simplesmente delícia

8 de outubro de 2008

Tinha feito planos de postar uma sopa gostosa de milho com creme de abacate mas esse bolo me pegou de surpresa e achei que era um excelente motivo para mudar o rumo da semana…O livro da onde ele saiu é uma jóia: um desses raros livros onde muitas receitas são excelentes e provavelmente todas são ótimas…Uma historia super interessante também de um grupo zen-budista que criou uma padaria -a Greyston Bakery- para ajudar a custear seus trabalhos sociais. Isso tudo aconteceu no Bronx, em Nova Iorque. O sucesso foi tão grande que hoje eles têm uma pequena fabrica e abriram filial em São Francisco (Tassajara Bakery).

Enfim, se você é remotamente como eu e adora açúcar mascavo, vai se deliciar com esse bolo. Se ainda não explorou a fundo esse ingrediente, como diria meu pai, é uma excelente desculpa para começar agora. A única mudança que fiz na receita foi substituir as nozes por castanha do Pará (orgânicas, claro).

  • ingredientes da cobertura

  • 1 copo de açúcar mascavo (aperte bem o açúcar no copo medidor)
  • 2 colheres de farinha de trigo
  • 3 colheres de sopa de cacau
  • 4 colheres de sopa de manteiga a temperatura ambiente
  • 1 copo de castanhas do para, picadas grosso
  • ingredientes da massa

  • 1 copo de manteiga a temperatura ambiente (225 gramas)
  • 2 copos de açúcar mascavo (aperte bem o açúcar no copo medidor)
  • 4 ovos ligeiramente batidos
  • 3 copos de farinha de trigo
  • 4 colheres de sobremesa de fermento em pó
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 copo de leite a temperatura ambiente
  • modo de preparo

  • 1. Pré-aqueça o forno a 180º c. Unte de manteiga e polvilhe de farinha um tabuleiro de aproximadamente 36 cm X 24 cm. Prepare primeiro a cobertura misturando numa vasilha todos os ingredientes com um garfo. Reserve.
  • 2. Na vasilha de uma batedeira, bata bem o açúcar com a manteiga (pelo menos 5 a 8 minutos). Adicione os ovos pouco a pouco, batendo bem entre cada um.
  • 3. Separadamente, misture a farinha, o fermento e o sal.
  • 4. Adicione os secos ao creme de manteiga, alternando com o leite. Termine com os secos.
  • 5. Ponha o creme no tabuleiro preparado. Cubra a massa com a cobertura espalhando bem por todo o tabuleiro e leve ao forno por 35 minutos (verifique a partir dos 30 Mn- a pontinha da faca tem de sair seca). Retire do forno e deixe esfriar totalmente antes de tirar do tabuleiro e partir.

6 de outubro de 2008

Eu não entendo bem porquê não tem um termo equivalente a chocólatras para os amantes de baunilha como eu. Eu não estou falando daquele aroma sintético que normalmente usamos para fazer bolos etc. Estou falando da verdadeira fava de baunilha, aquela cujas sementes criam tanto desejo, aguçam nossas papilas, transformam nossos perfumes, e fazem de um simples creme - esse perfeito pot-de-crème- uma nuvem de prazer.

Foi com o Pierre Hermé que descobri todas as nuances da baunilha (no seu famoso macaron de baunilha, PH usa 3 tipos de baunilha: Taiti, México e Madagascar). E foi assim que descobri que a origem da baunilha é na America Central e na America do Sul- bem pertinho da gente no estuário do rio Amazonas (aqui no Brasil, a produção é no estado do Pará).  Depois de descoberta na America Central pelos Espanhóis, a baunilha foi levada para a Europa. No século 19, um botânico belga criou um método de polinização manual da planta que permitia seu cultivo em escala de produção. Da Europa, a baunilha seguiu então para as ilhas do sudeste da África: Madagascar, Reunião e Comores, aonde foi cultivada como Vanilla Bourbon.  Madagascar e a Indonésia são hoje os maiores produtores mundiais.

O longo processo de cultivo e a atenção que isso requer são o motivo pelo qual a fava de baunilha ainda é a segunda especiaria mais cara, após o açafrão. São necessários de 1,5 kg a 2,5 kg de favas in natura para se obter 500 gramas de favas prontas para consumo.

Esse pot-de-crème é uma jóia para se descobrir a verdadeira baunilha. O creme é simples e permite as sementes mágicas da minha baunilha-querida, brilharem e mostrarem toda sua força. Não se esqueça de pôr as favas para secar depois de o creme estar pronto. Após secas (dois dias em cima de um papel-cozinha bastam), ponha num pote de açúcar. Seu açúcar vai ficar perfumado como nunca!

Prepare esse creme pelo menos 4 horas antes de servir ja que eles sao melhores quando servidos gelados. Essa receita dá 6 potinhos de creme.

  • ingredientes

  • 1 ½ copo de leite integral
  • 1 copo de creme de leite fresco
  • 2 favas de baunilha
  • 6 gemas de ovo
  • ½ copo de açúcar
  •  
  • modo de fazer

  • 1. Numa panela media, ponha o leite e o creme de leite. Numa tábua, com uma pequena faca bem afiada, corte as favas no sentido do comprimento. Com a pontinha da faca, raspe as sementes que estão dentro e ponha no leite. Raspe bem as favas para retirar toas as sementes. Ponha as favas no leite também. Ferva o creme em fogo alto. Desligue, tampa a panela e deixe abafado pelo menos 30 minutos.
  • 2. Pré-aqueça o forno a 160ºC. Na vasilha de uma batedeira, bata as gemas de ovo com o açúcar por 3 minutos, até a massa engrossa e ter clareado. Quando levantar o batedor da massa, a massa forma uma fita ao cair do batedor.
  • 3. Ferva o creme de novo e apague o fogo. Com a batedeira em baixa velocidade, pingue o creme nas gemas aos poucos. Isso é muito importante pois se você por o creme muito rápido, as gemas podem cozinhar - e não é o quê queremos…Depois de ter posto pelo menos a metade do creme nas gemas, já pode entornar de uma vez.
  • 4. Quando todo o creme estiver incorporado nas gemas, passe pela peneira para separar as favas. Deixe essa mistura repousar 20 minutos.
  • 5. Seque as favas delicadamente, ponha numa papel-cozinha e deixe 2 dias. Jogue num pote de açúcar e deixe. O açúcar preserva as favas.
  • 6. Entorne o creme em 6 copinhos que vão ao forno. Ponha num tabuleiro em banho-maria, cubra o tabuleiro com papel alumínio e asse por 30 minutos ou até estarem apenas firmes. Retire do forno e do banho-maria e deixe na geladeira por pelo menos 4 horas. O “pot-de-creme” se come gelado com uns biscoitinhos de chocolate amargo.

 

3 de outubro de 2008

Eu já mencionei por aqui antes minha frustração nas tentativas de juntar banana e chocolate em um mesmo cookie. Quando casava esses dois em bolos e pães, não havia problema. Mas na hora do biscoito, era divorcio na hora. A massa ficava sem o gosto pronunciado de banana que eu procurava e a textura era errada. Foram varias tentativas, mas nada produzia nem perto de um resultado que eu considerasse decente.

Na realidade, foi lendo um livro do Pierre Hermé que eu consegui a resposta para meu dilema. Ali ele explicava que não dá para obter um sabor forte de banana usando a polpa da fruta fresca já que essa é liquida demais e torna o biscoito mole demais.

Então, o meu problema não era a receita em si, e sim os ingredientes….

Foi quando tive uma ideia: bananas-passa!! E dito e feito: casamento perfeito. Usando a banana-passa em pedaços, o cookie ficou perfeito. Um sabor inconfundível de banana, cheio de textura, e cheio de chocolate.

Sirva esses cookies de sobremesa e você será um hit com seus convidados! Ou claro, no lanche das crianças, com um copo de leite - perfeito para dar aquele mergulho básico no cookie…

Obs.: Eu uso o chocolate com 60% cacau para os pedacinhos na massa, mas se não for possível, use o chocolate GAROTO meio-amargo. Outra combinação gostosa é fazer metade chocolate 60% cacau, metade chocolate ao leite.

Bom final de semana!

  •  ingredientes

  • 220 gramas de chocolate meio-amargo (eu prefiro GAROTO)
  • 200 gramas de chocolate Hershey’s Special Dark 60% cacau, picado pequeno
  • 55 gramas de manteiga sem sal
  • 2 ovos
  • ¾ copo de açúcar mascavo, bem apertado no copo medidor
  • 1 colher sobremesa de essência de baunilha
  • ½ copo de farinha
  • ¼ de colher de sobremesa de fermento em pó
  • ¼ de colher de sobremesa de sal
  • 200 gramas de banana-passa (ou nozes, ou meio a meio nozes/banana), picadinhas
  •  
  • modo de fazer

  • 1. Pre-aqueça o forno a 160º C. Forre um tabuleiro com papel manteiga (não untar !)
  • 2. Derreta em banho-maria, o chocolate meio-amargo com a manteiga. Retire assim que estiver derretido e deixe ficar morno.
  • 3. Adicione os ovos ao chocolate derretido misturando bem entre cada um. Junte o açúcar e misture bem. Em seguida a essência de baunilha, a farinha, o fermento e o sal.
  • Por fim, junte as bananas e o chocolate Hershey picadinhos.
  • 4. Com uma colher de sobremesa, faça bolinhas e ponha no tabuleiro espaçando entre cada um. Asse por 12/13 minutos. Atenção ao cronometro- o tempo de cozimento é de suma importância aqui! Deixe esfriar 1 minuto no tabuleiro e depois passe para uma grelha pra acabar de esfriar.

1 de outubro de 2008

Ainda estou sob o charme do livro da Suzanne Goin e suas misturas coloridas e perfumadas. Essa salada foi uma surpresa já que tinha, na realidade, me empolgado mesmo com o grão de bico que faz parte da receita.  Aqui ele é preparado de uma forma diferente, cozido primeiro num caldo delicioso para depois ser refogado no azeite. Assim, fica crocante e com um sabor inusitado. Como gosto de beterraba, resolvi atacar a receita toda e a surpresa valeu. Um prato lindo, cheio de contrastes, paladares distintos. O crocante do grão de bico, o azedo da azeitona preta e a suavidade da ricota e da beterraba cozida formam uma salada rica e despretensiosa.

  •  ingredientes

  • 1 quilo de beterrabas ainda com o caule
  • ¾ copo de azeite
  • 1 ½ sementes de cominho
  • 2 colheres de sopa + 2 colheres de chá de vinagre de vinho tinto
  • 1 colher sopa de suco de limão
  • 1 copo de grão de bico, cozido como receita a seguir e escorrido
  • ½ copo de azeitonas pretas
  • ½ copo de salsinha picada
  • 200 gramas de ricota picada
  • Sal e pimenta a gosto
  •  
  • modo de preparo

  • 1. Pré-aqueça o forno a 200 ºC. Corte os caules das beterrabas deixando uma pontinha de 1 cm e lave-as bem. Misture-as com 2 colheres de sopa de azeite e 1 colher de chá de sal. Ponha num tabuleiro, cubra com papel alumínio e leve ao forno ate estarem macias (mais ou menos 40 minutos). Quando estiverem prontas (cheque com a pontinha de uma faca pois o tempo varia em função do tamanho das beterrabas), retire do forno, deixe esfriar e retire a casca. Corte as beterrabas em gomos.
  • 2. Enquanto as beterrabas estiverem assando, toste as sementes de cominho em fogo médio por 2 a 3 minutos, ou até começarem a escurecer e ficarem perfumadas.  Retire do fogo, ponha a metade das sementes num pilão e soque devagar até formar um pó. Transfira o cominho em pó para uma vasilha, misture com ¼ colher de sobremesa de sal, o vinagre e o suco de limão. Misture ate diluir o sal e adicione o azeite. Misture bem e ajuste os temperos se necessário.
  • 3. Numa frigideira, adicione 2 colheres de sopa de azeite e junte o restante do cominho em grãos. Esquente por 2 minutos e junte os grãos de bico cozidos como receita a seguir. Frite os grãos de bico por 4 a 5 minutos ate ficarem dourados e crocantes. Retire do fogo e deixe escorrer em papel-absorvente. Tempere com sal e pimenta.
  • 4. misture as beterrabas com o vinagrete, às azeitonas e a salsinha. Por fim, com cuidado, junte a ricota com cuidado e salpique de grão de bico.
  •  
  • receita do grão de bico

  • ingredientes

  • ¼ copo de azeite
  • ½ copo de cebola picada
  • 3 dentes de alho picados
  • 1 pimenta dedo-de-moça, sem sementes, picada
  • 1 colher de sobremesa de tomilho
  • 1 folha de louro
  • 1 ½ copo de grão de bico seco
  • 1 colher de chá de páprica
  • 1 pitada de pimenta da Jamaica
  • 1 canela
  •  
  • modo de preparo

  • 1. Esquente uma panela media e ponha o azeite. Espere 1 minuto e adicione a cebola, o alho, a pimenta dedo de moça, o tomilho e o louro. Cozinhe por 1 ou 2 minutos ate a cebola ficar macia e adicione os grãos de bico, a páprica, a pimenta e a canela. Mexa por alguns minutos para os grãos ficarem completamente encobertos pelas especiarias.
  • 2. Cubra os grãos de bico com água. A água tem que recobrir os grãos de bico por aproximadamente 7 centímetros. Deixe ferver em fogo alto. Abaixe o fogo e cubra o liquido com um pedaço de papel manteiga para manter o os grãos a baixo d’água. Ferva por 30 minutos, adicione 3 colheres de sobremesa de sal, e deixe cozinhar por mais 1 hora, até os grãos estarem tenros, mas firmes. Se necessário, adicione mais água durante o cozimento. Quando estiverem prontos, desligue o fogo e deixe os grãos esfriarem no seu liquido.
  •  
  • Esses grãos de bico ficam uma delicia se usados para preparo de um hummus Tahini ou usados em outra salada.

  •  

30 de setembro de 2008

Como prometido, segue a receita do ketchup do Heston Blumenthal. Eu primeiro a vi no Chubby Hubby há uns tempos atrás mas só recentemente me animei. Na realidade, estava esperando tomates bem bonitos que valessem à pena: afinal, são 5 quilos de tomate para 500 ml de ketchup. O produto final é recompensador: um molho sem conservantes, orgânico (na medida em que se conhece a procedência dos tomates) e customizado. O processo é longo, mas não é difícil. Não deixe de usar tomates muito maduros - é o único segredo da receita. Os temperos podem ser mudados a gosto: use mais ou menos alho, idem o gengibre, a pimenta etc. Só a quantidade de tomate e açúcar deve ser respeitada. Para guardar, esterilize potinhos de vidro no forno a 110°C por 5 minutos, encha de ketchup e vire os potinhos de cabeça para baixo. Deixe assim até esfriarem.

  • ingredientes

  • 5 quilos de tomates bem maduros
  • 2 dentes de alho
  • 1 colher de sopa mostarda tipo DIJON
  • 1 colher de sopa de vinagre de vinho branco
  • 8 cravos
  • 2 colheres de sobremesa de sal
  • 1 colher de sobremesa de pimenta da Jamaica
  • 1 pitada de canela
  • 1 colher sobremesa de gengibre em pó
  • 7 colheres de sopa de açúcar de confeiteiro
  • modo de preparo

  • 1. Corte os tomates ao meio e tire as sementes.  Salpique de sal e deixe escorrer algumas horas (eu deixei de um dia pro outro, mas basta umas 2-3 horas). Ponha tudo numa panela grande, cubra bem com um pedaço de papel manteiga (para formar um “cartouche”) e leve ao fogo médio/alto. Quando ferver, abaixe o fogo e deixe cozinhar por 10 minutos.
  • 2. Retire a panela do fogo e passe os tomates por um chinois (peneira bem fina).  Leve a polpa de tomates de novo para a panela, junte todos os ingredientes menos o açúcar e leve a fogo baixo. Deixe ferver até diminuir pela metade e engrossar. Isso vai levar algumas horas (quase 3 horas para mim…).
  • 3. Quando estiver no ponto desejado, retire do fogo, passe de novo pelo chinois, e volte tudo à panela. Adicione o açúcar e mexa sem parar para o açúcar não queimar, até o ketchup estar com a espessura correta.
  • 4. Retire do fogo e ponha em jarros esterilizados. Tampe e vire de cabeça pra baixo. Deixe esfriar os potinhos totalmente. Guarda vários meses se for bem acondicionado.

« Página anterior - Próxima página »