simplesmente delícia

Arquivo de junho de 2010

29 de junho de 2010

  • Eu estou numa fase “qualquer coisa fica melhor com ovo pochê”. Não sei como vivi tanto tempo sem ele: onde estava meu bom senso? As opções são tantas: numa sopa, em saladas, em sanduiches (montes de rúcula, tomates secos ou frescos) e até em cima de um macarrão cabelinho de anjo, com um pedacinho de manteiga (Aviação ou President com sal) e umas pitadas de flor de sal. E se a quantidade de variantes não fosse o suficiente, não contando o colesterol, o ovo pochê é bastante saudável pois não é acrescentado de nenhuma gordura. Assim, se formos comer ovos, deveríamos fazê-lo esporadicamente, mas com os melhores ovos possíveis.
  • A qualidade dos ovos é, claro, importantíssima aqui. E não há duvidas no que diz respeito à qualidade do ovo: um bom ovo vem de uma galinha criada livremente, sem antibióticos, hormônios ou anabolizantes, que se alimenta de cereais orgânicos, tem seu bico natural e não sofre com mudas forçadas. E, me deixem ser bem chata e acrescentar que sim, a maneira como vive a galinha faz toda diferença no ovo que ela produz.  
  • Depois que nos acostumamos ao ovo de verdade, aquele que tem uma gema amarela dourada, com o gosto delicioso do ovo verdadeiro, um pouco amanteigado, um pouco amendoado, é difícil voltar atrás. Mas hoje em dia é muito fácil encontrar ovos orgânicos em todos (ou quase todos) os supermercados e feiras de rua. E apesar do custo ser um pouco mais elevado do que ovo de granja comum, considerando que deveríamos comer ovos só de vez em quando, é um pequeno luxo barato.
  •  
  •  
  • Receita da sopa de lentilhas adaptada da revista Waitrose Food Illustrated, de Maio 2010
  • ingredientes

  • 4 ovos orgânicos (ou caipiras)
  • 1 colher de sobremesa de vinagre de vinho tinto (eu prefiro vinagre de arroz, mas você pode usar qualquer vinagre)
  • 200 gramas de lentilhas (eu usei as lentilhas verdes, francesas, para essa sopa)
  • 1 cebola média, picada
  • 2 colheres de sopa de azeite de oliva
  • 2 dentes de alho
  • 2 colheres de sobremesa de gengibre fresco, ralado
  • 4 cenouras pequenas, fatiadas
  • 1 colher de sobremesa de curry
  • 1 colher de sobremesa de açafrão da terra (opcional)
  •  1L - 1, 200 litros de caldo de legumes
  • 1 molho de agrião
  •  
  • modo de preparo

  • 1. Numa panela grande, esquente o azeite. Adicione a cebola, o alho picado, o curry, o açafrão da terra se for usar, e o gengibre. Refogue por uns 2 minutos e adicione as cenouras. Cozinhe por mais uns 5 minutos até a cebola estar macia, misturando com uma colher de pau.
  • 2. Adicione então as lentilhas e cozinhe por mais 1 ou 2 minutos para envolver bem os grãos com o perfume das especiarias. Acrescente então 1 litro de caldo de legumes e deixe levantar fervura. Assim que ferver, abaixe o fogo e deixe as lentilhas cozinharem por 20 a 25 minutos: o tempo exato vai depender do tipo de lentilha que você for usar. Acrescente mais caldo se preciso.Tempere com sal e pimenta (eu gosto também de acrescentar 2 colherzinhas de suco de limão) e desligue o fogo. Junte o agrião, mexa um pouco, e mantenha a panela tampada enquanto prepara os ovos.
  • 3. Ponha cada ovo numa cumbuca individual. Numa frigideira média, ponha 2 ou 3 dedos de água e o vinagre. Não salgue a água de jeito nenhum! Leve a frigideira ao fogo médio. Quando a água estiver fervilhando, abaixe o fogo. A água tem que estar a penas fervilhando: se ela estiver borbulhando, deixe a temperatura baixar antes de prosseguir.
  • 4. Com muito cuidado, ponha os ovos, um por um, dentro da água. Ligue o cronômetro e marque 3 minutos para uma clara firme e a gema liquida. Se preferir a gema mais dura, é só aumentar o tempo de cozimento. Quando o cronometro disparar, use uma escumadeira para retirar os ovos da água com cuidado, e imediatamente pousá-los no prato de sopa.

Outras Boas Ideias: Sopa de Massa com Almondegas e Croque-Monsieur: Sanduiche de Queijo Gratinado

21 de junho de 2010

  • Eu acho que não conheço ninguém que absolutamente não goste de batatas. É claro que se pode não gostar de uma versão ou outra, mas no meu mundo, não gostar de todo me parece uma impossibilidade. Alem do que, tem alguma coisa na batata extremamente reconfortante. Talvez seja por isso que todo mundo sempre tem um estoque em casa. Aqui mesmo, na minha casa, pode ser que falte cebola, ou alho, mas batatas acho que não faltam nunca. Nem azeite. Alias, quando o estoque de azeite começa a ficar baixo eu entro em modo “sobrevivência”: começo a suar frio, sonho delirantemente, e começo a falar sozinha pela casa.

  • Essas batatas assadas levam um-pou-qui-nho de gordura mas a maior parte acaba no fundo do tabuleiro e vamos combinar que não estamos contando calorias afinal elas são tão boas que ficam perfeitas acompanhadas de uma salada verde. É serio! Tenras por dentro e crocantes por fora, lógico que ficam perfeitas com um frango assado ou um peixe grelhado mas eu confesso que gosto de comê-las assim mesmo, salpicadas de um pouco de flor de sal !

 ingredientes

  • 1 quilo de batatas médias
  • 1 colher de sopa de farinha de trigo
  • 60 ml de óleo (canola ou girassol)
  • Sal a gosto
  •  
  • modo de preparo

  • 1. Pré-aqueça o forno a 200°C. Numa panela grande, ponha água bastante para cozinhar as batatas sem elas ficarem apertadas. Salgue bem a água (eu uso uma colher de sopa cheia).
  • 2. Lave as batatas, seque-as e descasque. Parta as batatas em 2. Quando a água da panela estiver borbulhando, ponha as batatas e ligue o cronometro para 6 minutos. Não queremos cozinhá-las: apenas dar uma fervida!
  • 3. Assim que puser as batatas na água, pegue um tabuleiro pequeno e entorne nele o óleo. Ponha o tabuleiro com o óleo no forno quente.
  • 4. Quando o cronometro bipar 6 minutos, escorra as batatas e deixe a fumaça de vapor sair por uns minutos. Ponha então um prato em cima do escorredor para segurar as batatas, e segurando bem firme com as duas mãos o prato ao escorredor, sacuda vigorosamente as batatas dentro do escorredor. Isso serve para machucar um pouco as batatas. Polvilhe a farinha pelas batatas e mexa mais um pouco.
  • 5. Com muito cuidado tire então o tabuleiro com o óleo quente de dentro do forno. Ponha as batatas no óleo quente, mexendo com uma colher de pau para as batatas ficarem envoltas de um pouco do óleo. Ponha o tabuleiro de volta ao forno por 45 a 50 minutos, misturando depois de 25 minutos.
  • 6. Retire as batatas e deixe-as escorrer em algumas olhas de papel-cozinha. Sirva bem quente.

Outras Boas Idéias: Batatas Assadas com Alho e Azeite e Batatas Gratinadas com Molho de Açafrão

  •  
  •  

18 de junho de 2010

  • Fazer geléia nada mais é do que conservar as frutas no açúcar. O que eu não consigo entender é porque as boas geléias têm que custar tão caro. Enfim, eu não entendia até que comecei a prepará-las em casa. Na realidade é preciso uma grande quantidade de frutas, no pico da maturidade, para um potinho de geléia. Mas, não desamine já: vale todo o esforço, ou pelo menos que a maioria das pessoas percebe com o esforço. Geléias são na realidade super fáceis de preparar e tem um monte de funções: aqui em casa, a filhota adora comer com sorvete ou com iogurte (greek iogurt - que a mãe dela prepara carinhosamente durante horas para ela comer como se não houvesse amanhã), alem, claro dos clássicos como com pão, panquecas etc. 

  • Para conservar as frutas é preciso açúcar, e não adianta tentar diminuir a quantidade muito pois senão não haverá geleificaçao (essa palavra existe?). A quantidade mínima numa geléia é 50% de açúcar (já vi receitas com 45% mas isso é brincar com o perigo!!).  A maceração dos morangos na calda de açúcar permite ao açúcar impregnar melhor as frutas mantendo a sua forma. Esse tipo de cozimento em 2 etapas faz um produto final com mais textura.  Se você gosta da sua geléia mais gelificada, é só aumentar o tempo de cozimento: a geléia ficará mais doce, a textura das frutas menos bonita e a cor mais caramelizada.  E lembre que o único segredo da geléia é a fruta: use frutas frescas, bem maduras e perfumadas.  
  •  
  • ingredientes

  • 1 quilo de morangos bem maduros
  • 1 quilo de açúcar
  • 1 limão
  • 4 potes de vidro, de 250 ml
  •  
  • modo de preparo

  • 1.       Lave os morangos e corte os cabinhos. Pique os morangos em pedaços pequenos. Numa panela grande, ponha os morangos picados e o açúcar. Mexa bem, leve ao fogo médio e cozinhe ate o açúcar dissolver e o liquido estar claro. Apague o fogo, acrescente o suco do limão, tampe a panela e deixe os morangos repousarem na calda 24 horas.
  • 2.       No dia seguinte, esterilize os potes de vidro. Eu prefiro por os potes e suas tampas em forno pré-aquecido a 110C graus por 5 minutos, mas você pode também escaldar os potes e as tampas em água fervente por 8-10 mns. Retire os potes da água com uma pinça de cozinha e prepare-os num tabuleiro.
  • 3.       Numa frigideira media, ponha uma ou duas conchas dos morangos com a calda. Leve a fogo médio e deixe ferver, misturando com uma colher de pau. Apos uns 5 ou 6 mns a calda vai começar a engrossar e caramelizar ligeiramente. Retire então do fogo e encha imediatamente os potes. Encha cada pote até a borda, tampe e vire o pote de cabeça para baixo. Isso tem que ser feito com os potes ainda quentes.  Deixe os potes esfriarem de cabeça para baixo.

Outras Boas Idéias:  Geleia de Laranja e Limao Galego e Geléia de Pimentões

15 de junho de 2010

  • O nhoque é mais uns desses pratos do quais muitos fogem. É verdade que existem muitas variações duras e ressecadas por aí e eu acho que isso só faz afastar as pessoas ainda mais de um prato que é na realidade, muito fácil. O que faz a diferença no nhoque são as batatas. Como explica a grande Marcela Hazan, as batatas grandes para assar são farinhentas, e as muito novas, são muito úmidas, o que faz com que o nhoque desmorone ao ser cozido. A única batata confiável é mais ou menos redonda, do tipo comum, de tamanho médio, de casca amarela. E na hora do prepar, acabe de adicionar a farinha aos poucos pois algumas batatas absorvem menos farinha do que outras.  
  •  
  • Quando você estiver um ás em fazer rolinhos e cortar nhoques, vai entender o quão fácil são de fazer. Aí vai surgir um monte de possibilidades de pratos diferentes: molhos incríveis e combinações deliciosas. Experimente como um simples molho de tomates e manjericão ou essa versão, leve e perfumada, com milho e cogumelos.
  •  
  • Essa receita é inspirada numa receita do livro da incrível Suzane Goin, Sunday Supper at Lucques, do restaurante do mesmo nome em Los Angeles.
  • ingredientes

  • 1,300 kg de batatas de casca amarela
  • 3 xícaras de farinha de trigo, aproximadamente
  • 1 copo de farelo de pão, da melhor qualidade, ou alguma farinha grossa de sua preferência *
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 300 gramas de cogumelos frescos (pode-se mitusturar varios tipos!)
  • 1 lata de milho doce, preferencialmente importada, escorrida
  • 1 colher de sopa de tomilho fresco
  • 3 colheres de sopa de azeite de oliva
  • 4 colheres de sopa de manteiga
  • Sal e pimenta do reino
  • modo de preparo

  • 1. Comece com antecedência, preparando os nhoques: Numa panela grande, ponha as batatas e cubra com bastante água. Leve ao fogo médio e ferva até as batatas estarem tenras. Evite espetar as batatas demais para elas não ficarem encharcadas; quando estiverem tenras, escorra-as e retire as peles com as batatas ainda mornas. Em seguida, sempre com as batatas mornas, passe pelo processador manual para fazer um purê.
  • 2. Adicione quase toda a farinha de uma vez (uns 2 ½ copos) e trabalhe a massa com as mãos. Algumas batatas absorvem mais ou menos farinha que as outras por isso é importante ir adicionando o restante da farinha aos poucos (quanto mais farinha, mais massudo fica o nhoque). Queremos uma massa macia e levemente grudenta. Cubra com um pano para não secar .
  • 3. Enquanto isso, polvilhe uma superfície de farinha de trigo. Divida a massa em 4, e deixe 3 partes cobertas com o pano. Com a parte que iremos trabalhar, faça uma lingüiça de aproximadamente 2,5 cm e corte em pedaços iguais, na diagonal. À medida que vai cortando, ponha os nhoques num tabuleiro polvilhado de farinha. Quando estiverem todos cortados, com um garfo, faça uma marca em cada nhoque: é importante para o molho ter uma superfície para se agarrar! Cubra então livremente com um pano até a hora de cozinhá-los. Eles podem ser preparados com varias horas de antecedência e cozidos quando forem ser servidos.
  • 4. Pré-aqueça o forno a 180°C. Ponha o farelo de pão numa vasilha e acrescente as 2 colheres de sopa de azeite e misture bem. Ponha num tabuleiro, espalhando bem, e leve ao forno por 8 a 10 minutos, ou até ficar bem doirado. Retire do forno e reserve.
  • 5. Pique os cogumelos frescos em fatias. Numa frigideira grande, adicione 2 colheres de sopa de azeite. Quando o azeite estiver quente, adicione 1 colher de sopa de manteiga. Quando a manteiga começar a fervilhar, junte os cogumelos, ½ colher de sopa de tomilho fresco, uma pitada de sal, e pimenta do reino a gosto. Refogue os cogumelos por uns 5 minutos, até estarem tenros porem ainda firmes. Retire os cogumelos da frigideira , ponha numa vasilha e volte à frigideira para o fogo.
  • 6. Esquente a frigideira de novo e adicione 3 colheres de sopa de manteiga. Cozinhe 1 ou 2 minutos até a manteiga começar a dourar. Adicione então o milho, ½ colher de sopa de tomilho fresco, 1 pitada de sal e pimenta do reino. Refogue por 2 minutos, até o milho estar bem envolto da manteiga e do tomilho. Desligue o fogo, junte os cogumelos, e reserve enquanto cozinha os nhoques.
  • 7. Quando for cozinhá-los, encha uma panela bem grande , com bastante água. Salgue a água generosamente. Quando a água estiver fervendo, ponha uns 2 ou 3 nhoques. Assim que tiverem subido a superfície, retire-os e prove: se estiverem com gosto de farinha, você vai ter que cozinhá-los mais alguns segundos (5 segundos!). Se estiverem se desmanchando, você vai ter que retirar os nhoques um pouco antes. Agora com cuidado ponha uma parte dos nhoques. Eu prefiro por uns 20 no maximo de cada vez e recomeçar a operação até cozinhá-los todos. Assim que puser os nhoques na água, eles irão afundar. Logo logo irão subir a superfície: conte então 10 segundos e retire-os com uma escumadeira. Ponha os nhoques num pirex levemente untado com azeite de oliva e cubra com papel alumínio até todos estarem cozidos.
  • 8. Quando todos os nhoques estiverem cozidos, esquente rapidamente os legumes e derrame por cima dos nhoques. Misture com cuidado. Polvilhe com o farelo de pão tostado e sirva imediatamente.

* Eu usei dessa vez uma deliciosa farinha que a sogra da minha irmã me manda de Brasilia! Não sei nada sobre ela portanto se alguem tiver mais informaçoes, vou adorar!

Outra Boa Idéia: Pizza de Mozzarella e Manjericão (tipo Pan-Pizza) 

11 de junho de 2010

  • Eu acho que a maioria das pessoas (i.e. as pessoas que não tem 6 funcionários em casa, copeiro, mordomo etc.) tem um misto de terror e excitação com a perspectiva de fazer um jantar para, digamos mais do que 4 pessoas. Mas de uma forma geral, jantares (e almoços, lanches, etc.) são praticamente uma necessidade: é a forma de ver e rever os amigos, fazer novos amigos, trocar idéias     que irão mudar o mundo, celebrar aniversários, batizados, a chagada da irmã mais nova etc.
  • Eu adoro receber meus amigos e a família: adoro ver a casa cheia, as taças de vinho espalhadas pela sala (ou pela cozinha-geralmente a minha taça!), as crianças espalhando migalhas pela casa toda, os adultos circulando. E já descobri algumas coisas sobre minha forma de receber: gosto de coisas que posso preparar com antecedência e gosto de comidas não-muito-complicadas. E esse Semifreddo de morangos, que já fiz inúmeras vezes, virou um preferido: ele é simples e maravilhoso, algo que muitas vezes parece ser mutuamente exclusivo, e deve ser feito com antecedência. Ainda que não tentasse, esse Semifreddo pode ser feito com outras frutas: framboesas, maracujá, mangas, e pensei até em goiaba! É só ajustar a calda de frutas. Ah e já ia me esquecendo, essa receita pode ser dobrada!! Perfeito!!

Receita da revista Donna Hay - Fevereiro/Março 2010

  • ingredientes

  • 3 ovos
  • 2 gemas
  • 1 colher de chá de baunilha
  • 1 copo de açúcar (220 gramas)
  • 2 copos de creme de leite fresco (500 ml)
  • 600 gramas de morangos
  • 2 colheres de sopa de açúcar
  • modo de preparo

  • 1. Primeiro lave os morangos e depois corte os cabinhos. Não inverta a ordem pois se lavar os morangos depois de cortar os cabinhos, eles ficarão encharcados de água. Ponha os morangos na vasilha do processador, adicione as 2 colheres de açúcar e processe até formar uma calda. Reserve.
  • 2. Numa vasilha grande, ponha os ovos, as gemas, o copo de açúcar e a baunilha. Prepare uma panela media, com 3 dedos de água dentro, e ponha a vasilha em cima. A vasilha não deve tocar a água. Ligue o fogo médio. Usando uma batedeira elétrica manual, ou um bom fouet (força nos braços!), bata o creme sem parar por uns 6 a 8 minutos, até ele triplicar de volume e formar uma mousse leve e clarinha. Cuidado para não deixar o creme desatento (i.e. sem bater, pois as gemas vão cozinhar!).
  • 3. Retire a vasilha do banho-maria e continue batendo até o creme estar à temperatura ambiente, mais uns 6 a 8 minutos.
  • 4. Agora bata o creme de leite fresco em ponto de chantilly. Adicione delicadamente o chantilly ao creme de ovos. Despeje no pirex (35 cm).
  • 5. Enfim a parte divertida! Com cuidado, vá entornado o creme de morangos por toda a superfície do creme. Pegue uma faca, ou um palito, e faça desenhos circulares, tomando cuidado para fazer movimentos de baixo para cima (como a calda de morangos é mais pesada, ela afunda no creme). Use toda a superfície do pirex. Leve ao freezer por no mínimo 6 horas. Retire do freezer e ponha na geladeira 30/45 minutos antes de servir.
  • O semi-freddo deve ser guardado no freezer, só sendo retirado um pouco antes de servir.
  • Outra Boa Idéia: Calda de Morangos com Hortelã

Próxima página »