simplesmente delícia

Arquivo de fevereiro de 2010

28 de fevereiro de 2010

  • Eu acho que o calor está me afetando. Ou pelo menos afetando o meu paladar. Quer dizer, deve ter algo profundamente errado comigo quando eu prefiro comer sobremesas com frutas ao invés de sobremesas a base de chocolate. Sim, eu sou Presidente do Clube dos que acredita que sobremesa só de chocolate. Ou pelo menos, tem que haver uma (no minimo, na pior das hipoteses) sobremesa com chocolate.  

  • Mas com esse calor, tenho vislumbrado mais receitas com frutas, talvez vendida pela exuberância atual de algumas delas, como as ameixas, que estão lindas. De qualquer forma, esse crumble ficou delicioso ao fim de um simpático jantar com amigos queridos, servido morno com uma bola de sorvete. Eu usei 2 tipos de ameixas mas você pode fazer somente com uma, ou misturar mais tipos.  E a adição de amêndoas a farinha deu outra dimensão a esse prato, tão simples e fácil.
  •  
  •  
  • ingredientes

  • 1 quilo de ameixas (pesadas com caroço)
  • ¼ copo de amêndoas inteiras
  • ¾ copo de farinha de trigo
  • 100 gramas de manteiga sem sal, temperatura ambiente
  • ½ copo de açúcar
  • 1pítada de sal
  • ¼ de copo de amêndoas fatiadas (opcional)
  •  
  • modo de preparo

  • 1. Unte um pirex pequeno (26 cm x 18 cm) com manteiga e reserve. Pre-aqueça o forno a 180°C. Lave as ameixas e corte as para retirar os caroços. Descarte os caroços e ponha todas as ameixas partidas no pirex espalhando-as .
  • 2. Processe as amêndoas inteiras até formar uma farinha grossa. Cuidado para não processar demais pois a farinha começa a ficar oleosa. Ponha a farinha de amêndoas numa vasilha com a farinha de trigo, a manteiga, o açúcar e o sal. Amasse com um garfo até não haver mais traças de manteiga mas não deixa formar uma massa compacta. Queremos um farelo grosso.
  • 3. Espalhe a farinha de amêndoas por cima das ameixas sem apertar. Termine com as amêndoas fatiadas. Se você não tiver amêndoas fatiadas pode picar amêndoas inteiras e jogar por cima. Leve ao forno por 45-50 minutos ou ate ficar dourado. Se começar a queimar , cubra com papel alumínio e prossiga ate a farinha estar dourada. Sirva morno. Com uma bola de sorvete…
  • Outra Boa Idéia:  Clafoutis de Ameixas Frescas e Bolo de Frutas Frescas

24 de fevereiro de 2010

  • Eu acho que qualquer prato com batatas constituem um confort food para mim. Quer dizer, qualquer batata com textura pois não sou muito fã de purês etc. E essas batatas , inspiradas num prato do meu eterno Ottolenghi, nada mais são do que um gratin. O gratin mais clássico é feito somente de batatas e creme de leite, com um leve toque de alho no fundo do pirex. A inclusão do açafrão aqui faz dessa versão um perfeito acompanhamento para frutos do mar (eu servi com lulas grelhadas) e peixes . Você pode usar vários tipos de batata mas elas têm que ser fatiadas bem finas. Se você não tiver uma mandoline, corte as batatas o mais fino possível e escalde-as em água fervente por 2 minutos antes de misturar com o creme de açafrão.
  •  

  • ingredientes

  • 1 colher de sobremesa de açafrão
  • 1 quilo de batatas
  • 100 ml de leite
  • 100 ml de água
  • 3 colheres de sopa de manteiga sem sal (ou 30 gramas)
  • 4 colheres de sopa de farinha de trigo (ou 35 gramas)
  • ¾ copo de creme de leite fresco
  • 1 copo de salsinha picada (ou ½ copo de salsinha e ½ copo de manjericão)
  • 1 copo de queijo parmesão ralado
  • Sal e pimenta do reino a gosto
  •  
  • modo de preparo

  • 1. Numa panela pequena, ponha o leite e a água. Esquente até começar a fervilhar. Retire do fogo e acrescente o açafrão. Reserve.
  • 2. Ponha o creme de leite numa vasilha grande.  Descasque todas as batatas e fatie-as o mais fino possível. Um mandoline faz esse trabalho muito bem! Vá pondo as fatias de batata diretamente no creme de leite.
  • 3. Numa panela pequena, derreta a manteiga em fogo baixo. Quando ela estiver derretida, acrescente a farinha e mexa com uma colher de pau ate começar a mudar de cor, o que pode levar vários minutos. Não subestime esse processo: queremos um creme sem gosto de farinha !!!! Quando a mistura estiver mudando de cor, acrescente o leite e a água e mexa com a colher de pau até engrossar. Retire do forno.  
  • 4.Escorra as batatas reservando o creme de leite.  acrescente o creme de leite ao creme de açafrão. Agora numa vasilha grande, misture delicadamente as batatas, o creme de açafrão, metade do queijo ralado e a salsinha (e manjericão se estiver usando). Tempere com sal e pimenta. As batatas absorvem mais sal então salgue um pouco mais do que o costume. Unte um pirex pequeno com manteiga e ponha as batatas nele, espalhando com cuidado .
  • 5.Polvilhe o restante do queijo parmesão sobre as batatas, cubra com papel alumínio e leve ao forno, pré-aquecido, a 180° C por 45-50 minutos se as batatas estiverem fatiadas bem finas. Apos os 50 minutos, aumente a temperatura do forno para 200°C, retire o papel alumínio e asse por mais 15 minutos para dourar. Deixe repousar 5-10 minutos antes de servir.
  • Outra Boa Idéia: Batas Assadas, sem Culpa

20 de fevereiro de 2010

  • Eu tenho essa mania antiga de comprar revistas de culinária e recortar receitas e artigos que vou colando em um fichário. Muitas vezes só vou fazer a receita anos depois, o que aconteceu com esse prato, cuja receita data de 1998. Não consigo entender o que me fez demorar tanto tempo para fazer um prato que é tão simples e tão saboroso - alem de ser outra boa idéia para nosso verão senegalês carioca. O uso da salsa ao invés do manjericão nesse molho (que nada mais é do que um pesto) confere um sabor mais leve e fresco ao prato.
  • Mas talvez pelo sentimento de culpa ou para evitar analisar o porquê de tanta procrastinação com uma receita tão amiga, desde então já a refiz varias vezes. Tenho que confessar que prefiro ela na versão salada, isto é use, servida fria com  uma massa como penne ou fusilli. E gosto da sua versão vegetariana mas se preferir, adicione peito de frango desfiado ou camarões para uma versão mais encorpada. E use flor de sal para finalizar o tempero.
  • Serve 4 a 6 pessoas
  • ingredientes

  • 4 copos de salsa fresca (aproximadamente 2 molhos grandes)
  • 1 copo de nozes
  • 1 dente de alho
  • 1 limão ralado (casca)
  • ½ copo de azeite extra-virgem
  • Sal e pimenta a gosto
  • 2 tomates grandes
  • Frango desfiado ou camarões cozidos (opcional)
  • 500 gramas de massa (eu gosto de penne, mas na foto é spaghetti)
  • modo de preparo

  • 1. Lave bem a salsinha e seque-a. Ponha no processador com o dente de alho, as nozes e as raspas de limão. Processe até triturar bem a salsa e as nozes. Pelo tubo de alimentação do processador, vá adicionando o azeite aos poucos até formar um creme. Se ainda estiver grosso demais, acrescente mais um pouco de azeite com o processador funcionando. O molho tem que estar bem cremoso para poder envolva a massa toda. Tempere com sal e pimenta e reserve. Esse molho nao deve ser aquecido antes de ser usado. Se voce guarda-lo na geladeira, retire o uns 30 minutos antes e deixe  voltar à temperatura ambiente antes de usar na massa quente.
  • 2. Lave e seque os tomates; parta-os retirando todas as sementes e pique em pedaços grandes. Se for usar frango ou camarão, prepare estes os cozinhando e desfiando (no caso do frango).
  • 3. Cozinhe a massa al dente em bastante água fervente.  Escorra bem. Numa vasilha grande, misture a massa com o molho de salsinha, os tomates e o frango se for usar. Sirva imediatamente. Se for fazer essa massa como salada, deixe a massa esfriar antes de juntar o molho e os tomates. Guarde na geladeira ate o momento de servir.
  • Outra Boa Idéia: Spaghetti Alla Carbonara

10 de fevereiro de 2010

  • Bem eu estava pensando em choramingar um pouco, reclamar um tanto, falar o quanto eu estou sofrendo com tanto calor, mas resolvi aplicar a tática da cara de contente e dividir com vocês uma das coisas que me mantém coerente durante o verão! Esse meu chá gelado é inspirado em um dos que eu mais gosto aqui no Rio, o do restaurante Via Sete, e de muitos anos morando no Texas, onde o ice tea é uma obrigação em todas as mesas, uma salvação do calor.
  • O único segredo do chá gelado é deixá-lo esfriar totalmente à temperatura ambiente antes de por na geladeira. E como eu gosto muito de gengibre e adoro o picante que ele proporciona ao chá, pus logo 2 pedaços grandes, mas se você preferir ponha 1 pedaço somente e você terá o sabor refrescante sem excessos. E claro, use o chá de sua preferência.
  •  
  • ingredientes

  • 2 litros de água filtrada
  • 6 saquinhos de chá verde
  • 1 ou 2 pedaços grandes de gengibre
  • 1 molho de hortelã
  • suco de 1 limão (eu uso 1 ½ limões), peneirado
  • modo de preparo

  • 1.  Descasque os gengibres e corte em pedaços grandes. Ponha-os numa panela grande com a água e leve ao fogo médio por uns 10 minutos. Retira do fogo e acrescente os saquinhos de chá e o molho de hortelã. Deixe esfriar totalmente, do lado de fora da geladeira.
  • 2. Quando o chá estiver à temperatura ambiente, passe por uma peneira para retirar o gengibre, as folhas de hortelã e os saquinhos de chá; junte o suco de limão. Adoce a gosto e leve a geladeira.  Sirva bem gelado com folhas de hortelã para enfeitar.
  •  
  • Outra Boa Idéia: Sorvete de Limão

6 de fevereiro de 2010

  • Nada como duas semanas de férias para recarregar as energias! E foram duas semanas maravilhosas com meus filhotes e amigos do coração em Nova Iorque! Já no primeiro dia fizemos uma refeição rápida no Cipriani (110 East 42dn Street): sanduiches, pratos leves, saladas e ingredientes de primeira qualidade. Esse Cipriani (muito freqüentado por italianos, sempre um ótimo sinal!) fica do lado da sua famosa sala de festa, portanto se você passar por ali, dê uma espiada no salão que é lindo! Fui também tomar um café no Cipriani Dolci da Grand Central: este fica no mezanino da estação, com o uma visão privilegiada do incessante movimento dos passageiros e do lindo teto pintado. Perfeito para um copo de vinho do Porto no final da tarde se você estiver na área. Também na Grand Central, vale a pena uma visita ao Grand Central Market: um lindo mercado que oferece um pouco de tudo: queijos, chocolates, peixes, etc.
  • Alias, foi também em Midtown, saindo de uma visita a ONU, que encontrei o Amish Market, pequeno supermercado gourmet imperdível para qualquer um que goste de comida. A seleção é incrível e o local, um charme. Almoçamos no Café do Amish Market: sanduiches feitos na hora, sopas e saladas, e de sobremesa uma barra de aveia com framboesas e chocolates (branco e preto) simplesmente deliciosa!  Continuando com minha saga supermercados- um dos meus programas preferidos quando estou viajando- não consigo fazer uma visita aos USA sem passar pelo sempre excelente Wholefoods, mas dessa vez fui também ao Fairway e ao Citarella. O primeiro é um supermercado grande com uma extensa variedade de produtos locais e importados a um preço mais acessível. Já o segundo é uma linda casa de produtos mais exclusivos, com uma excelente padaria, pâtisserie, açougue e ótima oferta de comidas prontas.  
  • Mas me disseram que a vida não é só feita de comida então fui conhecer o ótimo New Museum no Lower East. Depois, vagamos por algumas das excelentes lojas de roupas vintage e não tão vintage do Lower East, e fomos almoçar num simpático restaurante italiano, o Inoteca.  Polenta deliciosa, sanduiche de porchetta dos deuses (servido com uma geléia acidulada- perfeita combinação) e um bom copo de vinho numa tarde fria (bem fria!!) de inverno… Alias, venho por meio desta publicamente agradecer a paciência do meu rebento menor que fez cara de contente quase o tempo todo que estávamos perambulando pelas ruas e lojas! Para agradecer sua paciência, levei-o a Economy Candy. Mal sabia ele que quem estava perdida era eu… Uma loja totalmente dedicada às balas e, como eu as chamo aqui em casa, as porcarias!! Pois é, pode não parecer mas eu sou muito chegada a uma bala. Sobretudo as balas duras de frutas e as bem, mas bem, amargas.  Fiz grandes descobertas e sai com um saco enorme de coisinhas maravilhosas!!
  • E quando eu já não acreditava que as coisas poderiam melhorar, acabamos o dia na Doughnut Plant para comer o que é, de fato, o melhor doughnut de NY.  Esqueça tudo que você sabe sobre doughnut e comece tudo de novo aqui nessa lojinha. Com uma antiga receita do seu avo, Mark começou a Doughnut Plant há 10 anos e até hoje tem fila na porta (alem da sua loja, Mark fornece para lugares como o Dean & Deluca por exemplo). Com ingredientes de época (não tem framboesa em janeiro por exemplo) e produtores locais escolhidos a dedo (Mark usa o Farmer’s market) esses bolinhos freqüentemente encharcados de óleo e açúcar, tomam uma nova dimensão.  Acho que provei todos os tipos disponíveis na hora e não consigo decidir qual o melhor … Mark nos deu também uma xícara de um delicioso chá indiano, cheio de especiarias, que casou muito bem com o doughnut .
  • Num domingo frio e ensolarado, fomos ver a linda instalação de um dos meus artistas preferidos, o Anish Kapoor no Guggenheim e depois seguimos para mais um impecável brunch no Sarabeth.  Sempre uma excelente pedida, nos fartamos de impecaveis ovos benedictine, pancakes, omeletes etc. para terminar à tarde com mais uma visita aos dinossauros do Natural History .
  • Mas voltando ao nosso assunto preferido, meus queridos amigos me levaram conhecer o A Voce em Columbus Circle, ótimo restaurante italiano pilotado pela Missy Robins. Cheio de bossa e com uma linda sala com vista incrível sobre Columbus Circle, mais uma excelente noite com boa comida e excelente companhia. Fomos também a Casa Mono, pequeno restaurante espanhol onde comi uma massa (fideos) com clams (pequeno e delicioso molusco) e chorizo divina. Antes do jantar, paramos no Bar Jamon, colado ao restaurante, para um copo de vinho e excelentes tapas.
  • No meio da correria nova-iorquina, encontramos um dia para ir conhecer a Fundação DIA Beacon, que fica à uma hora de trem de Manhattan numa linda viagem ao longo do Hudson River. Não estava preparada por tanto encantamento. O DIA Beacon foi elaborado dentro de uma antiga fabrica de biscoitos da Nabisco (daí tanta empatia??) e desde 2003 mostra trabalhos dos mais importantes artistas contemporâneos assim como exposições temporárias (a do momento é do Sol Lewitt e é de tirar o fôlego!).  E como saideira, levei os kids ao sempre charmoso Serendipity para um FootLong Hot Dog e um indecente Frozen Hot Chocolate!