pai me ensinou a cozinhar..e no começo era divertido, mas depois fazia por obrigação…as vezes ficava bom rs.

    Desde os últimos dois anos minha paixão pela cozinha aumentou vendo programas de gastronomia e daí surgiu a ideia de criar um blog sobre tudo que penso e principalmente com várias receitinhas gostosas.

    http://www.catiagrundmann.blog.br

    Sorte pra mim e parabéns p/ o blog!

  182. Rosana Matos disse

    15 mar 2012, 8:02 pm

    Que bommmmm poder participar, amo baunilha!!!!
    A maior experiência que já tive , foi com meu pai(falecido)….
    A família toda participou da confecção de PÉ DE MOLEQUE….ahhhhhh que saudade!!!! Torrando amendoim…rapadura derretendo no tacho…o cheiro, nem conto!!!! Bom demais! Depois de tudo isso, veio a melhor parte…comemos com muuuuuito gosto!!!! Lembranças e lembranças
    Desejo muita luz para você e sua linda família!!!!

    rosana.mmatos@ymail.com

  183. vanda lucia batista disse

    15 mar 2012, 8:15 pm

    Flávia
    eu ri qdo vi vc falando da sua filha : eu também só me interessei realmente por cozinhar depois de perder minha mãe.
    Porém eu diria que a melhor experiência que tive e q trouxe água aos olhos foi preparar quiabo com frango. Antes de começar eu fiz um agradecimento mental a ela por tudo o que me havia ensinado . . . e fui preparar então este prato clássico da cozinha mineira, que era a origem da minha mãe.
    É sabido que a oração tem poder né ? Então . . . meu quiabo ficou . . . perfeito !!! Qdo meus irmãos e pai comeram eles falaram : “Está igualzinho ao que a mamãe fazia” . . . daí eu caí em prantos.
    Vocês, mães, tem um poder inexplicável sobre a gente viu ? Mesmo quando já estão no céu, como é o caso da minha querida.
    Bjus no coração e parabéns por ensinar á tua filha, a maravilha de transmitir o amor através da comida :o)

  184. Fernanda Vieira disse

    15 mar 2012, 8:52 pm

    Olá, tudo bem?
    Tenho dois filhos lindos, a Carol de 5 e o Gabriel, de 3 aninhos.
    Os dois são apaixonados por tudo que faço pra eles na cozinha, pois tudo que faço é com muito amor e carinho de mãe. Sempre fazemos lanchinhos, pizza, sopinhas, juntos. De vez em quando, assistimos ao desenho Ratatoille (muito bom por sinal, recomendo. Um dia, estávamos cozinhando nosso jantar, uma sopinha de legumes. A Carol, lembrando do filme, começou a brincadeira: “mamãe, você é o cheff, eu sou a Collete e o Biel é o Linguini!” Então começamos a representar o filme e dizer as falas dos personagens! Foi a refeição mais divertida que fizemos até hoje!!!
    Sensacional!
    Beijos!

  185. Cristina disse

    15 mar 2012, 10:19 pm

    Flávia, ainda bem menina aprendi com minha mãe como refogar o arroz, temperar o feijão e os bifes para o almoço…não que eu quisesse, mas em outros tempos não era uma escolha, mas sem perceber isso facilitou minha vida daí em diante, na faculdade, no casamento e hoje na alegria do blog!
    As favas de baunilha são um escândalo na culinária!
    lunarcris@gmail.com

  186. Eunice Cristina S Silva disse

    16 mar 2012, 8:12 am

    Oi, Flávia!
    Conheci seu blog há pouco tempo, mas já fiz o semifreddo de morangos!
    Tenho duas meninas, de 12 e 4 anos, e ambas gostam da cozinha. A pequena sempre me ajuda no preparo dos bolos e pães e a maior já tem mais autonomia e gosta de preparar seus próprios molhos; só no quesito organização ela deixa a desejar…
    Seu blog faz jus ao nome.
    Abraço,
    Eunice

  187. Milla Trindade disse

    16 mar 2012, 8:49 am

    Esqueci de contar uma história e ela é bem recente!

    No Natal na casa dos meus pais a sobremesa ficou a meu cargo. E quiz porque quiz levar brigadeiro no palito e cupcakes. Os brigadeiros não deram nenhum trabalhos, agora os cupcakes!! Fiquei o dia inteiro na cozinha fazendo, até que na quinta fornada deu certo! Tudo pq um errinho de quantidade básica que no cupcake todo delicadinho vira um desastre. Passei apurada achando que não ia dar certo viu?

    Bjos

    milla.borges@gmail.com

  188. Patrícia disse

    16 mar 2012, 9:25 am

    Oi Flávia,
    Vai ser difícil a escolha com tantas histórias lindas, não?! Parabéns pela iniciativa. Só para vc ver como seu site é especial e vc muito querida.
    Bjs.

  189. Flávia disse

    16 mar 2012, 9:37 am

    Olá Flávia, tudo bem?
    Não tenho filhos ainda, mas eu tinha que participar mesmo assim pois sou apaixonudada por baunilha, pelo aroma, pelo sabor e pela origem que é uma orquídea! Para mim isso é incrivel, eu adoro contar para as pessoas: Sabia que a baunilha é uma orquídea? Bom, como não tenho filhos ainda, minhas aventuras na cozinha são com o meu marido que adora comer, não não sabe fazer quase nada. Uma vez tive que extrair meus dentes do siso e não podia cozinhar pois não podia ficar com cabeça abaixada. Ai fui dando as orientações e não ané que ele fez frango com molho de tangerina? Pensa, para quem não sabe cozinhar e fez um prato “elaborado” e ficou muito bom. Isso é uma prova de que com vontade todo mundo pode fazer simplesmente delicias. Parabéns pelo site.

  190. Fabiana Pitanga disse

    16 mar 2012, 1:40 pm

    Minhas primeiras lembranças de cozinha remetem à minha vó com seu bolo de rolo enrolado bem fininho e aos deliciosos pastéis de nata. Herança passada primeiramente à minha mãe e posterormente às netas.
    Parabéns pelo site, é uma perfeição!

    Fabiana

  191. juliana goncalves pongitor disse

    16 mar 2012, 5:21 pm

    Oi Flavia, toda semana dou uma olhada nas suas novidades. Sempre que quero fazer algo primeiramente olho se vc tem alguma receita. Os cookies são um sucesso com meus filhos e por fim adoro baunilha! beijos

  192. Beatriz M. disse

    16 mar 2012, 11:02 pm

    Oi Flávia, que interessante que as favas são vendidas no Pará, apesar da proximidade, nunca imaginei!
    Bem, sou novinha mas entendo que todos temos muitas histórias. Minha mãe cozinha super bem, apesar de negar, pois morre de medo de ter a fama de Amélia. Sendo assim, ela cozinha comidinhas diferentes. Faz peixe como ninguém. E lá em casa já tivemos épocas de almoços de domingos super fartos, como almoços em que ela ligava da feira e perguntava quantos pastéis cada um queria…rsrsrs.
    Hoje moro sozinha e tento, o que o tempo e o dinheiro de estudante permite, aprender e me dar o luxo, que para mim é comer em casa. Seu blog, inclusive, sempre me inspira!
    beijão

  193. Bia disse

    17 mar 2012, 8:16 am

    Oiiii, quero as favas!!!

  194. Karem disse

    17 mar 2012, 9:41 am

    Olá,
    que sorte vc tem de ter tanta baunilha em casa!
    Sempre gostei de cozinhar, qdo fazia alguma coisa lembro da minha mãe levar um pedaço para o seu serviço. não a tenho mais, mas lembro sempre de um bolo desprentensioso de banana que ela fazia e saía maravilhoso, deve ser por isso que vira e mexe eu me aventuro no bolo de banana.
    abraço

  195. Maureen disse

    17 mar 2012, 10:09 am

    Que ótimo! Sorteio de favas!!! Tão difícil de achar aqui na minha cidade…
    Adoro o seu site! Sempre passo aqui para me inspirar…
    xxx

  196. Luciana araujo de oliveira disse

    17 mar 2012, 10:40 am

    Minha referência de boa cozinheira é minha mãe. Absolutamente tudo que ela faz na cozinha é maravilhoso. Desde pequena ficava por perto, vendo e perguntando… Depois me aventurando a cozinhar também, quase sempre com a ajuda e a supervisão dela. Os anos se passaram, eu casei, e hoje me encho de orgulho quando minha mãe prova um prato que eu fiz e se derrete em elogios. Talvez ela nem tenha idéia, mas a minha felicidade é saber que posso ser como ela, e um dia quando tiver meus filhos, eles me vejam como eu a vejo.

  197. Lucia Horiuchi disse

    17 mar 2012, 12:38 pm

    Olá Flavia!

    Acompanho sempre o seu site adoro as suas receitas e dicas…
    Gostaria de saber se possível, onde o seu pai comprou as favas de baunilha no Pará, os meus pais moram lá e talvez eles poderiam comprar umas favas pra mim.

    Abraços,

    Lúcia.

  198. Patricia disse

    17 mar 2012, 1:54 pm

    Olá… parabéns pela iniciativa de dividir coisas boas… Adoro o cheirinho de baunilha no açucareiro da cozinha… cheiro de infância. Obrigada :-)

  199. Fabiana disse

    17 mar 2012, 4:22 pm

    Eu vou adorar ganhar as favas!!! bjs

  200. Rachel disse

    17 mar 2012, 4:46 pm

    ♥ !!!!

  201. LUCIANA GARDARGI disse

    17 mar 2012, 6:39 pm

    Olá Flavia … achei seu blog procurando por uma massa de pizza … e adorei !!! A pizza , parece deliciosa , vou fazer com certeza !!!Amo cozinhar pra minha familia e amigos , e gosto mais ainda d ecomer, é claro !! E quando vi o sorteio dessas favas enlouqueci … já são minhas !!!

    Um grande beijo

  202. Laura Farias disse

    17 mar 2012, 7:35 pm

    Eu queeero!!! Adoro suas receitas e a forma de apresentá-las!
    bjs

  203. patricia berrelha disse

    17 mar 2012, 7:40 pm

    Prezada Flávia,
    Tenho 2 filhos: O Luigi de 7 anos e o Enrico de 1 ano e meio. Espero que o Enrico seja tão participativo na cozinha, quanto o Luigi. Sou dona-de casa há três anos. Larguei minha carreira profissional literalmente para cuidar da família. O Luigi, inicial razão para tal, é meu filho e amigo e sempre me apoiou na cozinha. Além de me ajudar as fazer os deliciosos bolos caseiros(uma das minhas especialidades), o que ele mais curte é fazer os cookies de chocolate, cuja receita peguei em seu site. Basta olhar nos comentários dessa receita, que você virá o meu. Ele adora colocar os ingredientes na bateira e fazer as bolinhas para assar. De quebra, ele come 4 de uma vez. O sucesso da receita e da participação dele é tão grande que agendamos um amiguinho do Luigi para vir ajudar. Esse, o Valentim, já comeu os cookies e adorou. Agora é por a mão na massa! Ah, e não posso esquecer das vezes que meu marido faz pizza (a massa e tudo!)e que o Luigi sempre está pronto a ajudá-lo. Sempre sobra uma massinha pequenina para ele abrir, colocar o molho e recheio e botar para assá-la. Flávia, obrigada e estou torcendo para ganhar!

  204. Alana Cajazeiras disse

    18 mar 2012, 10:53 am

    Quero muito essas favas de baunilha!
    Não consigo comprar em Fortaleza de jeito nenhum…

  205. Thiago Mourthé disse

    18 mar 2012, 11:28 am

    Bom, a culinária sempre ocupou parte central da vida da minha família. Desde pequeno (tenho 23 anos hoje) minha mãe sempre cozinhou muito, sempre tentando ensinar a mim e a minha irmã.
    Desde que conheci o blog da Flávia e passei a assistir os programas da Nigella e do Oliver, o interesse pela comida aumentou ainda mais.
    A nossa última receita foi uma bolo de ervas frescas e gorgonzola que conheci aqui no blog, simplesmente divino.
    Ah, por último gostaria de dizer que quero muito ganhar as favas!
    Boa Sorte a todos =)

  206. Hermann disse

    18 mar 2012, 12:22 pm

    Adoro seu site!
    Quero ganhar!

  207. Débora Martins disse

    18 mar 2012, 4:14 pm

    Quero ganhar as favas para perfumar minha cozinha e enlouquecer os vizinhos!

    Bjs

  208. Helena H disse

    18 mar 2012, 7:06 pm

    Oi Flávia
    Sempre visito seu blog, mas nunca comentei, achei sua iniciativa de dividir suas davas um gesto bonito de generosidade. Sempre tive vontade de conhecer as favas de baunilha, quem sabe eu ganhe…..
    Deus te abençoe.

  209. Carolina Garrido de Avila disse

    18 mar 2012, 7:16 pm

    Oba!!!!!!!!! Favas de baunilha!!!!!!!!!!!!

  210. MONICA CHAVES disse

    18 mar 2012, 7:28 pm

    oi quero ganhar as favas

  211. Luciana Ratis disse

    19 mar 2012, 10:50 am

    Ai que delícia! Quero ganhar as favas e encher minha mãe de panna cotta!

  212. Paula Freire disse

    19 mar 2012, 12:54 pm

    Hummm, quero ganhar favas! Obrigada!

  213. Alessandra disse

    19 mar 2012, 3:34 pm

    Olá Flávia,

    É a primeira vez que acesso teu blog e até agora só vi a receita de um bolo que tu diz que comeu sozinha… posso te dizer que entendi o porque, deve ser simplesmente maravilhoso.

    Tenho 39 anos e não tenho vergonha de falar que apenas a um ano, após a morte da minha mãe, estou me aventurando na cozinha. Neste momento aliás, estou fazendo o meu primeiro pão.

    Bem, pra falar a verdade ainda não sei como usarei as favas de baunilha, mas gostaria de participar do sorteio.

    Abraços… vou voltar a “fuçar” no blog!!!

  214. Estela Bovice Angelieri disse

    19 mar 2012, 7:18 pm

    Hmmm….. Adoro baunilha!!

  215. Danielle Gondim Carlos disse

    19 mar 2012, 7:20 pm

    Gente que maravilha este site! sou chef de cozinha e sempre uso seu site como referência para preparar comidas afetivas, que é o meu forte. seu perfeito e simples bolo branco, é o melhor que já comi. seu bolo de abacaxi , castanhas e banana apelidei de bolo tropical, amo, sua calda de açúcar mascavo caem muito bem no bolo pra café, seu pudim de pão salgado me lembra comida de vó… enfim, sou muito agradecida por vc partilhar conosco sua experiência maravilhosa, ainda a conhecerei, quem sabe para trocarmos umas idéias. bem, a baunilha, ahh a baunilha… esta semana apresentei-a aos meus colaboradores, alguns não conheciam, ficaram maravilhados, pois só conheciam a essencia de vidrinho do supermercado, comprei-as aqui em pleno Ceará, a bem mais que peso de ouro! Fiz um clássico creme patissier, que eles também só conheciam o pronto, que vem no saquinho. a baunilha é uma das especiarias que mais me remetem ao prazer da cozinha, ao bolo que cai bem com o cafezinhho, gosto de usar tb no azeite que refogo com alguns legumes, ao até no purê de batata doce, que fica incrível. enfim, seria muito feliz se as ganhasse, quem sabe!

  216. CARIN LILIANE HÜBNER disse

    19 mar 2012, 10:14 pm

    Olá Flávia!
    Maravilhoso seu blog, não tem outro tão simples e completo ao mesmo tempo, parabéns.
    Minha experiência com o vovô do meu filho foi justamente usando uma receita do seu blog, a da geléia de figo e baunilha. Os netinhos gostam de tirar as frutinhas do pé, aí quando ele viu, o Guilherme, meu filho de 4 anos e a Sofia, a priminha de 1 aninho tiraram muitos figos, e o vovô falou que agora todos deveriam se comprometer em comerem aquelas frutas. Então me prontifiquei a fazer a geléia, da qual o vovô não acreditou que sairia grande coisa… tive que surpreender, e fiz a geléia exatamente como explicastes nos blog, somente sem a baunilha, e não é que ficou maravilhosa mesmo, chiquérrimo!
    O vovô e a vovô colocaram a geléia em pote de cristal na mesa de tão linda e saborosa que ficou, aquele toque do limão também é tudo de bom, e deu uma cor linda na geléia.
    Esperamos que da próxima vez possamos conseguir fazer a geléia acrescentando a baunilha também.
    Obrigada, Carin.

  217. Erika Arantes disse

    20 mar 2012, 11:46 am

    Adoro baunilha!!! Tenho várias experiências com família na cozinha, mas a última foi meu filho mais novo (14 anos) que adora aventurar na nossa cozinha ! Ele viu a receita na televisão e logo veio me pedir as dicas pra fazer! Foi incrível ver a emoção dele preparando cada camada do “chocolate puxa puxa” e depois de pronto a alegria de ver ali igualzinho ele tinha visto na tv e na net! Ficava me falandno “nossa mamãe eu consegui fazer igual” ! Amo minha cozinha, meus filhos, nossas preparações amorosas! A foto da sobremesa que ele fez está no meu facebook recebendo vários elogios e ele se vangloriando rsrsrs

  218. Jonas marquezini disse

    20 mar 2012, 12:15 pm

    Oi Flavia, sei bem como é essa luta na cozinha, quando eu era adolescente, lutava para tentar entender as receitas “a rumo” que minha mãe fazia, nunca tinha uma receita e ela dificilmente parava para ensinar, acho que a gente torrava tanto a paciência dela que ela nem tinha vontade, tadinha! Teve um episódio em que peguei ela, coloquei do lado do fogão e fui anotando tudo, medidas e ingredientes de um doce de tangerina/laranja que ela fazia sempre… agora, anos depois, sei como fazer.Agora minha luta e com minha irmã mais nova, que insiste em dizer que vai trabalhar para ter uma cozinheira, ela até se arrisca, mas quando dá errado a receita fica furiosa e se dá o direito de ficar ao menos um mês longe da cozinha. Ela também fica louca com minha obsessão por livros de culinária e ingredientes que compro para o preparo de alguma coisa, e se for preparar algo com limão ela torce o nariz na hora, aff ¬¬!
    Bjos
    Jonas

  219. Alice Macedo disse

    20 mar 2012, 4:34 pm

    Oi Flávia!
    Minhas experiências na cozinha em família são uma parte muito especial da memória que tenho de minha mãe. Ela morreu faz um tempo, mas ainda hoje guardo o caderno receitas dela como um herança inestimável. Quando tenho muitas saudades, abro o livro e faço uma das receitas. Ela era incrível. Conseguia fazer dos pratos mais simples uma delícia.
    Adorei o site.
    Bjs!

  220. Danielle Stadler Oliveira disse

    20 mar 2012, 6:29 pm

    Quero ganhar as favas!!!!!!
    Parabéns pelo blog!!!

  221. Roseli Gonçalves Navarro de Oliveira disse

    28 mar 2012, 5:12 pm

    Ficarei muito feliz se ganhar as favas, pois tenho muita curiosidade de ver as mesmas ao vivo e com elas fazer um delicioso creme.Deus que abençoe você e te de forças para levar esse blog anos e anos a fio.Um abraço Roseli

  222. flaviapantoja disse

    28 mar 2012, 5:54 pm

    Roseli, como está especificado no texto, o sorteio aconteceu dia 20 de março, mas fique atenta a futuros sorteios no blog! Um abraço, Flavia

  223. Regina Célia S. Frederico Secol disse

    30 mar 2012, 11:20 am

    OI querida, pena que não fui eu uma das sorteadas, mas como adoro baunilha e fiquei morrendo de vontade de fazer suas receitas de fava de baunilha, gostaria de saber onde seu pai compra lá no Pará, pois meu irmão mora no sul do Pará (Itaituba), e gostaria de pedir para ele
    comprar um pouco. Aguardo sua resposta. Beijos

  224. flaviapantoja disse

    30 mar 2012, 12:05 pm

    Regina, meu pai comprou direto com um produtor da região e Belem. Nao sei te dizer se estão disponiveis no mercado local.Um bj, Flavia

  225. Manuela Escariz disse

    22 abr 2012, 3:36 pm

    Haaa, que peninha eu não vi!!!!
    Nossa meu sonho é ter umazinha para provar, aqui onde moro não vende!!!! Da próxima eu participarei!!!

    Bjs…Uma linda semana!!!!

  226. ellen kanashiro disse

    24 set 2012, 10:08 am

    bom dia flávia,
    depois de extrair a semente que ficou no rum, tenho de usa-las imediatamente, ou tem algum jeito de secar e usar como pó de baunilha?
    e vc tritura a fava com semente no processador e coloca no açúcar?
    obrigaa
    ellen

  227. flaviapantoja disse

    24 set 2012, 11:24 am

    Ellen, se as favas estiverem no Rum, voce tem que usar as sementes imediatamente quando extrai-las. Existe sim, pó de baunilha, mas nao sei exatamente qual é o processo. Provavelmente eles trituram toda a fava seca (e não somente as sementes) para obter o pó. Quantas às favas secas no açucar, eu as vezes deixo as favas inteiras, outras vezes trituro no açucar. Não tem regra, mas saiba que se triturar as favas no açucar, o açucar fica com outra cor e isso pode alterar a cor do doce (sobretudo quando é bolo). Um beijo,Flavia

  228. ALFREDEO NASSER ISSY disse

    06 fev 2013, 3:24 pm

    OLÁ! TOMEI CONHECIMENTO DE SUA INTENSÃO HOJE, 06/02/2013, DE ENVIAR ALGUMAS FAVAS DE BAUNILHA A QUEM COMENTA ALGUMACOISA. SOU DE GOIÁS E POR AQUI, TEMOS ALGUMAS ESPÉCIES DE ORQUÍDEAS DO GENERO VANILA. E POR ACASO, ENHO ALGUMAS MUDAS EM MEU QUINTAL AS FLORES SÃO LINDAS E NESTA ÚLTIMA SAFRA, TIVE A SORTE DE ENCONTRAR “OVÁRIO/FAVA” AMADURECIDO E EM PLENO CRESCIMENTO.
    GOSTARIA DE SABER PREPARAR E SECAR ESTA FAVA, PARA TER O ORGULHO DE MOSTRAR A MINHAS FILHAS COMO SE PREPARA A FAVA DE BAUNILHA E COMO E QUANDO DEVE SERUSADA.UM FORTE ABRAÇO.

  229. flaviapantoja disse

    06 fev 2013, 4:02 pm

    Oi Alfredeo, que sorte a tua ter essas orquideas no teu jardim! Eu não sei como é o processo de secagem da ‘vagem’, mas talvez voce encontre alguma coisa na internet? Um abraço, Flavia

  230. flaviapantoja disse

    15 mar 2013, 12:06 am

    Monaliza, voce acha nas Casas Pedro e nos supermercados Zona Sul. Um bj, Flavia

  231. Daniela Alves disse

    18 mar 2013, 1:11 pm

    Olá Flávia,

    Parabéns pelo Blog, leio sempre e acho super útil, com ideias e receitas maravilhosas.
    Minha mãe sempre foi uma cozinheira de mão cheia, e não é só comidinha caseira não… tudo que ela vê na tv e lê… se der vontade, ela desenvolve super bem. A ultima agora foi o bolo de aniversário de 73anos do meu pai, ela fez o bolo de dois recheios, brigadeiro branco e trufa de maracujá… não sobrou nem a raspa da panela…
    E de mãe pra filha surgiu meu interesse pela cozinha, sou cozinheira formada pelo Senac e trabalho hoje com Gerente de Alimentos e Bebidas de um Hotel.
    Babei nas favas de Baunilha… eu as quero… inclusive para apresentar pra minha mãe… que só conhece a essencia… de vidrinho.
    Grande beijo, Sucesso!

  232. Liara Ferreira disse

    04 jul 2013, 2:24 pm

    Estou me deliciando com suas páginas de receitas, o que mais tenho procurado aqui no Brasil, são as favas de baunilha. Vi agora pela primeira !!! Por favor se não estiver muito atrasada, gostaria imensamente de ter a oportunidade de receber nem que seja uma só!
    Grande abraço, Deus a abençoe pela sua generosidade .
    Sucesso sempre!!! Liara

  233. Gonçalves Reis disse

    16 out 2013, 9:01 am

    Cara Renata pesquisando sobre receitas e afins, acabei encontrando seu blog. Amei logo de cara. Gostaria de saber algo: você comercializa favas de baunilha? Quando sairia, por favor. Quero fazer extrato em casa, no caso gostaria de uns 150 gramas, pelo menos. Obrigado, e quando puder, visite meu blog, seria um honra! Gonçalves Reis.

  234. Liliane Vasconcelos disse

    28 abr 2014, 4:49 pm

    Olá Flávia…
    Moro no Pará e procurando sobre fava de baunilha achei seu blog….será que seu pai ainda lembra aonde comprou estas favas? seria de grande ajuda pra mim..
    bjus
    Liliane

Trackback URI | RSS de Comentários

comente!

Mensagem