simplesmente delícia

Arquivo de novembro de 2011

29 de novembro de 2011

  • Eu queria ser uma pessoa grande e forte, tipo Rambo, ou o Robocop, ou pensando nesse século, o Wolverine. Forte para resistir a todas as tentações, passar por cima desse bolo como se fosse uma formiga que esmagamos sem pena, batendo no peito como se fosse o Tarzan comemorando mais uma vitória. Mas eu devo ser fraca mesmo porque esse bolo entrou para a lista ‘negra’ da serie ‘Nunca Fazer sem um Bom Proposito’.
  • Fazia tempo que eu não comia um bolo praticamente sozinha, e esse foi o escolhido. Eu tentei racionalizar analisando de perto o ‘porque’ do meu ímpeto, e cheguei à conclusão que esse bolo tem um pouco de tudo que eu gosto: chocolate, Rum (já disse que adoro álcool em doces), texturas, umidade, e não é tão doce que vá me deixar em coma diabético.
  • Dei um pedaço para meus amigos vizinhos e acabei com o resto. E depois passei vários dias comendo salada de pepino. Bem, eu nunca, jamais disse que era uma pessoa razoável.  Mas é melhor não espalhar essa informação valiosa por ai, afinal tenho filhos adolescentes: preciso manter minha fama de Wolverine (essa sou eu sonhando alto!).

    ingredientes

  • 1 copo de passas (100 gramas)
  • ½ copo de Rum
  • 150 gramas de chocolate meio amargo picado
  • 2 copos + 2 colheres de sopa de farinha de trigo (300 gramas)
  • 1 copo de açúcar mascavo, bem apertado no copo (220 gramas)
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • 170 gramas de coco ralado, sem açúcar acrescido
  • 3 ovos
  • 3 gemas
  • 9 colheres de sopa de óleo de girassol ou canola
  • 2 colheres de sobremesa de baunilha
  • XXXX
  • Calda
  • 200 ml de leite de coco + 3 colheres de sopa de leite de coco
  • 100 ml de Rum + 30 ml de Rum
  • ½ copo de açúcar refinado (100 gramas)
  • 2 copos de açúcar de confeiteiro (280 gramas)
  • Modo de preparo

  • 1.       Ponha as passas numa vasilha pequena e cubra com o ½ copo de rum. Deixe repousar pelo menos duas horas. O ideal é deixar de um dia para o outro para as passas hidratarem bem.
  • 2.       Pré-aqueça o forno a 180 º C graus. Unte com bastante manteiga uma forma de tubo, e polvilhe com farinha. Reserve.  Na vasilha da batedeira, ponha a farinha de trigo, o açúcar mascavo, o fermento em pó, e o coco ralado. Numa outra vasilha, de preferencia um copo medidor daqueles de vidro para ficar mais fácil entornar, ponha os ovos, as gemas, o óleo, a baunilha e misture com um garfo para quebrar os ovos. Entorne os líquidos nos secos, misturando em velocidade baixa na batedeira. Quando a farinha tiver toda incorporada, junte as passas escorridas (descarte o Rum das passas) e o chocolate picado.
  • 3.       A massa vai estar bem grossa. Entorne-a na forma preparada, usando uma espátula para espalhar ela uniformemente . Leve ao forno por 40 minutos ou até uma faca sair limpa do centro do bolo.
  • 4.       Enquanto o bolo está assando, ponha numa panelinha os 200 ml de leite de coco da calda, os 100 ml de Rum e o açúcar refinado. Leve ao fogo somente até o açúcar dissolver. Retire do fogo e reserve até o bolo ficar pronto.
  • 5.       Quando o bolo estiver assado, retire do forno e ponha numa grelha para esfriar. Deixe o bolo repousar 10 minutos e em seguida, fure-o todo com um palito grande (tipo de churrasco) ou uma faca. Fure o bolo todo sem esquecer as beiradas! Derrame então a calda, bem devagar, para dar tempo de a massa absorver toda a calda. Se preciso, espere uns minutos antes de entornar mais calda. Deixe o bolo esfriar totalmente antes de retirar da forma.
  • 6.       Enquanto o bolo esfria com a calda, vamos misturar os ingredientes da calda de cobertura. Numa vasilha ponha o açúcar de confeiteiro e regue-o com os 30 ml de leite de coco e 30 ml de Rum. Cheque a consistência e adicione mais leite de coco ou Rum, ou adicione mais açúcar se a calda estiver liquida demais.
  • 7.       Quando o bolo estiver frio na forma, desenforme -o no prato de servir. Cubra com a segunda calda, entornando- abem devagar para criar uma camada espessa, e espere esta secar antes de servir. Se você quiser, pode polvilhar mais coco ralado por cima da calda.
Outras Boas Idéias: Bolo de Cenoura com Abacaxi e Bolo Tres Leches

22 de novembro de 2011

  • Eu sou uma criatura de hábitos certos e pelo visto meus filhos também. Quase toda segunda feira jantamos risoto aqui em casa, e quando por qualquer razão isso não acontece, posso ter certeza que alguma hora durante a semana a filha (principalmente) vai resmungar. E nesse sábado, fomos almoçar fora e a filha pediu risoto de funghi. Como eu sempre incentivo meus filhos a provarem coisas novas, estranhei o pedido e perguntei se ela não queria provar outra coisa. Aí ela me olhou e disse, naquele discurso adolescente digno dos seus 16 anos: “Você não faz risoto de funghi há séculos.”- Vocês sabem que ‘séculos’ no vocabulário adolescente, cujo dicionário eu estudo diariamente, quer dizer na pior das hipoteses, algo como duas ou três semanas. “Bem filha, mas eu fiz outros risotos” - “Mas você não fez de funghi”.
  • ahaha
  • ahahha
  • E foi com promessas de voltar à cozinha rápido preparar o risoto preferido dela que ela optou por de fato, experimentar um prato novo no restaurante. Confesso que depois de tanto drama, eu nem hesitei no cardápio de hoje. Pensei em adicionar milho doce ao risoto de funghi mas achei melhor não cutucar a onça com vara curta. Mas se você, ao contrario de mim, não sofrer os olhares languidos dos filhos adolescentes, adicione o milho doce escorrido, a 5 minutos do final de cozimento do risoto. Além de ficar muito bom, o milho adiciona um crocante delicioso e  um pouco de cor ao prato! E se você quiser enfeitar para servir, use tomilho fresco. Eu adoro essa erva e acho que ela fica chique e simples usada como decoração.
  • Pontos importantes:
  • - Não se lava arroz arborio
  • -Use sempre manteiga e cebola. Raramente se usa azeite e alho.
  • - Adicionar o queijo ralado e a manteiga final fora do fogo, e deixar descansar 5 minutos antes de servir.
  • - O caldo deve estar quente.
  • - Use caldo feito em casa, para um melhor resultado.
  • -Acrescente o caldo aos poucos, sempre em fogo alto.
  • - O arroz tem que ficar firme, al dente, e o risoto, cremoso.
  • ahaha
  • ahaha
  • Essa receita serve 4 pessoas
  • ingredientes

  • 5 copos de caldo de legumes ou de carne
  • ½ cebola, picada
  • 1 ½ copo de arroz arborio ou carnaroli
  • 4 colheres de sopa de manteiga
  • 1/3 copo de vinho branco
  • 1 colher de chá de tomilho seco ou fresco
  • 20 gramas de funghi secchi (aproximadamente 2/3 copo)
  • 1/3 copo de queijo parmesão ralado
  • Sal e pimenta
  • modo de preparo

  • 1.       Ponha o funghi numa vasilha e cubra com agua fervente (somente até cobri-los). Deixe os funghis hidratarem por no mínimo 30 minutos. Escorra-os, guardando a agua perfumada pelos funghis: vamos usar essa agua no preparo do risoto (junto com o caldo).
  • 2.       Ponha o caldo de legumes (ou carne) todo numa panela e leve ao fogo baixo: o caldo tem que apenas fervilhar. Deixe esquentando enquanto começa a preparar o risoto. Numa outra panela, em fogo médio, derreta duas colheres de manteiga. Adicione em seguida a cebola picada e refogue-a até ela ficar translucida. Junte o arroz, e mexa com uma espátula até os grãos estarem bem cobertos pela manteiga, 1 minuto.
  • 3.       Aumente o fogo e imediatamente junte o vinho branco. Mexa até o vinho evaporar e acrescente devagar a agua do funghi. Cuidado na hora que entornar essa agua pois no fundo da vasilha normalmente fica uma ‘areia’ (de sedimentos dos funghis), portanto entorne bem devagar para não incorpora-la ao risoto. Junte também o tomilho e o funghi picado. Mexa com a espátula e deixe o arroz absorver quase toda a agua. Quando a agua estiver quase toda absorvida, continue juntando o caldo quente , pouco a pouco- uma ou duas conchas de cada vez, mexendo sempre, até o arroz estar pronto.  O arroz tem que estar firme, al dente, e o risoto tem que estar cremoso.
  • 4.       Você talvez não precise usar todo o caldo. O tempo exato de cozimento vai depender do arroz que você usar, da panela, do fogo, etc. portanto comece a checar aos 20 minutos. Mas o risoto pode levar entre 25 e 30 minutos para ficar pronto, isto é, o grão ainda firme e o todo bem cremoso.
  • 5.       Assim que o arroz estiver pronto, retire a panela do fogo, junte o queijo ralado. o restantante da manteiga, tempere com sal e pimenta, e tampe a panela. Deixe o risoto repousar 5 minutos antes de servir.
Outra Boa Idéia: Risoto de Abobora e Camarões e Salada de Arroz com Mangas e Vinagrete de Limão

17 de novembro de 2011

  • O primeiro sinal de que o Natal está chegando, mesmo que isso tenha acontecido cada vez mais cedo nos últimos anos, são os panettones nas prateleiras dos supermercados. Antes mesmo das decorações natalinas nos centros comerciais, dos enfeites de Natal à venda nas lojas, ou dos calendários do próximo ano a disposição (se bem que, em agosto eu já me deprimi ao ver calendários de 2012 na papelaria) quando as caixas coloridas das múltiplas versões desse pão chegam ao mercado, me dou conta que o ano acabou. Ou pelo menos esta muito perto do fim.
  • Não sei se foi depois dessa triste realização de que o ano se foi tão rápido, ou se foi durante um final de semana de chuva incessante aqui no Rio de Janeiro, mas acabei cedendo às pressões internas e comprei uma caixa de panettone. E comi, logico. Depois de três dias comendo e comendo, resolvi que estava na hora de por a cabeça no lugar e tentar minimizar o estrago dessa overdose de pão doce com frutas cristalizadas.
  • Eu hesitei em fazer desse peixe um post já que não penso nesse prato como uma receita mas mais provavelmente como uma forma de preparo. É um peixe assado de forma simples e leve, com relativamente pouca gordura. Não tem mistério aqui, só o respeito ao tempo de cozimento do peixe para não assar demais. E claro, existem um monte de outras possibilidades de legumes e ervas a serem usados aqui: basta respeitar o tempo de cozimento dos legumes. Eu particularmente gosto de alho poró com peixe, mas cenoura também é uma possibilidade, assim como outras ervas (salsinha, manjericão etc.).
  • ingredientes

  • 500 gramas de batatas (aproximadamente 6 batatas médias)
  • 2 cebolas roxas
  • 3 dentes de alho
  • 4 tomates bem maduros
  • Estragão, alecrim, ou tomilho fresco
  • 6  ou 7colheres de sopa de azeite
  • Files de peixe
  • Suco de ½ limão (para 3 filés)
  • modo de preparo

  • 1.       Pré-aqueça o forno a 180 graus. Unte um tabuleiro pequeno (ou um pirex) com um pouquinho de óleo e reserve.  Fatie a batata em rodelas de 5 mm aproximadamente. Você pode descascar as batatas se quiser, mas eu pessoalmente gosto da casca então as deixo. Arrume as fatias de batatas na forma untada espalhando bem. Entorne 2 colheres de azeite por cima das batatas e leve ao forno por 35 a 40 minutos ou até as batas estarem quase cozidas- porem firmes (elas ainda vão voltar ao forno com o peixe);
  • 2.       Enquanto isso, tire a pele das cebolas e parta-as em quartos. Fatie os dentes de alho. Esquente uma frigideira com 2 colheres de azeite e junte as cebolas partidas e o alho. Doure-os em fogo baixo para não queimar o alho, até as cebolas estarem amolecidas. Se você for usar tomilho, fica uma delicia adicionar o tomilho junto com as cebolas e o alho e dourar tudo junto.
  • 3.       Fatie os tomates e reserve. Quando as batatas estiverem prontas, retire o tabuleiro do forno (mas deixe o forno ligado!) , ponha as cebolas por cima das batatas e os tomates. Salpique as ervas também por cima dos legumes, tempere com sal e pimenta do reino.
  • 4.       Tempere os filés de peixe com sal e pimenta. Arrume-os em cima dos legumes, regue com mais duas ou três colheres de azeite, e volte ao forno por 20 minutos ou até o peixe estar cozido. O tempo certo vai depender do peixe que você for usar, da espessura do filé etc. Mas tome cuidado para não deixar assar demais. Um ou dois minutos antes do peixe ficar pronto, retire o tabuleiro do forno, regue com o suco de meio limão e volte ao forno até ficar pronto.
Outra Boa Idéia:  Risoto de Abobora e Camarão

    6 de novembro de 2011

    • Eu venho de uma família de amantes de sorvete. Minha mãe é dessas que, especialmente no verão, sai de casa para tomar sorvete - isso para mim já é um tanto incrível pois absolutamente nada fora chocolate e alguma emergência na cozinha, me faz sair de casa (culinariamente falando, logico).  Idem minha irmã, que desde muito cedo treinou os filhos para encontrar o caminho certo para a sorveteria preferida dela, a poucos quarteirões da sua casa. E meu pai até hoje fala de um restaurante aqui no Rio de Janeiro, há muito defunto, onde ele tomava um sorvete que vinha numa taça de prata, coberta com uma ‘cloche‘ (aquelas tampas de prata que restaurantes caros usam para cobrir a comida).  O discurso é mais ou menos assim: “Filha, o sorvete era mesmo de baunilha, tinha lá as sementes de baunilha!” - “Sim, pai, eu sei, já entendi.” -”Não, mas filha, deixa eu te explicar, não se faz mais sorvete assim, com as sementes da baunilha”. - E isso ele me conta a cada vez que eu faço sorvete de baunilha, com as sementes das favas e tudo, e levo para ele.
    • ahaha
    • ahaha
    • O curioso é que sorvete não é daquelas sobremesas que me tiram do serio: eu raramente compro sorvete, picolés etc. Um bom número de vezes eu acho os sorvetes doces demais. Aliás, em alguns casos, a quantidade de açúcar é suficiente para por a cidade do Rio de Janeiro em coma diabético. Mas eu sou a orgulhosa detentora de uma maquina de fazer sorvete (Cuisinart) e de vez em quando eu entro em surto e saio fazendo sorvetes e sorbets como se eu não precisasse tomar conta da dieta.
    • Eu já tinha feito outros sorvetes de morangos mas dessa vez fiz duas coisas que mudaram tudo: praticamente dobrei a quantidade de fruta e deixei os morangos repousarem no açúcar de um dia para outro. E isso fez toda a diferença nesse sorvete: o resultado final é muito perfumado e não é muito doce, assim a fruta brilha em toda sua gloria.
    • ahaha
    • ahaha
    • Use sempre frutas bem maduras. Quando fui ao mercado eu não estava pensando em morangos - pois não está na época - mas achei frutas bem maduras, vermelhas e cheirosas e resolvi que ali estava meu próximo sorvete. Com essa mesma base de sorvete (creme, leite, gemas, açucar), você pode usar outros perfumes como café, pedaços de chocolate (flocos), baunilha (as favas), etc.
    ahah
    • A receita completa do Sorvete de Baunilha (com favas), postei em ‘Notas’, no Facebook (Simplesmente Delicia).
    • ingredientes

    • 800 gramas de morangos bem maduros
    • 1 copo de açúcar (200 gramas)
    • 1 ½ copo de creme de leite fresco (350 gramas)
    • 1 ½ copo de leite integral (350 gramas)
    • 8 gemas de ovo
    • 1 fava de baunilha ou 1 colher de chá de aroma de baunilha
    • modo de preparo

    • 1.       Lave os morangos, seque-os e corte os cabinhos. Pique grosseiramente, em dois ou quatro pedaços e ponha numa vasilha. Junte a metade do açúcar (1/2 copo- 100 gramas), misture bem, tampe a vasilha e leve a geladeira de um dia para o outro. Ou no mínimo 8 horas.
    • 2.        Numa panela media, ponha 1 1/2 copos de creme de leite fresco, 1 1/2 copos de leite integral e o restante do açúcar (½ copo ou 100 gramas). Raspe as sementes da fava de baunilha, misture-as aos líquidos e ponha também a fava raspada e partidas ao meio. Se você for usar o aroma artificial de baunilha, espere para junta-lo quando o creme estiver pronto e fora do fogo. Leve a panela ao fogo médio até o açúcar dissolver e o creme estar bem quente (porem não fervendo), misturando sempre com uma espátula.
    • 3.       Enquanto o creme esquenta, ponha numa vasilha media as oito gemas de ovo e misture com um garfo para quebra-las. Prepare também um banho-maria para esfriar o creme depois de pronto: separe uma vasilha bem grande, com gelo e agua, aonde caiba uma vasilha menor (aonde vamos por todo o creme para esfriar na agua bem gelada). Reserve esse banho-maria com o gelo enquanto acaba de preparar o creme na panela.
    • 4.       Quando o creme estiver bem quente (mas não fervendo), vamos fazer a temperagem das gemas. Isto é, temos que mistura-las aos poucos ao creme quente para não cozinha-las e deixar formar pedaços de gemas. Para isso, derrame um pouco (duas ou três colheres de sopa) do creme quente em cima das gemas e misture bem; acrescente mais liquido a medida que for misturando as gemas até as gemas estarem mornas. É importante que você misture o liquido quente às gemas (e não as gemas ao liquido já que dessa forma as gemas cozinham no liquido quente).
    • 5.       Quando as gemas já estiverem passado pela ‘temperagem’, entorne tudo no restante de creme quente que estiver na panela e cozinhe, misturando sem parar com a espátula, até o creme engrossar. Se você tiver um termômetro culinário, o creme tem que atingir 80/82 graus Cº. Outra forma de ver se o creme está pronto é tirar a espátula da panela e passar o dedo no creme que escorre nas costas da espátula: tem que formar um ‘caminho’ na espátula. Retire a panela do fogo imediatamente e junte o aroma de baunilha se você não usou a fava.
    • 6.       Entorne o creme, peneirando-o, numa vasilha pousada dentro da vasilha com gelo. Misture com a espátula e deixe o creme esfriar no banho-maria de gelo. Depois que o creme estiver à temperatura ambiente, cubra com filme plástico e leve à geladeira por pelo menos 12 horas.
    • 7.       Quando for preparar o sorvete na maquina, escorra os morangos e descarte o liquido que se formou. Ponha os morangos no processador e processe até não haver mais pedaços grandes. Junte os morangos triturados ao creme gelado. Prossiga preparando o sorvete seguindo as instruções da sua maquina.
    • Outras Boas Idéias: Sorvete de Canela Caramelizada e Figos e Semifreddo de Morangos